Monday, August 06, 2012

ARTE DE NAVEGAR


Vê como o Verão
subitamente
se faz água no teu peito,

e a noite se faz barco,

e minha mão marinheiro.

Eugénio de Andrade

10 comments:

Rosa dos Ventos said...

Como o poeta sabe dizer tanto com tão poucas palavras!

Abraço

elvira carvalho said...

Não conhecia este poema. E gostei.
Um abraço e uma boa semana

trepadeira said...

Lindo para marear.

Um abraço,
mário

Justine said...

Eugénio, meu "alimento" poético...

Vanda Paz said...

Este poema é tão maravilhoso

Beijos

Rogério Pereira said...

Falta-nos um vento de feição
Ou, pelo menos, o Suâo...

Filoxera said...

Não conhecia.
Gostei.
Beijos.

mar said...

simples e lindo. como Tu.
beijos
A_T

Nilson Barcelli said...

Grande Eugénio.
Maria, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

joão marinheiro said...

Só um "capitão das palavras" como Eugénio, nos permite navegar e ser marinheiros na poesia...
Abraço com o oceano a ver-se da janela.