Wednesday, December 31, 2008

Para os amigos dos dois lados do Atlântico


É doce morrer no mar
(Dorival Caymmi)

É doce morrer no mar,
Nas ondas verdes do mar

A noite que ele não veio foi,
Foi de tristeza pra mim
Saveiro voltou sozinho
Triste noite foi pra mim

É doce morrer no mar,
Nas ondas verdes do mar

Saveiro partiu de noite, foi
Madrugada não voltou
O marinheiro bonito
Sereia do mar levou.

É doce morrer no mar,
Nas ondas verdes do mar

Nas ondas verdes do mar, meu bem
Ele se foi afogar
Fez sua cama de noivo
No colo de Iemanjá

Tuesday, December 30, 2008

AO MORRER...

Ao morrer, nada mais me importará.
Por antecipação, nem já me importa.
Com consciência, pois, do paradoxo,
é que ouso dizer com bonomia
que até quem se incomode a acompanhar-me
o corpo hirto, inerte, a apodrecer,
ao cemitério sossegado e claro,
o fará com desgosto meu actual.
Nunca gostei de incomodar ninguém.
Mas quem não quero lá, fique isto assente,
são padres, charlatães, capitalistas,
para nem morto suportar ofensas.

Armindo Rodrigues

Monday, December 29, 2008

Espero-te

Estive perto.
Tão perto da poesia cantada dita gritada.
Estou longe.
Tão longe do calor fogueira acesa chama.
Apenas recordo.
Os gestos suaves as mãos que se dão.
Regresso-me.
Nos olhos doces marotos quentes amigos.
Espero-te.
Tenho para ti a estrela de alva que foi minha…

Sunday, December 28, 2008

Já não choro


Já não choro, já não tenho lágrimas,
secaram com o vento que ondula as searas
Tenho apenas esta enorme angústia
no peito na garganta no estômago,
disseste que estarias comigo
e a meu lado só o frio dos lençóis
e da tua ausência tão fortemente presente
Mas eu que sou terra e fogo e mar
hei-de erguer a bandeira dos não vencidos
e entrarei com ela, novamente,
pela enorme, e sempre aberta, porta da vida!

Saturday, December 27, 2008

Música para o fim de semana


Dois dos maiores...
Bom fim-de-semana

Thursday, December 25, 2008

Charles Chaplin, eterno!


Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar,
mas também decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,
já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos,
amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
fui amado e não amei.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
“quebrei a cara muitas vezes”!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
me apaixonei por um sorriso,
já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo).

Mas vivi, e ainda vivo!
Não passo pela vida…
E você também não deveria passar!
Viva!
Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe
e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é “muito” pra ser insignificante.

Charles Chaplin
(este post é exactamente igual ao que coloquei aqui no ano passado, mas não quero, nem posso, deixar passar esta data em branco...)

Nos beirais...


Sabes o que o silêncio me diz?
As estradas desertas cheias de pó?
Os pedaços de gente pobre e infeliz
Nos beirais da cidade mais que só…

Passam sacos inundados de plástico e vazio
Nos sorrisos de um tempo que não existe
Cada um reclama para si um calor em tons de frio
Nos beirais da cidade mais que triste…

Dizem que é Natal. Evidentemente.
Façamos então uma roda numa mão que aperta
Cantemos o futuro, que o passado é presente
E a cidade, coitada, mais que deserta…

Chovem palavras ocas… sem que o remetente sorria
Caem no cesto das prendas, sem ver nem apalpar
Rasgos de um não acontecer em noite que arrepia
Nos beirais da cidade… onde se perde o segredo do olhar…

Voamos? Saltamos? Gritamos? VEMOS? Quem sabe
Amanhã tudo passa e voltarão os turnos naturais
Porque hoje, consoada de um amor que não nos cabe
Perdemo-nos na cidade, adormecidos nos seus beirais!

Pedro Branco

(poema inédito)


(imagem de olhares.aeiou)

Wednesday, December 24, 2008

Natal, e não Dezembro

Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio
no prédio que amanhã for demolido...
Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos e depressa, em qualquer sítio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma nave...
Entremos, despojados, mas entremos.
De mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.

David Mourão-Ferreira

Monday, December 22, 2008

PORQUE É NATAL


"Queridas amigas e amigos,

O que eu gostava mesmo era de ser o Pai Natal. O verdadeiro. O autêntico. O que desce pelas chaminés e leva uma prenda a cada menino. E, já agora, a cada adulto.

Sei que já não há chaminés por onde possa escorregar um Pai Natal que se preze. Teria de aprender outros truques para entrar na casa de cada um.

