Sunday, July 26, 2009

Fome

A minha fome é insaciável. Também o é a minha sede.
Tenho fome das tuas mãos a percorrerem-me o corpo e da tua saliva a cobrir-me como uma segunda pele. Tenho fome dos teus beijos misturados com os meus e das palavras que as nossas línguas trocavam. Das noites das madrugadas do amor. Do teu calor. Do teu cheiro. A minha fome é do tamanho da Terra.
Tenho sede de todos os rios e de ser novamente fonte e descer montanhas e correr vales desenfreadamente rasgando a terra em busca do caminho até à foz. Tenho sede das margens que em mim fazias com o teu olhar. Da verdade que somos. Do futuro que seremos. A minha sede é do tamanho de todos os Mares.
Tenho fome do teu abraço. E tenho sede do teu sorriso...

(ainda longe. virei à net sempre que possível. haja tempo...)

Desabafo

O seboso voltou a vomitar. Lá na terra que diz que é dele. Voltou a dizer "abaixo o fascismo, abaixo o comunismo". No tom provocatório que o caracteriza. Até agora nenhum dos nossos representantes comentou o que disse. Impune até quando?

Thursday, July 23, 2009

Memória de Carlos Paredes




Deixou-nos há cinco anos. Mas há muitos mais que estávamos privados de o ver tocar a guitarra portuguesa, "extensão" do seu corpo.
Foi o melhor de todos.


(este post está pré-programado. continuo por aí, depois volto. tarde.)

Tuesday, July 21, 2009

Porque me apetece Manuel da Fonseca


Recado a Helena

Do frio da cela do forte
Do lado norte por sobre o rio
Por sobre o rio do lado norte
A mão acena por Helena.

Do lado do sul do rio
Na negra pena por Helena:
À rua deitado jaz vazio e frio
O corpo apagado de Helena.

Salgado rio de pranto
Jorrando entre mágoa e mágoa
E uma cidade de espanto
No perfilado recorte
Espelhado no fundo de água
Pára o Tejo à beira-morte
À beira-morte de Helena
E à beira-cela do forte
Onde ainda a mão acena.

Do lado do sul do rio
À rua deitado jaz vazio e frio
O grito em vida amordaçado
No corpo delgado de Helena.

Mão de aceno gradeado
É por nossa condição
Gente de foice e arado
Homens de cais pescadores
Mais os que como nós são
Nos escritórios e fábricas
Dia a dia os construtores
Dos dias desta nação
É por nós que a mão acena
Da beira-morte de Helena
Contra a mão que nos condena.

Para que a morte de Helena
Não venha a ser nossa sorte
Ao sul e ao norte a mão acena
Fechando o punho ao sul e ao norte.

Salgado rio de pranto
Jorrando entre mágoa e mágoa
E uma cidade de espanto
No perfilado recorte
Espelhado no fundo de água
Pára o Tejo à beira-morte
À beira-morte de Helena
E à beira-cela do forte
Onde agora um punho acena.

Do frio da cela do forte
Do lado norte por sobre o rio
Por sobre o rio do lado norte
A mão acena por Helena.

Para que a morte de Helena
Não venha a ser nossa sorte
Ao sul e ao norte a mão acena
Fechando o punho ao sul e ao norte.

Manuel da Fonseca


(eu vou ali. depois volto. tarde)

Monday, July 20, 2009

O Mar da Tranquilidade



Foi há 40 anos, exactamente, que a missão Apolo 11 pousou na superfície lunar, no Mar da Tranquilidade. Neil Armstrong e Edwin Aldrin tornaram-se, assim, nos primeiros homens que caminharam sobre o satélite da Terra. Disse Neil Armstrong: "este é
um pequeno passo para o homem, mas um grande passo para a humanidade”.
Lembro-me como se fosse hoje. Estava em Sesimbra, a ver a transmissão directa que a RTP fez, noite dentro, e depois fui para a praia. Conversar com os pescadores, que faziam as perguntas mais incríveis e faziam afirmações mirabolantes...
A vida dá voltas e nunca mais vi nenhum desses velhos lobos do mar. Duvido que alguma vez tenham acreditado que, de facto, o Homem tenha pisado o solo lunar. Há 40 anos. Exactamente.

