Monday, November 10, 2014

UMA CHAMA NÃO SE PRENDE


Rodeado de paredes
rodeadas de muros altos
que foram já muralhas
um preso encarcerado
ao longo da terrível década de 50
ao longo desses anos que só agora
começavam
Não cedeu.
Levado a tribunal
em 2 de Maio de 1950
só então fica a saber que Militão e Sofia
presos com ele e torturados não “falaram”
não cederam E que esse grande patriota Militão
Ribeiro fazendo a greve da fome foi morto.
Perante o tribunal acusa os seus acusadores
Defende o seu Partido a sua acção e direcção
a sua orientação política
Responde ás calúnias rasteiras
que são os porcos argumentos do ódio
e do terror de estado Ponto a ponto
responde com o orgulho do homem livre
a coragem da clareza e o vigor da inteligência
Responde por si e pelos seus
como quem acusa e ameaça
Ameaça o inimigo que o tem preso
que o terá encarcerado 11 anos seguidos
14 meses incomunicável
E 8 anos em tenebroso
Isolamento
E não cedeu Nunca cedeu

Agora na humidade salina da cela
contra o eco do estrondo do mar
que não esquece/ e grita/ contra a fortaleza
contra a corrente contínua dos dias e das noites
contra a solidão dos homens já
meio submersos e
o piar dos corvos
este homem livre é uma chama
uma lâmpara marina
não cede e lê e desenha lê
e estuda e escreve este homem livre
que está preso e é uma chama
açoitada pelo vento e pelo silêncio
numa cela Não cede e escreve
A Questão Agrária,
As lutas de classes em Portugal nos fins da Idade Média
e escreve uma tradução do Rei Lear
e escreve Até amanhã, camaradas

Uma semana depois, a 9 de Maio
o homem livre encarcerado
excepcional e comum, o dirigente
Da gente comum, que se agiganta perante
aqueles esbirros sombrios,
aquele bando de tartufos, pálidos
representantes dos fazedores de
leis iníquas e injustas
e, subtraindo-lhes o tribunal e a ordem
do mundo que
p’ra ele tinham estabelecido
declara enfim
«no que me diz pessoalmente respeito
também alguma coisa fica provado:
É que como membro do PCP, como filho
Adoptivo do proletariado,
Cumpri os meu deveres
para com o meu partido e o meu povo.
É isto que interessa fique provado, porque é só
ante o meu partido
e o meu povo
que respondo pelos meus actos
Vamos ser julgados e certamente
Condenados. Para nossa alegria
Basta saber que o nosso povo pensa
que se alguém deve ser, julgado e condenado, por agir contra os
interesses do povo e do país, por querer arrastar Portugal a uma
guerra criminosa, por utilizar meios inconstitucionais e ilegais, por
empregar o terrorismo, esse alguém não somos nós, comunistas.
O nosso povo pensa que se alguém deve ser julgado por tais
crimes, então que se sentem os fascistas no banco dos réus, então
que se sentem no banco dos réus os actuais governantes da
nação e o seu chefe Salazar.
O homem livre encarcerado
Fugirá enfim
numa fuga colectiva
a 3 de Janeiro de 1960
e nunca mais
foi apanhado.

Manuel Gusmão

7 comments:

Rogerio G. V. Pereira said...

"...e nunca mais
foi apanhado."

Luis Eme said...

bela homenagem.

(participei num almoço delicioso em sua homenagem, ontem, em Almada...)

beijinhos Maria

GR said...

Muito bonito.

Gd BJ,

GR

Teresa Durães said...

Linda homenagem!

Mar Arável said...

Que não se percam as memórias vivas

heretico said...

"pedras vivas" onde assentamos os combates de hoje...

beijo

Parapeito said...

É preciso não esquecer.
Brisas doces ****