Mas havia de levar prendas daquelas que não são compradas à pressa. Nem precisam de muitos laços e fitas. Prendas com prendas dentro. Das que ficam muito tempo a fazer ninho no coração das pessoas.

Levava sorrisos. Sobretudo sorrisos. Não daqueles que se acendem a medo, de espinhela dobrada, “com-licença-faz-favor”. Mas sorrisos fortes como os dos homens que são capazes de olhar de frente a vida e dar a volta aos tropeços do destino.

Levava palavras. Palavras escritas devagarinho e com todas as letras. Palavras fraternas e limpas como as pedrinhas que se apanha à beira mar. Cada uma escolhida de propósito para cada pessoa.

Levava livros também. Daqueles que nos oferecem muitas horas de viagens verdadeiras, de alegria, de espanto, de maravilha, de medo, de ternura. Daqueles que nos fazem conhecer outras pessoas, com outros desejos, outras dores e outros sonhos. Livros que nos ajudam a saber que cada um de nós não é o centro do mundo e nos permitem a festa estender pontes daqui para ali, do nosso peito para o longe do universo.

Talvez não consiga levar-vos tudo isto pessoalmente. Mas segue um abraço dado com toda a força e o desejo de muita luz neste Natal."

José Fanha


Este post foi totalmente "surripiado" do
Queridas Bibliotecas, do José Fanha

Sunday, December 21, 2008

Sinto-me assim...


(foto recebida por mail)

Só não estou sentada a ver-me porque vim até aqui escrever isto...

Acho que ontem engoli o mar todo por isso me sai hoje pelos olhos.
... e tenho o coração apertado...

Vôo


Soubesse eu levantar vôo
com as penas molhadas da tua espuma
Soubesses tu secar todas as minhas penas
com o calor do teu corpo...

Saturday, December 20, 2008

Música para o fim de semana


Um presente que recebi, e partilho convosco.
Bom fim-de-semana

Thursday, December 18, 2008

Obrigada


Dás-me tanto todos os dias sempre que leio as tuas palavras
Que chegando de mãos vazias as levo cheias de abraços

Trago-te bem dentro de mim do lado esquerdo, no coração
Que é o lugar mais bonito para guardar um filho, um irmão

Rebento-me por dentro, no peito do sufoco, do pranto, do grito
Abro a janela e soltas-te em rio de dentro de mim, até ao infinito.


(imagem da net)

Parabéns, Patrícia!


Adoro o teu sorriso... tu sabes...
És uma menina muito especial!
Tudo de bom para ti, e um beijo enorme. Muito maior do que eu...

Wednesday, December 17, 2008

Liberdade

Ser livre é querer ir e ter um rumo
e ir sem medo,
mesmo que sejam vãos os passos.
É pensar e logo
transformar o fumo
do pensamento em braços.
É não ter pão nem vinho,
só ver portas fechadas e pessoas hostis
e arrancar teimosamente do caminho
sonhos de sol
com fúrias de raiz.
É estar atado, amordaçado, em sangue, exausto
e, mesmo assim,
só de pensar gritar
gritar
e só de pensar ir
ir e chegar ao fim.

Armindo Rodrigues

Tuesday, December 16, 2008

Chega-te cá


Chega-te cá e ouve o que te digo
são muitas as águas que hão-de correr
são tantos os rios que se encolhem nas margens
são imensos os mares que temos por navegar
Chega-te cá e olha-me nos olhos
diz-me o que quero ouvir para renascer
diz-me que a esperança se renova em todas as paisagens
e que não tarda o tempo de te amar...

Monday, December 15, 2008

Regresso


Quando é que as camélias estão em flor?
diz-me em que mês, para eu arrancar as outras folhas do calendário
as que faltam até ao mês das camélias
Quando voltará o vento a soprar ameno, se nem chegou ainda
o inverno de todos os ventos?
Não quero deixar de sonhar, e não podendo escolher os sonhos
faço deles uma forma de luta
da luta que me fará regressar a mim
um dia
para me ter, de novo, inteira!

Sunday, December 14, 2008

Agradecendo desafios e desafiando...

Fui desafiada pela Filoxera (Escrito a quente) e pela Tulipa (http://jardins-proibidos-tulipa.blogspot.com/) a responder a um desafio, o que faço abaixo, pedindo desculpa pelo atraso em fazê-lo.

Consiste este desafio em escolher um cantor ou grupo e, escolhendo dez cantigas deste cantor ou grupo, responder às perguntas que se seguem.

