Saturday, February 23, 2008

Para o Zeca, sempre!!!


Balada do Outono

Águas
E pedras do rio
Meu sono vazio
Não vão acordar
Águas
Das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto
A cantar

Rios que vão dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Águas
Das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto
A cantar

Águas
Do rio correndo
Poentes morrendo
P'ràs bandas do mar
Águas
Das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto
A cantar

Rios que vão dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Águas
Das fontes calai
Ó ribeiras chorai
Que eu não volto
A cantar

86 comments:

Maria said...

AMIGOS

Estou com problemas em comentar os vossos posts.
Consigo lê-los, mas nem sempre consigo comentar.
Não sei se isto fica resolvido neste fim de semana, eu gostaria que sim... Mas vou ler-vos, claro...

Beijos
Maria

Sininho said...

Se não estou enganada, postei este mesmo poema há um ano atrás, no vigésimo aniversário da sua morte.
E tinha que ser este.

Amo a sua música, respeito a memória dum homem íntegro como poucos.

Beijinho, Maria.

Maria said...

sininho

Eu também postei ESTE mesmo poema há um ano...
... e só podia ser este. Pela intensidade do poema. Pela forma como ele o cantou no último concerto, no Coliseu, e todo opúblico sabia que... seria a última vez. Foi uma onda de emoção....

Beijinhos, Sininho

samuel said...

O mestre acertou em cheio em tantas cantigas... mas nesta, francamente... "não volto a cantar"! Como se fosse possível!...
Agora a sério, esta é uma das cantigas eu sim, deixei de cantar. Já não consigo passar do meio... e não é a única.

Carminda Pinho said...

Maria,
uma das muitas belas baladas que o Zeca nos deixou...
Nós, continuaremos a cantá-lo e a dar-lhe voz para que não seja esquecido, nunca.

Beijinhos

Maria said...

samuel

Foi a cantiga que mais me tocou (se é possível) no concerto do Coliseu. Parecia que todos nós sabíamos que o fim se aproximava. e todos cantámos, enquanto chorávamos.
ELE continua a cantar, nós também, com ele. Para sempre....

Maria said...

carminda pinho

Ele já faz parte da História da nossa música. NUNCA será esquecido.
Mas é nosso dever lembrá-lo, sempre. E ele será lembrado, sempre....

Beijinhos
(tão bom ver-te por aqui...)

Manuela said...

Olá maria, é cedo...
Mas vim ver-te :)
Zeca Afonso, Grande Homem, Grandiosas as suas Palavras.
Beijo meu

Sophiamar said...

Os poetas não morrem como não morrem aqueles que pugnam pelos valores que devem reger a comunidade onde vivemos mas a ausência física deste amigo com quem estive em Faro, à conversa, tantas vezes, deixa-me a chorar.
A saudade dói.



Fui à beira do mar
Ver o que lá havia
Ouvi uma voz cantar
Que ao longe me dizia

Ó cantador alegre
Que é da tua alegria
Tens tanto para andar
E a noite está tão fria

Desde então a lavrar
No meu peito a Alegria
Ouço alguém a bradar
Aproveita que é dia

Sentei-me a descansar
Enquanto amanhecia
Entre o céu e o mar
Uma proa rompia

Desde então a bater
No meu peito em segredo
Sinto uma voz dizer
Teima, teima sem medo

(José Afonso)



Beijinhosssssssssss

amigona avó e a neta princesa said...

Como diz a sophiamar os poetas não morrem!
Hoje tens prémios amiga. Mesmo que não consigas comentar, eu espero...um beijo...

Fernando Samuel said...

No Coliseu, ele cantava «eu não volto a cantar« e a gente chorava...

Maria said...

manuela

Não me digas que foste trabalhar.... :(
Beijos
G.

Maria said...

sophiamar

Sem ter palavras, deixo-te as do Zeca

Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti
Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme qu'inda a noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer

Beijinhos

Maria said...

amigona avó e a neta princesa

Já lá vou...
E tu vai afinando a voz......

Beijinhos

Maria said...

fernando samuel

Foi exactamente como dizes. Ainda hoje quando velo o video me acontece o mesmo...