Oito anos antes, a 12 de Abril de 1961, Yuri Gagarin tinha feito o primeiro vôo orbital no espaço, a bordo da Vostok I. Ficou famosa a frase que disse "a Terra é azul e eu não vi Deus".

Da Laika já nem se ouve falar...

Sunday, July 19, 2009

AS EMPADAS (ou, por sugestão aceite, Uma estória, entre outras, de umas empadas trazidas de Montemor-o-Novo para a Quinta dos Cuidados)

Finalmente o encontro. Marcado e cancelado várias vezes, para acertar datas. Vieram do centro do norte e do sul e o calor humano encheu a sala. Com uma vista a perder de vista. E sentaram-se à mesa, os doze que estavam e todos os que não estavam, para degustar as iguarias por que andavam a salivar há que tempos... e o pão de ló é bom com whisky.
Conversa franca e aberta. Falando de tudo e de nada mas aproveitando cada momento. Pedaços de vida contados vividos talvez sofridos, afinal a vida é tudo isto. E o convívio. E as viagens que se fazem e outras que imaginamos, com o mar logo ali em baixo, era azul, era mar, com certeza. E o calor pedia um mergulho. Mergulharam na conversa... e o pão de ló é bom com whisky.
O corpo a ficar mole. E a conversa a rolar, sobre tudo, sobre todos, e as crianças sempre ali as presentes e as que já o foram, porque sairam para o jardim. Para brincar, que é o que as crianças sabem fazer melhor. Devíamos aprender com elas, que ainda sabem sonhar e inventar estórias. E os nossos nunca mais se resolvem...
A criança que ficou na sala, cheia de crianças dentro, saltitava de colo para colo. Queria cantar e dançar, sei lá, talvez para espantar o sono que a invadia. Mas continuava a resistir. Ao sono. À conversa dos adultos, teimando em chamar a atenção para ela. E os nossos nunca mais se resolvem...
Depressa a tarde chegou ao fim. Ao tempo de partir. Seguiriam os doze que estavam e todos os que não estavam para o sul o norte e o centro. E vieram os abraços já com saudades do tempo que tinha sido aquele dia. De convívio, de camaradagem, de amena cavaqueira. Sempre regada com um excelente vinho.
O que tem o título deste post a ver com o seu conteúdo? Nada.
Mas as empadas são deliciosas, o pão de ló é bom com whisky e os nossos nunca mais se resolvem.
Ah, e não falei das empadas, que estavam excelentes...

Saturday, July 18, 2009

Música para o fim de semana



(a imagem não é lá grande coisa. Mas a música... vale mesmo a pena ouvir)

Friday, July 17, 2009

Brecht, outra vez, porque é preciso...

Primeiro levaram os comunistas,
mas não me importei com isso
eu não era comunista.
Em seguida levaram alguns operários,
mas não me importei com isso
eu também não era operário.
Depois prenderam os sindicalistas,
mas não me importei com isso
porque eu não sou sindicalista.
Depois agarraram uns sacerdotes,
mas como não sou religioso
também não me importei.
Agora estão-me a levar a mim
Mas já é tarde...


(Bertold Brecht)

Thursday, July 16, 2009

Como é possível?


Mais de 35 anos depois de ABRIL ainda ouvimos e lemos disto.
E esta é tão forte que tem de ficar aqui registada.
Não há palavras usáveis para escrever o que sinto.
Como é possível?

Memória de Nicolás Guillén

Digo que yo no soy un hombre puro

Yo no voy a decirte que soy un hombre puro.
Entre otras cosas
falta saber si es que lo puro existe.
O si es, pongamos, necesario.
O posible.
O si sabe bien.
¿Acaso has tú probado el agua químicamente pura,
el agua de laboratorio,
sin un grano de tierra o de estiércol,
sin el pequeño excremento de un pájaro,
el agua hecha no más de oxígeno e hidrógeno?
¡Puah!, qué porquería.