O meu escolhido é Chico Buarque, porque é um dos meus Eternos!
Então aqui vai:

1. És homem ou mulher? A Ilha
2. Descreve-te: Tanto Mar
3. O que é que as pessoas acham de ti? Amigo é pra essas coisas
4. Como descreves o teu último relacionamento? O Meu Amor
5. Descreve o estado actual da tua relação: Atrás da porta
6. Onde querias estar agora? Tororó
7. O que pensas a respeito do amor? Tanta saudade
8. Como é a tua vida? Cálice
9. O que pedirias se pudesses ter um desejo? Pedaço de mim
10. Escreve uma fase sábia: Vence na Vida quem diz Sim

Como as regras existem para serem quebradas, não vou nomear ninguém. Quem quiser pode pegar no desafio e levá-lo…

Obrigada Filoxera, obrigada Tulipa. Beijos.


**********************

Também o Jorge, do Vagabundices, me desafiou para “me confessar”, quase há 15 dias.
Desculpa o atrazo, Jorge, mas houve alguns percalços entretanto…
Já não me sei confessar (desaprendi com a idade) mas de qualquer foma vou tentar reponder.

Primeiro as regras:

1 - Linkar quem te ofereceu a distinção.
2 - Editar no blog as respectivas regras.
3 - Mencionar seis ou mais coisas acerca de ti.
4 - Distinguir cinco pessoas e divulgar os repectivos links.
5 - Deixar um comentário nos blogs dos visados avisando-os da distinção.
6 - Avisar quem te distiguiu que já foi dado o respectivo seguimento.

E pronto, lá vão as minhas confissões, embora ache que ninguém vai ficar surpreendido:

1 – Amo o mar, preciso dele para viver
2 – Adoro ler e ouvir música
3 – Sou amiga dos meus amigos e solidária com os menos favorecidos
4 – Detesto a injustiça, a hipocrisia, a mentira, a arrogância, a prepotência
5 – Defenderei a liberdade e lutarei por um mundo melhor até ao fim
6 – Preciso muito de “fugir daqui”…

Mais uma vez quebro as regras, e não desafio ninguém.
Está aqui tudo, sabem como se faz, levem, por favor!

Obrigada, Jorge. Beijos para ti.
(quando voltas?)

Saturday, December 13, 2008

Música para o fim de semana


É uma das minhas músicas de sempre!
Bom fim-de-semana

Friday, December 12, 2008

"faz de conta... és poeta!"



quero ler

- avó, quero ler!
diz com a sua sacola
- mas não sabes as letras,
ainda não foste à escola

- eu já sei o A e já sei o O
- mas não sabes juntar
e isso é preciso,
para palavas formar


- sei o Fê e o Mê
e sei juntar com o A
essas letras já vi
uma é Fá outra Má

- muito bem, diz a avó
- e se for com o O?
- também sei juntar essas,
uma é Fó outra Mó

- para ler é preciso
mais letras saber
quando fores crescidita
vais para a escola aprender

- e agora, tu contas?
ou conta a mamã?
eu gosto de histórias
conta esta da rã.

O sonho concretizou-se e o livro da Luísa Azevedo é lançado amanhã, às 15.00 horas, na FNAC de Alfragide.
É lá que vou estar...

Thursday, December 11, 2008

Quem me mandou resistir?

A terra onde moro tem de tudo prédios onde mora gente decente vivendas ilegais com piscina e tudo sem autorização de construção iluminações de natal e muitos carros.
A terra onde moro é ao pé do mar e ao pé do rio tem um estádio a que chamam nacional piscinas olímpicas e tudo o resto. E um frio a percorrer-me o corpo.
Ou tem nada. Tem apenas pessoas. Que trabalham. A terra onde moro é quase um dormitório tirando os senhores das vivendas que têm sempre gente.
Na terra onde moro há assaltos e tiros e grandes vivendas de gente importante. E grandes jogos de futebol e ténis e outros desportos. Na terra onde moro há tudo. Ou nada. E um frio a percorrer-me o corpo.
E como na terra onde moro há tudo, há também assaltos a casas e a pessoas, por esticão ou outra coisa qualquer. E vivendas e cães e gente importante e outras pessoas, novos e mais velhos. Na terra onde moro o rio acaba e o mar começa. E lambe-me os pés quando me passeio pelo areal. E quando há assaltos as pessoas fecham-se em casa com medo! E um frio a percorrer-me o corpo.
Na terra onde moro há velhos que são assaltados por jovens quase miúdos que fazem disto uma forma de vida. Organizados. Em carros roubados ou não. Mas organizados!
A terra onde moro é a minha outra terra. E é azul e verde. E tem areia dourada. E carros. E vivendas com gente e cães. Na terra onde moro há assaltos como nas outras terras. E um frio a percorrer-me o corpo.
E se sobrevivermos aos assaltos para podermos contar como foi devemos agradecer a quem nos assaltou por terem sido bonzinhos porque os maus tratos foram apenas porque resistimos. Quem me mandou resistir? E um frio a percorrer-me o corpo.
Na terra onde moro há vizinhos solidários. São pessoas. Na terra onde moro as pessoas vêm às janelas quando ouvem gritos muitos gritos. Na terra onde moro e vivo há gente que se fecha nas vivendas e há pessoas solidárias. E isso é o que importa... E um frio a percorrer-me o corpo.

