Thursday, May 23, 2013

Silêncio de vidro



Há quem creia em Deus e o veja em toda a parte.
Eu acredito em ti
E vejo-te em tudo o que na vida me dá profundo gosto de viver,
Tudo o que me sorri
E também em tudo o que me faz sofrer.
Vejo-te na recordação da minha infância
- Menino que sonhava estrelas iguais às minhas –
E no despontar das manhãs claras,
Quando o mundo era cheio de mistérios
E cada coisa uma interrogação.
Crescemos juntos sem nos conhecermos,
Mas quando nos cruzámos por acaso
Eu soube que eras tu.

(Maria Eugénia Cunhal)

4 comments:

Rogério Pereira said...

"Crescemos juntos sem nos conhecermos,"

Luis Eme said...

bonito e sentido.

beijinho Maria.

BlueShell said...

Tão belo...e nostálgico...

Fiquei a meditar...porque a vida é...tão efémera, e nos dá tanto quanto nos tira!
Hoje estou assim, um pouco ...triste...desculpa.
Um beijo, BShell

GR said...

Mais um belo poema.
Como gosto de vir aqui!

BJS,

GR