Monday, August 20, 2012

Meu galope é em frente




Direis que não é poesia
e a
mim que importa?
Eu canto porque a voz nasce e tem de libertar-se.
E
grito porque respondo
às
lanças que me espetam
e aos
braços que me chamam,
E
porque, dia e noite, minhas mãos e meus olhos,
por estranhas telegrafias,
dos
cantos mais ignotos
e das
linhas perdidas
e dos
campos esquecidos
e dos
lagos remotos,
e dos
montes,
recebem longas
mensagens e comunicações:
para que grite e cante.
O meu grito e meu canto é a voz de milhões.
Por isso que me importa?
Eu canto e cantarei o que tiver a cantar
e
grito e gritarei o que tiver a gritar
e
falo e falarei o que tiver a falar.
Direis que não é poesia.
E a
mim que importa
se
eu estou aqui apenas para escancarar a porta
e
derrubar os muros?
E a
mim que importa
se
vós sois afinal o que hei-de ultrapassar
e
esmigalhar
em nome
de
todos os futuros?
Eu sigo e seguirei,
como um doido ou um anjo,
obstinado e heróico a caminho de nós
em palavras e acções
por todos os vendavais
e
temporais
e
multidões
nos cantos mais ignotos
e nas
linhas perdidas
e
nos campos esquecidos
e
nos lagos remotos
e
nos montes
-
por terra, mar e ar.
Direis que não é poesia
E a
mim que importa!
Convosco ou não, meu galope é em frente.
Pertenço a
outra raça, a outro mundo, a outra gente.
É andar, é andar!

Mário Dionísio

7 comments:

trepadeira said...

Com força e convicção,sem medo e sem cobardes fugas para o passado.

Um abraço,
mário

Rosa dos Ventos said...

Claro que é poesia e muito boa, cheia de força!

Abraço

Mar Arável said...


Belíssima partilha

Bjs

heretico said...

fazem falta poetas desse timbre. hoje...

boa partilha, amiga.

beijo

João P. said...

Desconhecia!

Gostei muito. Guardei.

Faz todo o sentido lê-lo e relê-lo

beijo

João P.

Pata Negra said...

Estive no Cid e comi, agora vim aqui e digeri!É tão bom, andar, andar, pensar com estes poetas.
Um abraço dos cantos mais ignotos

João P. said...

Maria!

Roubei-o hoje para o meu blogue! ´ja basta!

beijo

João P.