Tuesday, December 09, 2008

Relembrando...





(videos retirados do Canhotices)
............

Vou, vou-vos mostrar mais um pedaço da minha vida, um pedaço um pouco especial, trata-se de um texto que foi escrito, assim, de um só jorro, numa noite de Fevereiro de 79, e que talvez tenha um ou outro pormenor que já não é muito actual. Eu vou-vos dar o texto tal e qual como eu o escrevi nessa altura, sem ter modificado nada, por isso vos peço que não se deixem distrair por esses pormenores que possam ser já não muito actuais e que isso não contribua para desviar a vossa atenção do que me parece ser o essencial neste texto.
Chama-se FMI.
Quer dizer: Fundo Monetário Internacional.
Não sei porque é que se riem, é uma organização democrática dos países todos, que se reúnem, como as pessoas, em torno de uma mesa para discutir os seus assuntos, e no fim tomar as decisões que interessam a todos...
É o internacionalismo monetário!

...........

Cachucho não é coisa que me traga a mim
Mais novidade do que lagostim
Nariz que reconhece o cheiro do pilim
Distingue bem o mortimor do meirim
A produtividade, ora aí está, quer dizer
Há tanto nesta terra que ainda está por fazer
Entrar por aí a dentro, analisar, e então
Do meu 'attachi-case' sai a solução!

FMI Não há graça que não faça o FMI
FMI O bombástico de plástico para si
FMI Não há força que retorça o FMI

Discreto e ordenado mas nem por isso fraco
Eis a imagem 'on the rocks' do cancro do tabaco
Enfio uma gravata em cada fato-macaco
E meto o pessoal todo no mesmo saco
A produtividade, ora aí está, quer dizer
Não ando aqui a brincar, não há tempo a perder
Batendo o pé na casa, espanador na mão
É só desinfectar em superprodução!

FMI Não há truque que não lucre ao FMI
FMI O heróico paranóico 'hara-quiri'
FMI Panegírico, pro-lírico daqui

Palavras, palavras, palavras e não só
Palavras para si e palavras para dó
A contas com o nada que swingar o sol-e-dó
Depois a criadagem lava o pé e limpa o pó
A produtividade, ora nem mais, célulazinhas cinzentas
Sempre atentas
E levas pela tromba se não te pões a pau
Num encontrão imediato do 3º grau!

FMI Não há lenha que detenha o FMI
FMI Não há ronha que envergonhe o FMI
FMI ...

Entretém-te filho, entretém-te, não desfolhes em vão este malmequer que bem-te-quer, mal-te-quer, vem-te-quer, ovomalt'e-quer, messe gigantesca, vem-te vindo, vi-me na cozinha, vi-me na casa-de-banho, vi-me no Politeama, vi-me no Águia D'ouro, vi-me em toda a parte, vem-te filho, vem-te comer ao olho, vem-te comer à mão, olha os pombinhos pneumáticos que te orgulham por esses cartazes fora, olha a Música no Coração da Indira Gandi, olha o Muchê Dyane que te traz debaixo d'olho, o respeitinho é muito lindo e nós somos um povo de respeito, né filho? Nós somos um povo de respeitinho muito lindo, saímos à rua de cravo na mão sem dar conta de que saímos à rua de cravo na mão a horas certas, né filho? Consolida filho, consolida, enfia-te a horas certas no casarão da Gabriela que o malmequer vai-te tratando do serviço nacional de saúde. Consolida filho, consolida, que o trabalhinho é muito lindo, o teu trabalhinho é muito lindo, é o mais lindo de todos, como o astro, não é filho? O cabrão do astro entra-te pela porta das traseiras, tu tens um gozo do caraças, vais dormir entretido, não é? Pois claro, ganhar forças, ganhar forças para consolidar, para ver se a gente consegue num grande esforço nacional estabilizar esta destabilização filha-da-puta, não é filho? Pois claro! Estás aí a olhar para mim, estás a ver-me dar 33 voltinhas por minuto, pagaste o teu bilhete, pagaste o teu imposto de transação e estás a pensar lá com os teus botões: Este tipo está-me a gozar, este gajo quem é que julga que é? Né filho? Pois não é verdade que tu és um herói desde de nascente? A ti não é qualquer totobola que te enfia o barrete, meu grande safadote! Meu Fernão Mendes Pinto de merda, né filho? Onde está o teu Extremo Oriente, filho? Ah-ni-qui-bé-bé, ah-ni-qui-bó-bó, tu és 'Sepuldra' tu és Adamastor, pois claro, tu sozinho consegues enrabar as Nações Unidas com passaporte de coelho, não é filho? Mal eles sabem, pois é, tu sabes o que é gozar a vida! Entretém-te filho, entretém-te! Deixa-te de políticas que a tua política é o trabalho, trabalhinho, porreirinho da Silva, e salve-se quem puder que a vida é curta e os santos não ajudam quem anda para aqui a encher pneus com este paleio de Sanzala e ritmo de pop-xula, não é filho?
A one, a two, a one two three

