Thursday, October 10, 2013

Nocturno


O desenho redondo do teu seio
Tornava-te mais cálida, mais nua
Quando eu pensava nele... Imaginei-o,
À beira-mar, de noite, havendo lua...


Talvez a espuma, vindo, conseguisse
Ornar-te o busto de uma renda leve
E a lua, ao ver-te nua, descobrisse,
Em ti, a branca irmã que nunca teve...

Pelo que no teu colo há de suspenso,
Te supunham as ondas uma delas...
Todo o teu corpo, iluminado, tenso,
Era um convite lúcido às estrelas....

Imaginei-te assim à beira-mar,
Só porque o nosso quarto era tão estreito...
- E, sonolento, deixo-me afogar
No desenho redondo do teu peito...

David Mourão-Ferreira

6 comments:

O Puma said...

... entretanto...
este desgoverno cairá nas ruas

ou nas pontes

Rosa dos Ventos said...

Um exímio amante da palavra e da mulher!

Abraço

Agulheta said...

Lindo Maria. Gosto tanto de David Mourão Ferreira!não conhecia este poema,obrigada pela partilha.
Beijinho.

heretico said...

O David Mourão Ferreira sabia como domar a poesia

e arredondar o "desenho redondo do peito..."

beijo

Mar Arável said...

Grande David

joão marinheiro said...

Um grande senhor das palavras.
Abraço.