Yo no te digo pues que soy un hombre puro,
yo no te digo eso, sino todo lo contrario.
Que amo (a las mujeres, naturalmente,
pues mi amor puede decir su nombre),
y me gusta comer carne de puerco con papas,
y garbanzos y chorizos, y
huevos, pollos, carneros, pavos,
pescados y mariscos,
y bebo ron y cerveza y aguardiente y vino,
y fornico (incluso con el estómago lleno).
Soy impuro ¿qué quieres que te diga?
Completamente impuro.
Sin embargo,
creo que hay muchas cosas puras en el mundo
que no son más que pura mierda.
Por ejemplo, la pureza del virgo nonagenario.
La pureza de los novios que se masturban
en vez de acostarse juntos en una posada.
La pureza de los colegios de internado, donde
abre sus flores de semen provisional
la fauna pederasta.
La pureza de los clérigos.
La pureza de los académicos.
La pureza de los gramáticos.
La pureza de los que aseguran
que hay que ser puros, puros, puros.
La pureza de los que nunca tuvieron blenorragia.
La pureza de la mujer que nunca lamió un glande.
La pureza del que nunca succionó un clítoris.
La pureza de la que nunca parió.
La pureza del que no engendró nunca.
La pureza del que se da golpes en el pecho, y
dice santo, santo, santo,
cuando es un diablo, diablo, diablo.
En fin, la pureza
de quien no llegó a ser lo suficientemente impuro
para saber qué cosa es la pureza.

Punto, fecha y firma.
Así lo dejo escrito.

Nicolás Guillén
(10 de Julho de 1902 - 16 de Julho de 1989)

Wednesday, July 15, 2009

***


Meu olhar navega por aí, em silêncio, sem distância...
... de mão dada com o teu...

Tuesday, July 14, 2009

Tanta água para mergulhar


Dás-me tanto todos os dias
Sempre que leio as tuas palavras
Que chegando de mãos vazias
As levo cheias de abraços

Trago-te bem dentro de mim
Do lado esquerdo, no coração
Que é o lugar mais bonito
Para guardar um filho, um irmão

Rebento-me por dentro, no peito
Do sufoco, do pranto, do grito
Abro a janela e soltas-te em rio
De dentro de mim, até ao infinito.

... e tanta água para mergulhar...

Monday, July 13, 2009

Remeto-me ao silêncio

Remeto-me ao silêncio. Nenhuma palavra se diz em vão. Não gosto da palavra ironia, não gosto da palavra ódio. Não sei o que é. O mais que consigo sentir é indiferença, talvez desprezo quando me magoam forte e sem razão.
Remeto-me ao silêncio. Assumo erros, os que faço. Nunca os que não faço. Assumo tudo o que digo, nunca o que pensam que digo. Sou assim. E não quero ser de outra maneira. Não tenho raiva de ninguém.
Remeto-me ao silêncio. Tenho pena, às vezes. E ter pena de alguém é o pior sentimento que se pode ter. Porque é um sentir que não se pode fazer mais nada, uma sensação de impotência frustrante. Da condição humana.
Por isso me remeto ao silêncio. Mais uma vez. As que forem precisas. Porque eu não falo! Também não sei o que é a ira. Por isso não entendo as palavras que te jorram pelos dedos. Nem as que vomitas para o papel.
Remeto-me ao silêncio. Quando o sangue ferve é aconselhável lavar as mãos com água fria. Para acalmar. Porque cabeça quente não pensa bem. E quando se fala sem pensar fala-se errado. E com ódio. Que é uma palavra de que não gosto, nem sei sentir.
Hoje, remeto-me ao silêncio!

