Wednesday, July 30, 2008

o bem e o mal



eu guardo em mim
dois corações
um que é do mar
um das paixões
um canto doce
um cheiro de tem...poral
eu guardo em mim
um deus, um louco, um santo
um bem e um mal
eu guardo em mim
tantas canções
de tanto mar
tantas manhãs
encanto doce
o cheiro de um vendaval
guardo em mim
o deus, o louco, o santo
o bem, o mal

(Danilo Caymmi)
(eu estou aqui, depois eu volto...)

Tuesday, July 29, 2008

Dá-me o silêncio


Deixa-me escrever o teu nome
Lê em cada letra o que sinto por ti
Lê o meu nome
Escreve de cada letra o que sentes por mim

Dá-me o silêncio
Deixa-me ouvir-me
Profundamente e no sentido puro
Deixa-me sentir-me o que era e saber o que sou ,
Agora, depois de ti.

Dá-me o silêncio e deixa ouvir
O som que fazes soar no meu coração
Para que eu possa cantar e enaltecer
O silêncio que me deste para te ouvir.

Deixa-me cantar esse som que me deixaste escutar
E então, poderei cantar

(Delfim Peixoto)
http://baudepoemas.blogspot.com/

Monday, July 28, 2008

Quantas vezes


Quantas vezes converso com o mar,
tendo por companhia o cheiro a sargaço e as pardelas.
Quantas vezes mergulho no meu mar,
sabendo que esvoaçam no céu apenas as gaivotas.
Quantas vezes me passeio contigo à beira do teu mar,
sem sequer dares conta de que estou aí...

(comentado noutro blog)

Sunday, July 27, 2008

Para descontrair.....

O poder do marketing:

Duas criancinhas de oito anos conversam no quarto.
O menino pergunta para a menina:

- O que vais pedir no DIA DA CRIANÇA?
- Eu vou pedir uma Barbie, e tu?
- Eu vou pedir um TAMPAX! - responde o menino
- TAMPAX?! O que é isso?!
- Nem imagino... mas na televisão dizem que com TAMPAX a gente pode ir à praia todos os dias, andar de bicicleta, andar a cavalo, dançar, ir ao clube, correr, fazer um montão de coisas fixes, e o melhor... SEM QUE NINGUÉM PERCEBA!

(acabadíssima de receber por mail...)

Saturday, July 26, 2008

Volver a los 17


Mercedes Sosa e Milton Nascimento

Que fazer quando se anda com uma música na cabeça o dia todo?
Partilhá-la convosco, pois claro...
Para todos um Bom Dia!

Para o Armando Correia, pintor e ceramista da minha terra

POVO, do sofrimento nasceu a ordem,
da ordem nasceu
tua bandeira de VITÓRIA
Levanta-la com todas as mãos QUE CAIRAM
Defende-a com todas as mãos QUE SE JUNTAM:
E QUE AVANCE À LUTA FINAL
ATÉ À ESTRELA
A UNIDADE DOS TEUS ROSTOS
INVENCÍVEIS!

(Pablo Neruda, do poema "La tierra se llama juan")

e morre-se tão lentamente............................

Friday, July 25, 2008

«VIVA LA MUERTE!»

«Viva la Muerte!», era uma das frases utilizadas pelo general fascista Millán Astray para exibir a sua dimensão... humana.
Em 12 de Outubro de 1936, no decorrer de uma sessão na Universidade de Salamanca, Millán Astray enriqueceu a ideia, acrescentando à frase um novo condimento: «Muera la Inteligencia! Viva la Muerte!».
Aí está o que bem poderia ser a palavra-de-ordem do poder capitalista dominante, hoje.

Vem isto a propósito da forma como os jornais portugueses têm tratado os acontecimentos na Colômbia.
Com efeito, lendo-os parece estarmos perante uma tradução adaptada ao tempo actual da frase do fascista espanhol, em que os elogios a Uribe e aos seus homens de mão soam como autênticos gritos de Viva la Muerte! gritados à maneira actual, ou seja, decorados com os habituais enfeites pseudo democráticos - e complementados com a desinformação dos leitores, quer divulgando notícias falsas sobre a realidade colombiana, quer silenciando cuidadosamente os brutais crimes do regime de Uribe.