FMI dida didadi dadi dadi da didi
FMI ...

Come on you son of a bitch! Come on baby a ver se me comes! Come on Luís Vaz, 'amanda'-lhe com o José Cacila que os senhores já vão ver o que é meterem-se com uma nação de poetas! E zás, enfio-te o Manuel Alegre no Mário Soares, zás, enfio-te o Ary dos Santos no Álvaro de Cunhal, zás, enfio-te o Zé Fanha no Acácio Barreiros, zás, enfio-te a Natalia Correia no Sá Carneiro, zás, enfio-te o Pedro Homem de Melo no Parque Mayer e acabamos todos numa sardinhada ao integralismo Lusitano, a estender o braço, meio 'Roulant' preto, meio Steve McQueen, ok boss, tudo ok, estamos numa porreira meu, um tripe fenomenal, proibido voltar atrás, viva a liberdade, né filho? Pois, o irreversível, pois claro, o irreversívelzinho, pluralismo a dar com um pau, nada será como dantes, agora todos se chateiam de outra maneira, né filho? Ora que porra, deixa lá correr uma fila ao menos, malta pá, é assim mesmo, cada um a curtir a sua, podia ser tão porreiro, não é? Preocupações, crises políticas pá? A culpa é dos partidos pá! Esta merda dos partidos é que divide a malta pá, pois pá, é só paleio pá, o pessoal na quer é trabalhar pá! Razão tem o Jaime Neves pá! (Olha deixaste cair as chaves do carro!) Pois pá! (Que é essa orelha de preto que tens no porta-chaves?) É pá, deixa-te disso, não destabilizes pá! Eh, faz favor, mais uma bica e um pastel de nata. Uma porra pá, um autentico desastre o 25 de Abril, esta confusão pá, a malta estava sossegadinha, a bica a 15 tostões, a gasosa a sete e coroa... Tá bem, essa merda da pide pá, Tarrafais e o carágo, mas no fim de contas quem é que não colaborava, ah? Quantos bufos é que não havia nesta merda deste país, ah? Quem é que não se calava, quem é que arriscava coiro e cabelo, assim mesmo, o que se chama arriscar, ah? Meia dúzia de líricos, pá, meia dúzia de líricos que acabavam todos a fugir para o estrangeiro, pá, isto é tudo a mesma carneirada! Oh sr. guarda venha cá, á, venha ver o que isto é, é, o barulho que vai aqui, i, o neto a bater na avó, ó, deu-lhe um pontapé no cu, né filho? Tu vais conversando, conversando, que ao menos agora pode-se falar, ou já não se pode? Ou já começaste a fazer a tua revisãozinha constitucional tamanho familiar, ah? Estás desiludido com as promessas de Abril, né? As conquistas de Abril! Eram só paleio a partir do momento que tas começaram a tirar e tu ficaste quietinho, né filho? E tu fizeste como o avestruz, enfiaste a cabeça na areia, não é nada comigo, não é nada comigo, né? E os da frente que se lixem... E é por isso que a tua solução é não ver, é não ouvir, é não querer ver, é não querer entender nada, precisas de paz de consciência, não andas aqui a brincar, né filho? Precisas de ter razão, precisas de atirar as culpas para cima de alguém e atiras as culpas para os da frente, para os do 25 de Abril, para os do 28 de Setembro, para os do 11 de Março, para os do 25 de Novembro, para os do... que dia é hoje, ah?

