Thursday, February 17, 2011

Porque me apetece Joaquim Pessoa


CANTA


Atreve-te a julgar. Julga os outros julgando-te a ti mesmo.
A natureza das coisas é a tua natureza. Respira-te, despe-te,
faz amor com as tuas convicções, não te limites a sorrir
quando não sabes mais o que dizer. Os teus dentes
estão lavados, as tuas mãos são amáveis, mas falta-te
decisão nos passos e firmeza nos gestos.
Procura-te. Tenta encontrar-te antes que te agarre a
voracidade do tempo.
Faz as coisas com paixão. Uma paixão irrequieta,
que não te dê descanso
e te faça doer a respiração. Aspira o ar, bebe-o com força, é
teu, nem um cêntimo pagarás por ele.
Quanto deves é à vida, o que deves é a ti mesmo. Canta.
Canta a água e a montanha e o pescoço do rio,
e o beijo que deste e o beijo que darás, canta
o trabalho doce da abelha e a paciência com que crescem
as árvores,
canta cada momento que partilhas com amigos, e cada amigo
como um astro que desponta no firmamento breve do teu corpo.
E canta o amor. E canta tudo o que tiveres razão para cantar.
E o que não souberes e o que não entenderes, canta.
Não fujas da alegria. A própria dor ajuda-te a medir
a felicidade. Carrega nos teus ombros os séculos passados e
os séculos vindouros,
muito do pó que sacodes já foi vida,
talvez beleza, orgulho, pedaços de prazer.
A estrela que contemplas talvez já não exista, quem sabe,
o que te ajudou a ser vida de quantas vidas precisou. Canta!
Se sentires medo, canta. Mas se em ti não couber a alegria,
não pares de cantar.
Canta. Canta. Canta. Canta. Canta. Constrói o teu amor,
vive o teu amor,
ama o teu amor. De tudo o que as pessoas querem, o que
mais querem é o amor.
Sem ele, nada nunca foi igual, nada é igual, nada será igual
alguma vez.
Canta. Enquanto esperas, canta.
Canta quando não quiseres esperar.
Canta se não encontrares mais esperança. E canta quando a
esperança te encontrar.
Canta porque te apetece cantar e porque gostas de cantar e
porque sentes que é preciso cantar.
E canta quando já não for preciso. Canta porque és livre.
E canta se te falta a liberdade.

Joaquim Pessoa

22 comments:

Teresa Durães said...

assim o farei, cantarei com as palavras

zmsantos said...

Eu, já quase que o canto.
Beijos

Rosa dos Ventos said...

Eu continuo a cantar!

Abraço

Fernando Samuel said...

Cantemos, então!

Um beijo grande.

mfc said...

E atreveste-te, como sempre, muito bem!
Vamos, pois, por aí!

Ana said...

Para cantar não é preciso motivo!

Gostei que te apetecesse Joaquim Pessoa !
Um beijo *

João P. said...

Lindo Maria lindo!

Roube descaradamente. Faz muito sentido após o meu post de ontem

beijo

João

Cristina Fernandes said...

Um canto de palavras soltas...
Bjs
Chris

vovó said...

já perdi a voz.
beijocassssss
vovómaria

Justine said...

Que belos conselhos!! Cantarei, e continuarei a cantar...

Luis Neves said...

que bonito o Poema;
Luis

Cris Caetano said...

Tão lindo...

Beijos, Maria e bom fim de semana

heretico said...

cantemos em conjunto. que o cantar colectivo tem outra expressão...

beijos

samuel said...

Farei aquilo que puder... :-)))

Abreijo.

Luma Rosa said...

Senti que o poema se destina a um narcisista patológico, estes que se escondem atrás do espelho e se mostram cheios de boa intenção. Falta-lhe liberdade para olhar além do espelho. Beijus,

viajantes said...

Cantare(i)emos!
Beijinho Maria

Paula Barros said...

Maria, vamos cantar por aí? Hoje vi fotos de gaivotas em alguns blogs amigos, inclusive do mfc, e só lembrei daquele nosso passeio, e eu olhando os voos das gaivotas, elas pousando...me deu uma saudade de você, daquele dia, daqueles lugares.

E quanto ao que diz Joaquim Pessoa, dá vontade de imprimir e ler todo dia, para não esquecermos de vivermos a vida, e de cantar e cantar.

beijo

bettips said...

"A cantiga é uma arma..."
E tanto nos cantou a voz
que desejamos e bebemos
o canto dos poetas como ele!
Que se reinventam.
Obg Maria
Bjs

svasconcelos said...

Joaquim Pessoa cala-nos, as palavras não chegam para dizer o quanto é belo este poema...
beijo,

mdsol said...

E que bem que te apeteceu, Maria.
Beijinho

:)))

A.S. said...

Joaquim Pessoa... um canto renovado na plena liberdade das estrofes!...
"Canta porque és livre.
E canta se te falta a liberdade."


Beijos, Maria!
AL

Maria said...

Gosto de Joaquim Pessoa.
Gosto deste poema de JP. Da força que nos transmite.
Obrigada por terem passado aqui.

Beijos a todos.