Maria P. said...

Ninguém O esquece...

Beijinho Maria*


(Maria ontem tive o mesmo problema que tu em comentar, "passei" o anti-vírus e resolveu-se, em várias caixas de comentários, existem linkes que são vírus, já fui avisada.)

Alice Matos said...

Já lá vão uns bons anos e ainda sinto um nó na garganta ao ler ou ouvir estas palavras... Acho que ficarão enquanto viver... E assim se prolongam as vidas dos imortais... nos corações que marcaram com as suas breves mas intensas vidas...

Um beijo para ti...

Oris said...

Sinto os olhos mais brilhantes...
Aqui leio, no Nada de Novo ouço com muita emoção...

Beijitos, Maria.

Pedro Branco said...

Olá Maria:

Lembro-me do dia 23 de Fevereiro de 1986. Tinha 20 anos. Vivia no trubilhão da luta entre os estudos para a profissão que sonhava e a vida independente que já tinha, os primeiros projectos culturais com adolescentes da minha idade em eterna ebulição, o início da paternidade...
Foi a minha maior manifestação - abraçar-me a um dos meus companheiros na rua, à porta do seu prédio, e chorarmos a noite toda.

Sei-te presente todos os dias. Neste, em especial, vim dar-te um abraço.

rosa dourada/ondina azul said...

Sem palavras,


Deixo-te um beijo,

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida amiga Maria, eu gosto de ti... Muito!!!
Estou solidária com a homenagem ao Zeca, Grande Homem da nossa história.
Beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha

Aprendiz de Viajante said...

Adoro a m�sica e as palavras ditas por este SENHOR! Acho que devemos muito a ele.


Um bjo e bom fds

Meg said...

21 anos, Maria!
Conheci o artista e conheci o homem, há muitos anos, do outro lado do mar, e daí para cá, ouvindo os discos comprados (arranjados) "na clandestinidade", segui-lhe a carreira e a vida, para ele já tão amarga - ainda não tinham passado 10 anos do 25 de Abril, depois a horrível doença instalou-se para no-lo levar, tão cedo!

Um abraço e bem haja!

São said...

A resposta a este post está no meu espaço.
Bom fim de semana.

mfc said...

Dizer saudade é pouco, para quem tanta falta faz>!

JOSÉ NEVES said...

Uma justíssima homenagem a esse que foi um grande senhor: ZECA AFONSO.

Um beijo.

Ana Luar said...

Alguém de facto inesquecivel Maria. Vê-lo recordado por ti dá-lhe mais valor ainda.

Kalinka said...

Maria, deixei-te um comentário num outro lugar, procura-o por favor.
Beijinho.

poesianopopular said...

Maria
Só para dizer que me aassocio á homenagem mas, nem precisas responder -isto é quase escravatura, será que;tenstempo para beber água?
Abraço José Manangão

Luis Eme said...

Beijos para ti, Maria, e um longo aplauso para o Zeca (com assobios e pedidos de bis), porque a sua voz e as suas palavras fazem parte de nós, todos os dias...

Fernando Santos (Chana) said...

Bela homenagem a Zeca Afonso que simboliza a Liberdade !
Beijos

as velas ardem ate ao fim said...

Palavras para quê?

bjinho grande

Vb said...

Sempre actual e presente nos que amam a Liberdade.

Beijinhos

isabel mendes ferreira said...

(um dos meus primeiros profs de filosofia...) um amigo. de Todos nós.


A voz.


(para ti um Beijo. especial)

avelaneiraflorida said...

E ELE NÂO TROUXE APENAS CINCO AMIGOS...

Trouxe-nos a todos que sempre o recordaremos!!!!
Bjkas!

Anonymous said...

Querida Maria!

todos, somos poucos para lembrar o Zeca!
mas é bom senti-lo sempre presente.
dia 1 de Março estaremos muitos a recordá-lo a uma só voz!!!!! acho, que consigo lá estar, a partir das 17h... :)!
bem hajas pelo post.
fim-de-semana tranquilo...
beijocas,
vovó Maria

marias said...