FMI Dida didadi dadi dadi da didi
FMI ...

Não há português nenhum que não se sinta culpado de qualquer coisa, não é filho? Todos temos culpas no cartório, foi isso que te ensinaram, não é verdade? Esta merda não anda porque a malta, pá, a malta não quer que esta merda ande, tenho dito. A culpa é de todos, a culpa não é de ninguém, não é isto verdade? Quer isto dizer, há culpa de todos em geral e não há culpa de ninguém em particular! Somos todos muita bons no fundo, né? Somos todos uma nação de pecadores e de vendidos, né? Somos todos, ou anti-comunistas ou anti-faxistas, estas coisas até já nem querem dizer nada, ismos para aqui, ismos para acolá, as palavras é só bolinhas de sabão, parole parole parole e o Zé é que se lixa, cá o pintas azeite mexilhão, eu quero lá saber deste paleio vou mas é ao futebol, pronto, viva o Porto, viva o Benfica, Lourosa, Lourosa, Marraças, Marraças, fora o arbitro, gatuno, bora tudo p'ro caralho, razão tinha o Tonico de Bastos para se entreter, né filho? Entretém-te filho, com as tuas viúvas e as tuas órfãs que o teu delegado sindical vai tratando da saúde aos administradores, entretém-te, que o ministro do trabalho trata da saúde aos delegados sindicais, entretém-te filho, que a oposição parlamentar trata da saúde ao ministro do trabalho, entretém-te, que o Eanes trata da saúde à oposição parlamentar, entretém-te, que o FMI trata da saúde ao Eanes, entretém-te filho e vai para a cama descansado que há milhares de gajos inteligentes a pensar em tudo neste mesmo instante, enquanto tu adormeces a não pensar em nada, milhares e milhares de tipos inteligentes e poderosos com computadores, redes de policia secreta, telefones, carros de assalto, exércitos inteiros, congressos universitários, eu sei lá! Podes estar descansado que o Teng Hsiao-Ping está a tratar de ti com o Jimmy Carter, o Brezhnev está a tratar de ti com o João Paulo II, tudo corre bem, a ver quem se vai abotoar com os 25 tostões de riqueza que tu vais produzir amanhã nas tuas oito horas. A ver quem vai ser capaz de convencer de que a culpa é tua e só tua se o teu salário perde valor todos os dias, ou de te convencer de que a culpa é só tua se o teu poder de compra é como o rio de S. Pedro de Moel que se some nas areias em plena praia, ali a 10 metros do mar em maré cheia e nunca consegue desaguar de maneira que se possa dizer: porra, finalmente o rio desaguou! Hão te convencer de que a culpa é tua e tu sem culpa nenhuma, tens tu a ver, tens tu a ver com isso, não é filho? Cada um que se vá safando como puder, é mesmo assim, não é? Tu fazes como os outros, fazes o que tens a fazer, votas à esquerda moderada nas sindicais, votas no centro moderado nas deputais, e votas na direita moderada nas presidenciais! Que mais querem eles, que lhe ofereças a Europa no natal?! Era o que faltava! É assim mesmo, julgam que te levam de mercedes, ora toma, para safado, safado e meio, né filho? Nem para a frente nem para trás e eles que tratem do resto, os gatunos, que são pagos para isso, né? Claro! Que se lixem as alternativas, para trabalho já me chega. Entretém-te meu anjinho, entretém-te, que eles são inteligentes, eles ajudam, eles emprestam, eles decidem por ti, decidem tudo por ti, se hás-de construir barcos para a Polónia ou cabeças de alfinete para a Suécia, se hás-de plantar tomate para o Canada ou eucaliptos para o Japão, descansa que eles tratam disso, se hás-de comer bacalhau só nos anos bissextos ou hás-de beber vinho sintético de Alguidares-de-Baixo! Descansa, não penses em mais nada, que até neste país de pelintras se acho normal haver mãos desempregadas e se acha inevitável haver terras por cultivar! Descontrai baby, come on descontrai, arrefinfa-lhe o Bruce Lee, arrefinfa-lhe a macrobiótica, o biorritmo, o euroscópio, dois ou três ofeneologistas, um gigante da ilha de Páscoa e uma 'Graciv Morn' (??) de vez em quando para dar as boas festas às criancinhas! Piramiza filho, piramiza, antes que os chatos fujam todos para o Egipto, que assim é que tu te fazes um homenzinho e até já pagas multa se não fores ao recenseamento. Pois pá, isto é um país de analfabetos, pá! Dá-lhe no Travolta, dá-lhe no disco-sound, dá-lhe no pop-xula, pop-xula pop-xula, iehh iehh, J. Pimenta forever! Quanto menos souberes a quantas andas melhor para ti, não te chega para o bife? Antes no talho do que na farmácia; não te chega para a farmácia? Antes na farmácia do que no tribunal; não te chega para o tribunal? Antes a multa do que a morte; não te chega para o cangalheiro? Antes para a cova do que para não sei quem que há-de vir, cabrões de vindouros, ah? Sempre a merda do futuro, a merda do futuro, e eu ah? Que é que eu ando aqui a fazer? Digam lá, e eu? José Mário Branco, 37 anos, isto é que é uma porra, anda aqui um gajo cheio de boas intenções, a pregar aos peixinhos, a arriscar o pêlo, e depois? É só porrada e mal viver é? O menino é mal criado, o menino é 'pequeno burguês', o menino pertence a uma classe sem futuro histórico... Eu sou parvo ou quê? Quero ser feliz porra, quero ser feliz agora, que se foda o futuro, que se foda o progresso, mais vale só do que mal acompanhado, vá mandem-me lavar as mãos antes de ir para a mesa, filhos da puta de progressistas do caralho da revolução que vos foda a todos! Deixem-me em paz porra, deixem-me em paz e sossego, não me emprenhem mais pelos ouvidos caralho, não há paciência, não há paciência, deixem-me em paz caralho, saiam daqui, deixem-me sozinho, só um minuto, vão vender jornais e governos e greves e sindicatos e policias e generais para o raio que vos parta! Deixem-me sozinho, filhos da puta, deixem só um bocadinho, deixem-me só para sempre, tratem da vossa vida que eu trato da minha, pronto, já chega, sossego porra, silêncio porra, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me morrer descansado. Eu quero lá saber do Artur Agostinho e do Humberto Delgado, eu quero lá saber do Benfica e do bispo do Porto, eu quero se lixe o 13 de Maio e o 5 de Outubro e o Melo Antunes e a rainha de Inglaterra e o Santiago Carrilho e a Vera Lagoa, deixem-me só porra, rua, larguem-me, zórpila o fígado, arreda, 'terneio' Satanás, filhos da puta. Eu quero morrer sozinho ouviram? Eu quero morrer, eu quero que se foda o FMI, eu quero lá saber do FMI, eu quero que o FMI se foda, eu quero lá saber que o FMI me foda a mim, eu vou mas é votar no Pinheiro de Azevedo se eu tornar a ir para o hospital, pronto, bardamerda o FMI, o FMI é só um pretexto vosso seus cabrões, o FMI não existe, o FMI nunca aterrou na Portela coisa nenhuma, o FMI é uma finta vossa para virem para aqui com esse paleio, rua, desandem daqui para fora, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, a culpa é vossa, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mãe...