Por isso aqui ficam mais alguns dados sobre a realidade colombiana nessa matéria, desta vez tirados de um relatório da Amnistia Internacional (AI).
Informa esse relatório que, «em 2007, aconteceram na Colômbia 280 execuções extra judiciais». As vítimas, na maioria camponeses, foram apresentadas pelos militares como sendo «guerrilheiros mortos em combate».
Por seu lado, os grupos paramilitares cometeram 230 assassinatos no mesmo ano de 2007.
Ainda em 2007, estes grupos paramilitares - ligados, como se sabe, ao narcotráfico - «roubaram 4 milhões de hectares de terra a camponeses pobres».

Sempre segundo o relatório da AI, os que se queixam destes crimes à justiça correm sérios riscos, tal como os seus advogados de defesa. Exemplos: Yolanda Isquierdo, advogada de várias famílias vítimas dos paramilitares, foi assassinada no dia 31/1/2007; a advogada Carmen Romaña, que representava vítimas de roubos de terras, foi assassinada a tiro no dia 7/2/2007.

Quanto aos sindicalistas - que Uribe considera serem «elementos subversivos» - são alvos preferenciais da repressão.
Assim, informa a AI, durante as duas últimas décadas, foram assassinados 2. 245 sindicalistas e desapareceram 138 (estes desaparecimentos correspondem, regra geral, a assassinatos) - e 3. 400 sindicalistas estão ameaçados de morte.
Mais de 90% destes casos não foram sequer investigados - aliás, segundo a AI, «mais de 40 legisladores são suspeitos de ligação aos paramilitares»...

Eis, em resumo muito resumido e parcial, um retrato do governo de Uribe - que os média portugueses não se cansam de elogiar e apresentar como um exemplo de governo democrático...

(texto retirado do blogue Cravo de Abril, http://cravodeabril.blogspot.com/)

Thursday, July 24, 2008

Aqui onde...


Aqui onde sei do amor,
do desejo, da raiva,
do rio que já és
por tantas lágrimas choradas
a fúria de te não ter,
de não me possuires
assim, de mansinho...

Wednesday, July 23, 2008

Um pôr de sol diferente...


Porque há experiências que não se repetem
e por isso são únicas
como único foi este pôr de sol a cair no mar
ontem mesmo
porque quando as palavras saem ao mesmo tempo
nem é preciso dizê-las
basta um olhar
e mergulhamos dentro de um sentir
que pode ser amor amizade filho abraço
seja lá o que for
eu sei que é para sempre...
na tarde em que o pôr de sol foi diferente
porque apenas... aconteceu...

Tuesday, July 22, 2008

Um cheirinho da Festa da Alegria


Os Mineiros de Aljustrel, no seu cante...


Alguns dos mais resistentes "ousaram" ver o Comício ao sol...
... e tantos ficámos à sombra...

As nossas Festas são sempre de Alegria, não importa o nome que lhes damos.
São Festas de Alegria na Luta e Confiança num Futuro melhor. Por isso até quem trabalha sob o sol escaldante tem um sorriso aberto e feliz, e quem se (re)encontra e se abraça fá-lo com a certeza de que continuamos todos do mesmo lado, na mesma Luta, com a mesma Alegria...

Saturday, July 19, 2008

Estou aqui!



É. Aqui mesmo. Nos próximos dois dias...
Bom fim-de-semana a todos, que o meu vai ser excelente!
(apesar do calor...)

Friday, July 18, 2008

Cálice II

Coloquei ontem esta canção, na voz de Chico Buarque e de Milton Nascimento.
Deixo hoje a mesma canção, noutra versão, conforme era cantada no tempo da ditadura, no Brasil, e um clip muito especial.
Para que não se esqueça!!!



Chico Buarque e Gilberto Gil (censurada)



Chico e Milton (clip ditadura)

E repito: Para que não se esqueça, nem lá, nem aqui!!!!