É sempre bom lembrar Zeca!...
Inesquecivel, como inesquiciveis o poder das suas letras e melodias.
Beijinhos

elvira carvalho said...

Mais uma homenagem a alguém que viverá eternamente na nossa memória.
Um abraço

Tozé Franco said...

Ora viva.
O Zeca também tem andado pelo meu blog.
Um abraço e bom Domingo.

Maria said...

maria p.

É nosso dever passá-lO às gerações seguintes....

Beijinho, Maria.

(obrigada pela informação, Maria, mas parece que aqui o problema não será só esse... vamos ver...)

Maria said...

alice matos

Temos a responsabilidade de fazer com que ele permaneça, para além de nós...

Um beijo, Lice

Maria said...

oris

As vezes que os meus já ficaram mais-que-brilhantes, hoje...

Beijinhos, Ana

Maria said...

pedro branco

O choro repetiu-se um pouco por todo o lado onde estávamos. Eu estava aqui, também com uns amigos...
Muito obrigada pelo abraço, Pedro...
Outro para ti, apertadinho...

Maria said...

rosa dourada/ondina azul

.................

Beijos

Maria said...

fernanda & poemas

Gosto que gostes de mim...
O Zeca é único...

Um beijo, querida amiga

Maria said...

aprendiz de viajante

Devemos-lhe muito, sim... e a outros também...

Bom domingo.
Beijo

Maria said...

meg

Partiu antes do tempo. E faz-me falta....

Beijo

Maria said...

são

Bom domingo

Maria said...

mfc

É muito mais que saudade....

Maria said...

josé neves

e que continua no nosso coração... e a cantar....

Beijo

Maria said...

ana luar

Eu apenas recordo o cantor, aqui. Podia recordar o homem (quantas noites, quantas conversas) mas é o cantor que eu quero recordar. Para passar o testemunho a outros mais jovens...

Beijo, Ana.

Maria said...

kalinka

Já li, já respondi....
Beijinho

Maria said...

poesianopopular

... fico com pouco tempo para dormir....

Abraço

Maria said...

luis eme

Verdade, Luís, fazem já parte de nós... todos os dias....

Beijinhos

Maria said...

fernando santos (chana)

Foi a canção mais comovente da última vez que o vi cantar ao vivo...

Beijos

Maria said...

as velas ardem até ao fim


Beijo, Vela

Maria said...

vb

Sempre cá dentro, no peito...

Beijinhos

Maria said...

isabel mendes ferreira

Que sorte tiveste. Era especial, esta voz...
Obrigada

Um beijo, Isabel

Maria said...

avelaneiraflorida

Ele continua a juntar os amigos todos.....

Beijos

Maria said...

anonymous

Querida vovó Maria!

Podemos ser poucos, mas já somos suficientes. E depois esta força que temos aqui dentro dá-nos a capacidade de cantar por dois ou por três...
Que bom estares lá, irei ter contigo.... ☺))
Bom domingo

Beijinhos

Maria said...

marias

é sempre bom cantar o Zeca!
... e que a voz não nos doa....

Beijinhos

Maria said...

elvira carvalho

É, amiga, o Zeca é eterno...
É nossa obrigação torná-lo eterno para as gerações seguintes, contando a História....

Um abraço

Maria said...

tozé franco

Vou até lá...
Bom domingo pra ti.
Um abraço

(e vou ver as cornucópias...)

As Sombras de Fim do Dia said...

Há palavras e vozes que se tornam património, e como alguém disse, é nosso dever passá-lo à geração seguinte. Este poema é excelente.

beijinhos e bom fim de semana

Maria said...

as sombras de fim de dia

Já o disse aqui várias vezes, é nossa obrigação passá-lo às gerações seguintes....

Bom domingo
Beijinhos

Agulheta said...

Maria.
Agradeço visita,comento o homem que deixou marcas,na minha juventude de fugir com medo de tudo,de ouvir cantar na rádio voz de Argel,muito mais para ele onde se encontre palmas,esta balada me apertou o coração,adoro ela.
Beijinho de amizade Lisa

Maria said...

agulheta

Eu também adoro esta balada...
... está-me tão colada à pele....

Beijinhos, Lisa

Fernando Vasconcelos said...

Zeca sempre. Houve vários que disseram que o devemos passar às gerações seguintes. Concordo inteiramente. No meu caso está feito. Não sei se sou eu ou meu filho o maior admirador do Zeca Afonso. Está uma luta renhida ...

Maria said...

fernando vasconcelos

Ainda bem que o fizeste... quem me dera fossem muitos mais...

Brancamar said...

Depois de já muitas homenagens ao José Afonso ter percorrido neste dia que findou e de já ter comentado algumas, termino aqui com a certeza de que ele continua bem vivo em nós, o que me satisfaz bastante.
Bonito todo o diálogo e publicação de textos à volta de um Homem a quem todos devemos muito.
Beijinho

Maria said...

brancamar

Tens razão, também gostei de ver muitos blogs assinalando esta data. 21 anos depois. Não foi, nunca será esquecido....
Beijinho

Rosa Maria said...

Maria

Ainda hoje me arrepio quando me recordo de o ouvir cantar ao vivo, no coliseu, esta música.
Todos sabiamos que seria a última vez!

Bem Hajas!
Beijos

Maria, Simplesmente said...

Obrigada Maria:
Não sei porquê, tu deixas-me sempre um pouco curiosa
Não leves a mal isto que eu digo, mas parece-me que cada vez mais me espantas.
Há qualquer coisa de proximidade nos teus comentários.
Será a influência de comentáriios de quem sabe quem és que me influenciam?
Não sei mas este nome do teu blog "O cheiro da ilha" faz-ma lembrar alguém...
Obrigada Maria e volta sempre que queiras.
E quanto ao comentário que me deixaste, podes crer que tens razão.
Um bom domingo
Bj
Maria

Papoila said...

Mas volta a cantar sim... canta em cada um de nós sempre que o recordamos.

Beijos Maria
BF

Maria said...

rosa maria

Não foi por acaso que escolhi esta balada....
Obrigada.

Beijinhos

Maria said...

maria, simplesmente

Se me dissesses porque é que e deixo curiosa....
Se me dissesses porque é que te espanto...
... talvez eu entendesse.
Toda a gente que me comenta ou me lê sabe quem eu sou: sou o que está no perfil, o que escrevo e o que comento. Sou EU.
Não sei porque é que o nome do blogue te faz lembrar alguém, mas acho que as ilhas têm um cheiro e um som diferentes do continente. Cheira mais a mar...

Volta sempre.
Beijinho

Maria said...

papoila

Por mim ele continua a cantar todos os dias.....

Beijinhos, linda papoila

herético said...

"agua das fontes..."

saciemo-nos. aqui. são cristalinas...

beijos

tufa tau said...
This comment has been removed by the author.
tufa tau said...

vinha cantar-te na minha voz o que canto aos meus filhos

mas tu adiantaste-te
deixo apenas parte

...

trovas e cantigas muito belas
afina a garganta meu cantor
quando a luz se apaga nas janelas
perde a estrela d'alva o seu fulgor

perde a estrela d'alva pequenina
se outra não vier para a render
dorme qu'inda a noite é uma menina
deixa-a vir também adormecer

deixa-a vir também adormecer

um abraço

Maria said...

herético

Completamente transparentes.....
Obrigada

Maria said...

tufa tau

... o que eu cantava ao meu filho, há muuuuiiiitos anos atrás....

Abraço-te

Maçã de Junho said...

lembro-me... do meu pai sair de casa com a boina basca colocada e um cravo na lapela... tinha eu 6 anos quando perguntei onde ele ia a minha mae disse: Vai cantar a morte do Zeca, vai cantar...

lembro-me com se fosse hoje...

beijo
M

Maria said...

maçã de junho

Gosto, de certeza, da boina basca do teu pai...
Lindo o teu pai, linda Maçã.....

Beijo

O Sibarita said...

Belo poema e dizer o que mais dona moça?

Por onde andas?

bjs
O Sibarita

Maria said...

o sibarita

Estou aqui, moço.
Já passo por lá....

beijos