Mãe, eu quero ficar sozinho... Mãe, não quero pensar mais... Mãe, eu quero morrer mãe.
Eu quero desnascer, ir-me embora, sem ter que me ir embora. Mãe, por favor, tudo menos a casa em vez de mim, outro maldito que não sou senão este tempo que decorre entre fugir de me encontrar e de me encontrar fugindo, de quê mãe? Diz, são coisas que se me perguntem? Não pode haver razão para tanto sofrimento. E se inventássemos o mar de volta, e se inventássemos partir, para regressar. Partir e aí nessa viajem ressuscitar da morte às arrecuas que me deste. Partida para ganhar, partida de acordar, abrir os olhos, numa ânsia colectiva de tudo fecundar, terra, mar, mãe... Lembrar como o mar nos ensinava a sonhar alto, lembrar nota a nota o canto das sereias, lembrar o depois do adeus, e o frágil e ingénuo cravo da Rua do Arsenal, lembrar cada lágrima, cada abraço, cada morte, cada traição, partir aqui com a ciência toda do passado, partir, aqui, para ficar...

Assim mesmo, como entrevi um dia, a chorar de alegria, de esperança precoce e intranquila, o azul dos operários da Lisnave a desfilar, gritando ódio apenas ao vazio, exército de amor e capacetes, assim mesmo na Praça de Londres o soldado lhes falou: Olá camaradas, somos trabalhadores, eles não conseguiram fazer-nos esquecer, aqui está a minha arma para vos servir. Assim mesmo, por detrás das colinas onde o verde está à espera se levantam antiquíssimos rumores, as festas e os suores, os bombos de lava-colhos, assim mesmo senti um dia, a chorar de alegria, de esperança precoce e intranquila, o bater inexorável dos corações produtores, os tambores. De quem é o carvalhal? É nosso! Assim te quero cantar, mar antigo a que regresso. Neste cais está arrimado o barco sonho em que voltei. Neste cais eu encontrei a margem do outro lado, Grandola Vila Morena. Diz lá, valeu a pena a travessia? Valeu pois.