Thursday, July 17, 2008

Cálice I



Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga, tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito, silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa, melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta, tanta mentira, tanta força bruta

Como é difícil acordar calado, se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa, atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento ver emergir o monstro da lagoa

De muito gorda a porca já não anda, de muito usada a faca já não corta
Como é difícil pai, abrir a porta, essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo, de que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca dos bêbados do centro da cidade

Talvez o mundo não seja pequeno, nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado, quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça, minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel, me embriagar até que alguém me esqueça

Wednesday, July 16, 2008

GUILLERMO RIVERA FÚQUENE

Acabei de ler agora este post no Cravo de Abril, que transcrevo:

"No dia 22 de Abril, desapareceu, em Bogotá.
Ontem foi anunciado que o seu corpo, sem vida, foi encontrado.

Era dirigente sindical e militante comunista - duas razões para, no regime narco-fascista de Uribe, não ter direito à vida.

Muito provavelmente, a notícia do seu assassinato ocupará, na generalidade dos média dominantes, tanto espaço e tanto tempo como ocupou a notícia do seu desaparecimento: zero - mas parte grande desse espaço e desse tempo continuará a ser utilizada no louvor dos assassinos de Guillermo Rivera.

São estes os tempos que vivemos. Fazer-lhes frente, assumindo todas as consequências, é a meu ver um imperativo de dignidade.
E fazer-lhes frente, nesta concreta situação colombiana, é afirmar frontalmente e sem reservas a nossa incondicional solidariedade com os revolucionários colombianos, aí incluídos os guerrilheiros das FARC.
É essa a minha posição."

Obrigada, Fernando Samuel.
Esta é, também, a minha posição!

http://cravodeabril.blogspot.com/2008/07/guillermo-rivera-fquene.html

Um Poema

REZA, MARIA!

Suam no trabalho as curvadas bestas
e não são bestas
são homens, Maria!

Corre-se a pontapés os cães na fome dos ossos
e não são cães
são seres humanos, Maria!

Feras matam velhos, mulheres e crianças
e não são feras, são homens
e os velhos, as mulheres e as crianças
são os nossos pais
nossas irmãs e nossos filhos, Maria!

Crias morrem à míngua de pão
vermes nas ruas estendem a mão à caridade
e nem crias nem vermes são
mas aleijados meninos sem casa, Maria!

Bichos espreitam nas cercas de arame farpado
curvam cansados dorsos ao peso das cangas
e também não são bichos, Maria!

Do ódio e da guerra dos homens
das mães e das filhas violadas
das crianças mortas de anemia
e de todos que apodrecem nos calabouços
cresce no mundo o girassol da esperança.

Ah, Maria
põe as mãos e reza.
Pelos homens todos
e negros de toda a parte
põe as mãos
e reza, Maria!

José Craveirinha
(poema retirado do Cravo de Abril)

Tuesday, July 15, 2008

As horas




Se eu pudesse viajar nas horas
faria este tempo nosso parar
Se eu pudesse recuar nas horas
teria toda a vida para te amar...

Diz-me do tempo das horas
que faltam para te encontrar
Não sei porque tanto demoras
se nem saí do mesmo lugar...

Ah, como me fazes falta...

Monday, July 14, 2008

Sunday, July 13, 2008

Guillermo Rivera Fúquene


Porque sei que há por aqui bloggers que não estão completamente esclarecidos sobre a questão da libertação da Ingrid Betancourt, sobre quem é o presidente Uribe, da Colômbia, e sobre Guillermo Fúquene, Sindicalista desaparecido desde 22 de Abril em Bogotá e marido de Sónia Betancur (talvez a “confusão” seja derivada aos apelidos das duas mulheres), e porque a desinformação é mais que muita, deixo abaixo alguns dos blogues onde podem recolher mais informações a respeito:

http://anonimosecxxi.blogspot.com/
http://cravodeabril.blogspot.com/
http://ocastendo.blogs.sapo.pt/
http://samuel-cantigueiro.blogspot.com/
http://tempodascerejas.blogspot.com/

Palpita-me que, um dia destes, volto a colocar aqui Bertolt Brecht....

Nota: Neste preciso momento em que escrevo estou a assistir pela rtp ao concerto de homenagem a Nelson Mandela, pelos seus 90 anos. Penso que hoje todos sabem quem ele é. Mas nem todos sabem que ele fez parte, até há pouco tempo, da lista de “terroristas” dos EUA...

