Tuesday, December 04, 2012

Para sempre


Percorro todos os nossos caminhos novamente 
Que de saudade me chama a tua voz ardente
Mesmo que finja não ouvir e siga em frente
Sei que estás aqui, a meu lado, tão presente
Posso pintar o mar de verde e ser ausente
Que a espuma das ondas te devolve a mim ternamente
E ainda sem saber se me vês em sangue fervente
Sei que te tenho em mim, olhar e voz, para sempre.

9 comments:

Rogério Pereira said...

Irei voltar ao meu "Poesia (uma por dia)" e... estás na calha

Paula Barros said...

Mais uma vez me repito, ao dizer que gosto imensamente das suas palavras, da forma de escrever, expressar sentimentos.
A rima ficou suave, gostosa de ler.
abraço

Justine said...

És uma excelente poetisa do amor ausente, do amor dorido, do amor perdido!

O Puma said...

Hoje não comento

faleceu o Joaquim Benite

Pata Negra said...

Porra! Agora lixaste-me! O psiquiatra retirou-me da poesia! Mas provei o primeiro verso e tive de ler tudo! Não me vai fazer mal! Foi apenas mais um poema! Quando voltar aqui, espero não ter de ter mais uma recaída!
Um abraço e bons versos te tenham

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram por aqui.

Beijos.

© Piedade Araújo Sol said...

venho do conversa avinagrada e confesso que gostei daqui.
este poema bem rimado é muito bom.
beijo

;)

OUTONO said...

...já o comentei...
Intenso e sentido!
Beijo!

mar said...

Gosto tanto de te ler Maria!
Tu escreves com a alma... eu sei que tu não sabes muito bem onde está a alma, mas tu tens alma do tamanho do teu coração...
a alma cientificamente não existe.~
mas a ciência é fria e também não sabe falar de amor...
um beijo
adoro-te