Pela vaga de fundo se sumiu o futuro histórico da minha classe, no fundo deste mar, encontrareis tesouros recuperados, de mim que estou a chegar do lado de lá para ir convosco. Tesouros infindáveis que vos trago de longe e que são vossos, o meu canto e a palavra, o meu sonho é a luz que vem do fim do mundo, dos vossos antepassados que ainda não nasceram. A minha arte é estar aqui convosco e ser-vos alimento e companhia na viagem para estar aqui de vez. Sou português, pequeno burguês de origem, filho de professores primários, artista de variedades, compositor popular, aprendiz de feiticeiro, faltam-me dentes. Sou o Zé Mário Branco, 37 anos, do Porto, muito mais vivo que morto, contai com isto de mim para cantar e para o resto.


José Mário Branco


(eu vou ali. depois volto, logo.)

Monday, December 08, 2008

Junquilhos


Nessa tarde mimosa de saudade
Em que eu te vi partir, ó meu amor,
Levaste-me a minh'alma apaixonada
Nas folhas perfumadas duma flor.

E como a alma, dessa florzita,
Que é minha, por ti palpita amante!
Oh alma doce, pequenina e branca,
Conserva o teu perfume estonteante!

Quando fores velha, emurchecida e triste,
Recorda ao meu amor, com teu perfume
A paixão que deixou e qu'inda existe...

Ai, dize-lhe que se lembre dessa tarde,
Que venha aquecer-se ao brando lume
Dos meus olhos que morrem de saudade!


Florbela Espanca

(in "A Mensageira das Violetas")
(8 de Dezembro de 1894 - 8 de Dezembro de 1930)

(foto de Maria Dias, retirada da net)

Sunday, December 07, 2008

A medida


Eu não consigo medir o amor. Apenas AMO!
E não sei se amo mais hoje do que ontem. Apenas amo.
Mas sei medir a saudade. Que aumenta a cada dia que passa.
Porque há uma falta, e essa é enorme...

Friday, December 05, 2008

Nasci para te amar


Nasci para te amar. Sempre.
Para te beber gota a gota. Nas noites.
Para te abraçar assim. Nos dias.
Nasci para morrer contigo. Hoje.
Esmago-me no beijo da tua boca. Aberta.
Estremeço-me e contigo morro. Agora.
Nasceremos outra vez. Sempre…

Thursday, December 04, 2008

O meu abraço


Se te disser que o céu ainda é azul
e que as nuvens podem ser brancas,
nos dias de sol que te aquecem
ou escuras, quando te choram
Se te mostrar os rios correndo para a foz
desaguando no mar em espuma orgasmo
e o vento a dançar com as folhas
caídas dos plátanos do nosso jardim
Saberás que as rugas que me sulcam o rosto
são momentos intensamente vividos e não cansaço.
Estremeço-me só de pensar em ti. És a minha casa
onde te espera sempre, no regresso, o meu abraço.

Wednesday, December 03, 2008

Soneto à maneira de Camões

Tão mesquinha e tão vil, tu que pariste
As normas do estatuto do docente,
Não tens nada de humano, não és gente,
Nada mais que injustiças produziste.

Se lá nesse poleiro aonde subiste
O estado do ensino tens presente,
Repara como és incompetente,
Como a classe docente destruíste.

Se pensas que esta gente está domada,
Te aceita a ti, ao Valter e ao Pedreira,
Estás perfeitamente equivocada:

Em breve encontraremos a maneira
De vos correr p'ra longe à cacetada,
Limpando a educação de tanta asneira!

(recebido por mail. não resisti...)

Tuesday, December 02, 2008

Porque hoje me apetece Ary dos Santos

O Futuro

Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não se trai
não quer gente mais gente que outra gente.

Isto vai meus amigos isto vai
o que é preciso é ter sempre presente
que o presente é um tempo que se vai
e o futuro é o tempo resistente.

Depois da tempestade há a bonança
que é verde como a cor que tem a esperança
quando a água de Abril sobre nós cai.

O que é preciso é termos confiança
se fizermos de Maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.

(José Carlos Ary dos Santos)