Saturday, July 11, 2009

Música para o fim de semana



Sei de um rio
sei de um rio
em que as únicas estrelas
nele sempre debruçadas
são as luzes da cidade

Sei de um rio
sei de um rio
rio onde a própria mentira
tem o sabor da verdade
sei de um rio

Meu amor dá-me os teus lábios
dá-me os lábios desse rio
que nasceu na minha sede
mas o sonho continua

E a minha boca até quando
ao separar-se da tua
vai repetindo e lembrando
sei de um rio
sei de um rio
E a minha boca até quando
ao separar-se da tua
vai repetindo e lembrando
sei de um rio
sei de um rio

Sei de um rio
até quando

(para quem gosta do Camané. e de rios...)

Friday, July 10, 2009

No dia de hoje

foto da net

No dia de hoje não falo de inquietação
Falo-te de um rio, fonte de vida
Tão pouco falarei da rouca solidão
Prefiro dizer-te a palavra sentida
que se solta das mãos, talvez sofrida
Sei-te homem vagabundo poeta menino
Solidário amigo pássaro e jardim
Sonho vertigem estrada e peregrino
Casa de todos aromas e cores, enfim
saberás um dia assim de mim?
Rasgo o meu peito em palavras de amor
Marés de ir e vir do teu cansaço
Na fogueira de lágrimas calamos a dor
No silêncio aflito o cheiro a sargaço
e no sangue do grito somos o abraço.

Thursday, July 09, 2009

Memória de Vinicius

Operário em construção

Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.
Como um pássaro sem asas
Ele subia com as asas
Que lhe brotavam da mão.
Mas tudo desconhecia
De sua grande missão:
Não sabia por exemplo
Que a casa de um homem é um templo
Um templo sem religião
Como tampouco sabia
Que a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão.

De fato como podia
Um operário em construção
Compreender porque um tijolo
Valia mais do que um pão?
Tijolos ele empilhava
Com pá, cimento e esquadria
Quanto ao pão, ele o comia
Mas fosse comer tijolo!
E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento

Além uma igreja, à frente
Um quartel e uma prisão:
Prisão de que sofreria
Não fosse eventualmente
Um operário em construcão.
Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa
- Garrafa, prato, facão
Era ele quem fazia
Ele, um humilde operário
Um operário em construção.
Olhou em torno: a gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Ah, homens de pensamento
Nao sabereis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento
Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção
E olhando bem para ela
Teve um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.

Foi dentro dessa compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia
- Excercer a profissão -
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:
A dimensão da poesia.

E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava.
E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia "sim"
Começou a dizer "não"
E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:
Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uisque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.

E o operário disse: Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução

Como era de se esperar
As bocas da delação
Começaram a dizer coisas
Aos ouvidos do patrão
Mas o patrão não queria
Nenhuma preocupação.
- "Convençam-no" do contrário
Disse ele sobre o operário
E ao dizer isto sorria.

Dia seguinte o operário
Ao sair da construção
Viu-se súbito cercado
Dos homens da delação
E sofreu por destinado
Sua primeira agressão
Teve seu rosto cuspido
Teve seu braço quebrado
Mas quando foi perguntado
O operário disse: Não!

Em vão sofrera o operário
Sua primeira agressão
Muitas outras seguiram
Muitas outras seguirão
Porém, por imprescindível
Ao edifício em construção
Seu trabalho prosseguia
E todo o seu sofrimento
Misturava-se ao cimento
Da construção que crescia.

Sentindo que a violência
Não dobraria o operário
Um dia tentou o patrão
Dobrá-lo de modo contrário
De sorte que o foi levando
Ao alto da construção
E num momento de tempo
Mostrou-lhe toda a região
E apontando-a ao operário
Fez-lhe esta declaração:
- Dar-te-ei todo esse poder
E a sua satisfação
Porque a mim me foi entregue
E dou-o a quem quiser.
Dou-te tempo de lazer
Dou-te tempo de mulher
Portanto, tudo o que veres
Será teu se me adorares
E, ainda mais, se abandonares
O que te faz dizer não.