Exú


EXU come tudo que a boca come, bebe cachaça, é um cavaleiro andante e um menino reinador.
Gosta de balbúrdia, senhor dos caminhos, mensageiro dos deuses, correio dos orixás, um capeta. Por tudo isso sincretizaram-no com o diabo; em verdade ele é apenas o orixá em movimento, amigo de um bafafá, de uma confusão mas, no fundo, excelente pessoa.
De certa maneira é o Não onde só existe o Sim; o Contra em meio do a Favor; o intrépido e o invencível.
Toda festa de terreiro começa com o padê de Exú, para que ele não venha causar perturbação.
Sua roupa é bela: azul, vermelha e branca e todas as segundas feiras lhe pertencem.

Jorge Amado
in) Bahia de todos os santos - guia de ruas e mistérios

Saturday, July 12, 2008

Um teste...

O nosso cérebro é doido!!!

De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea.
Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.

Fixe seus olhos no texto abaixo e deixe que a sua mente leia corretamente o que está escrito.
35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4 M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O! NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45 N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3! P4R4BÉN5!

Bom fim-de-semana a todos!

Friday, July 11, 2008

Para os meus amigos de Salvador da Bahia



Um abraço do tamanho do oceano que nos separa, mas que também nos une...
... e que o manto da felicidade paire sobre vós, todos os dias...
Um axé para vocês!
Saravá,
Leticia Gabian e José, Gabriel, Pedrinho Sergipano, Horácio Reis, João Carlos, Padre Miguel, José Augusto e Inês, Luli e Lucinha, Verbena e Roberto, Cleneide (nada de risada, hoje), Mariana e Paulo, Marina e Paulo, Haroldo, e todos os nomes que estarão hoje no Aconchego da Zuzu...

Thursday, July 10, 2008

Para ti, que gostas de rios e pontes



Fosse eu rio, poderias navegar rio acima até onde
a água mais transparente brota de mim, que sou terra.
Fosse eu ponte, poderias atravessar rios e vales e buscar
caminho rio abaixo até chegares a mim, que sou mar.
Não sou rio nem ponte.
Mas desaguo-me, todos os dias, nas palavras que nos vais
deixando ler, e de que eu tanto preciso, para respirar.
Obrigada, Pedro.

Wednesday, July 09, 2008

Vermelha é a terra


Vermelha é a terra de dor sangrando
clamando por justiça para quem a ama
Verdes são seus frutos madurados no tempo
de matar a fome de quem a beija
Cristalina a água que com ela se deita
cumprindo o ciclo da mãe natureza

Tuesday, July 08, 2008

Anoiteço-me


Anoiteço-me
no teu corpo de cetim
rasgado de tanta dor
Amanheces-me
com um sorriso de menino
e um beijo aberto, em flor

Esclarecimento

Um esclarecimento que se impõe:
O meu post de 19 de Dezembro de 2007, de homenagem a José Dias Coelho, contém dois poemas, um de Alda Nogueira, o outro da cantiga do Zeca Afonso.
O poema de Alda Nogueira, pesquisado na net, foi retirado do blogue http://www.ascausasdajulia.blogspot.com, da minha amiga Júlia Coutinho.
Está, assim, completa a informação.

Sunday, July 06, 2008

De volta pró meu aconchego!!!

Estou de volta pró meu aconchego
Trazendo na mala bastante saudade
Querendo um sorriso sincero, um abraço,
Para aliviar meu cansaço
E toda essa minha vontade
Que bom, poder tá contigo de novo,
Roçando o teu corpo e beijando você,
Prá mim tu és a estrela mais linda
Seus olhos me prendem, fascinam,
A paz que eu gosto de ter.
É duro, ficar sem você vez em quando
Parece que falta um pedaço de mim
Me alegro na hora de regressar
Parece que eu vou mergulhar
Na felicidade sem fim.

(Nando Cordel)

(logo logo estou aí... até já)

Thursday, July 03, 2008

Relembrar é preciso! Agir também!!!

É preciso agir

Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.


(Bertolt Brecht)