Sunday, April 06, 2008

Ainda o Vozes de Abril


Deixo-vos hoje o poema que José Fanha disse ontem, no Coliseu:

Eu Sou Português Aqui

Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.

Eu sou português
aqui
mas nascido deste lado
do lado de cá da vida
do lado do sofrimento
da miséria repetida
do pé descalço
do vento.

Nasci
deste lado da cidade
nesta margem
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.

Nasci
deste lado da ternura
do coração esfarrapado
eu sou filho da aventura
da anedota
do acaso
campeão do improviso,
trago as mão sujas do sangue
que empapa a terra que piso.

Eu sou português
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.

Nasci
aqui
no mês de Abril
quando esqueci toda a saudade
e comecei a inventar
em cada gesto
a liberdade.

Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada
ainda urgente.

Eu sou português
aqui
o português sem mestre
mas com jeito.
Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito.

( in) Busca)

24 comments:

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida amiga Maria, ainda hoje estive a postar sobre o josé Fanha... Visitei o seu blogue... Chego aqui e leio, minha querida aquilo que teria gostado de ouvir ao vivo.
O destino dá-nos enormes surpresas!!!
Muitos beijinhos minha querida amiga,
Fernandinha

Blue Velvet said...

Ó pra mim de mão na anca: pode-se saber onde anda Madame????
Para castigo por não me visitar, tem lá no meu cantinho umas pedrinhas que apanhei na praia da sua ilha.
É melhor ir buscá-las!
E não deixo comentário nenhum.
Bem feita.kkkkk
Beijinhos e veludinhos

Alice Matos said...

"Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito..."

Querida Maria... não conhecia este poema que o Fanha declamou... Sabes... não sou uma pessoa de lágrimas fáceis... mas ao ler estes últimos versos deixei-as correr sem pudor... Tão lindo o nosso Abril... tão maltratada a revolução meis bela de todas... que só podia ter sido realizada por esse português do lado pior das coisas... Tão maltratado o personagem desta história a ser construída...
Queria lê-lo ao meu pai... mas ele já não está connosco...

Obrigado pela tua partilha...

Um beijo para ti...

Brancamar said...

Olá Maria,
Transmissão de pensamento, parece que me sentiste ontem à noite aqui no teu espaço...vim cá espreitar mas já era tão tarde e estava tão cansada que deixei a marcação de presença para hoje.
Quanto a estes versos de José Fanha têm aquele cunho que só ele sabe dar às palavras, podem-se considerar os versos de combate dos tempos de hoje. Todo o Português se sentirá aqui bem identificado e também estamos em época de novos e difíceis combates. Aproveitemos Abril para os reforçar e não nos esqueçamos todos os dias de não adormecer...
Estive há uns anos em Óbidos, quando passava férias em S. Pedro de Muel, adoro Óbidos e gostava imenso de voltar, lembro-me perfeitamente de uma Capela grande à entrada da vila mas não sabia que se chamava também de Sr. da Pedra, nem cheguei a visitar. Na ida à tua terra não vou esquecer, fiquei curiosa com as tuas indicações.
Bom Domingo
Beijinhos

zemanel said...

Conheço poucos poemas do Fanha. Este conheço e bem - e nunca me canso de o ler e ouvir.
Um poema que fala de todos nós - um povo, nascido do outro lado da vida que quando vai ao sonho, luta e vence.

MiE said...

Sempre a viver Liberdade

maria

ilha dos amores


Lindo poema, um grito...

e gritos precisam-se!!!

beijos
muitos

elvira said...

Adorei o poema. Há tanto tempo que não oiço o Fanha.
Um abraço

Sunshine said...

Será que os portugueses ainda trazem Abril no peito?
Adorei o poema.
Beijinhos

herético said...

excelente o Poema. excelente a voz do Fanha...

amigona avó e a neta princesa said...

Minha querida Maria vim dar-te um abraço...estou FELIZ e sei que tu também o ficarás por mim!!! Beijos querida...

Maria P. said...

Voar alto as palavras...

Beijinhos Maria

Carminda Pinho said...

Maria,
isto da duplicação do fanha no mesmo poema nos nossos cantos é "castigo" para ti ...:)))
o meu já lá está há bué...
Não tens passado por lá? :(

Beijinhos amiga, quantos mais formos melhor...

Oris said...

Há quanto tempo que não lia nada de José Fanha...
Tenho saudades de o ver na televisão e de o ouvir.


Vou esperar, ansiosa, pela transmissão do programa.

Boa semana.
Beijitos

FERNANDA & POEMAS said...

Olá minha querida e adorada Maria, desejo-te uma noite tranquila e um bom começo de semana... Até logo!
Beijinhos de carinho e amizade,
Fernandinha

Ana said...

Abril é o mês da Liberdade. Que nunca a deixemos morrer dentro do peito.
Também gostava de ter ido ouvir as vozes que a cantam.
Um beijo.

brisa de palavras said...

O Abril e a sua magia...
um abraço
brisa de palavras

Maria Papoila said...

Aguardo por dia 25 de Abril!!!

beijos

Maria Papoila

Teresa Durães said...

eu sou aqui
com todos os meses encafuados
nas memórias que trago

Luís Galego said...

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro

belo poema este do José Fanha....

rui said...

Olá Maria

Mais um lindo poema do, único, José Fanha!
Adorei!

Beijinho

Maria said...

Muito obrigada por terem passado aqui.
Parece que a net entrou em greve por estes lados, e só agora acordou...

Beijos

Fernando Santos (Chana) said...

Belo poema de José Fanha...Exelente!
Beijos

isabel said...

eu não nasci aqui

aqui foi lindo. foi a liberdade.

beijo maria

bettips said...

Sabendo quem é José Fanha,
o poema,
o nascimento aqui
...comovente.
Mas forte!!!!
Bjinhos