Disse e fitou o operário
Que olhava e refletia
Mas o que via o operário
O patrão nunca veria
O operário via casas
E dentro das estruturas
Via coisas, objetos
Produtos, manufaturas.
Via tudo o que fazia
O lucro do seu patrão
E em cada coisa que via
Misteriosamente havia
A marca de sua mão.
E o operário disse: Não!

- Loucura! - gritou o patrão
Não vês o que te dou eu?
- Mentira! - disse o operário
Não podes dar-me o que é meu.

E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão
Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Em operário construído
O operário em construção.


Vinicius de Moraes
(19 de Outubro de 1913 - 9 de Julho de 1980)

Wednesday, July 08, 2009

"O silêncio dos gritos"


Sexta-feira, dia 10. As palavras do Pedro Branco. Quenosunem.
As palavras em forma de cantigas, para além da poesia.
Sei que vai ser uma noite de muita ternura e muita emoção. Porque o Pedro é assim...
Até já, Pedro!

Tuesday, July 07, 2009

Palavras


Olho as tuas palavras e vejo-te em cada uma.
E sinto-as todas.
Leio-te devagarinho desatando cada nó que se faz.
E engulo-os todos.
Visto a inquietação o sufoco o cansaço a solidão.
E abro o meu peito.
Deixo-me sossegar no abraço que nos demos.
E no rio de que és feito.

Monday, July 06, 2009

Não sei quem és


Não te oiço nem te vejo.
Já nem reconheço o tom da tua voz.
Não sei quem és. As tuas palavras chegam-me falsas, sem o prazer ou o amor de outrora. Chegam apenas com dor.
Não te dás conta do fim nem entendes.
Já não te sinto, já não sei quem és, não te reconheço.
Pergunto-me se alguma vez exististe, ou se apenas sonhei. Porque mataste o sonho.
Perdi o olhar, perdi a voz.
Não falo! E ceguei...

Saturday, July 04, 2009

Música para o fim de semana


Somos todos iguais nesta noite
Na frieza de um riso pintado
Na certeza de um sonho acabado
É o circo de novo...

Nós vivemos debaixo do pano
Entre espadas e rodas de fogo
Entre luzes e a dança das cores
Onde estão os atores..

Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Olha nós outra vez no picadeiro
Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Vamos dançar mais uma vez...

Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Olha nós outra vez no picadeiro
Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Vamos entrar mais uma vez...

Somos todos iguais nesta noite
Pelo ensaio diário de um drama
Pelo medo da chuva e da lama
É o circo de novo...

Nós vivemos debaixo do pano
Pelo truque malfeito dos magos
Pelo chicote dos domadores
E o rufar dos tambores...

Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Olha nós outra vez no picadeiro
Pede a banda
Prá tocar um dobrado...
Vamos dançar mais uma vez...

Pede a banda
Prá tocar um dobrado
Olha nós outra vez no picadeiro
Pede a banda
Prá tocar um dobrado...
Vamos entrar mais uma vez...

Thursday, July 02, 2009

Memória de Sophia

Mar

Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.


Sophia de Mello Breyner Andressen

Para ti


Não tenho palavras para ti, hoje
apenas as minhas mãos
que te afagam o olhar trémulo
Não tenho palavras para ti, hoje
apenas os meus lábios
que se oferecem húmidos de desejo
Não tenho palavras para ti, hoje
apenas os meus braços esperam os teus
para o abraço que queremos dar-nos,
e tantos nos demos, em pensamento
Mas tenho para ti, hoje
no meu olhar uma flor
a desabrochar no teu jardim
Uma mulher que ama e te deseja
ansiosamente
Enfim vens
e uma onda de ternura cobre-me o corpo
que tu vais destapando
e suavemente descobrindo
num lento movimento de vai e vem
para cumprir o amor, por fim...

Wednesday, July 01, 2009

Soneto do amor total

Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei-de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes