Monday, August 29, 2011

As horas e o tempo


Sentada na areia fico a olhar o mar
Deixando que no rosto me sopre o vento
Ao fundo um barco, sei-te a navegar
E fico perdida nas horas e no tempo

Navega o barco sem rumo e sem rota
E sentada fico, de cabelo ao vento
Chega a noite e a esta hora morta
Estou perdida nas horas e no tempo

Regressas de manhã com o nascer do sol
No barco empurrado pela vaga e pelo vento
Foram-se as estrelas que me serviram de lençol
Porque me perdi nas horas e no tempo.

18 comments:

Memória de Elefante said...

A vida como um pensamento corre à frente dos relógios.O ritmo das águas indica o roteiro e nos oferece um papel:abrir o coração como uma vela ao vento...

Um beijo

salvoconduto said...

Já eu perco as horas e às vezes também perco o tempo, que não é o caso quando aqui venho, só para que conste, por aqui também partilho as estrelas, mas vá lá não queiras o lençol só para ti...:)

Abreijos e boa semana

BlueShell said...

ÀS vezes é tão bom deixarmo-nos perder"nas horas e no Tempo", à beira-mar....
Beijo amigo, amiga!

trepadeira said...

Mesmo perdida nas horas e no tempo,regressa de manhã a esperança.

Um abraço,
mário

Fernando Samuel said...

Se o barco regressa - e de manhã!... - nada está perdido...

Um beijo grande.

mfc said...

Uma nostalgia que nos toca!!
Liiinda!

Parapeito said...

que bonito Maria!
"Foram-se as estrelas que me serviram de lençol"
Adorei.
(Obrigada Maria pela sua sempre tão simpática presença no meu cantinho, gosto de a sentir por lá)
brisas doces para si***

OUTONO said...

Perder...pode também ser conjugado ...encontrar...
Um olhar em redor...e o mar seguramente dita-te um poema de amor...à vida, à liberdade...ao mundo da paz...
...Olha um pouco mais...sê paciente!

Vieira Calado said...

Olá, boa noite!

Achei o poema muito bonito, bem escrito!

Bjsss

elvira carvalho said...

O mar sempre foi uma grande musa inspiradora. E um grande motivo de aflição para as mulheres dos pescadores.
Um abraço e um bom dia.

N. Barcelli said...

Às vezes é bom perdermo-nos nas horas e no tempo a olhar o mar...
Belo poema, gostei imenso.
Beijos, querida amiga Maria.

Silenciosamente ouvindo... said...

É muito bom perdermo-nos nas horas
do tempo.Gostei muito.
Bj/Irene

Silenciosamente ouvindo... said...

É muito bom perdermo-nos nas horas
do tempo.Gostei muito.
Bj/Irene

Cris Caetano said...

Não importa, não é mesmo? É sabido que ele volta.

Beijos, Maria

© Piedade Araújo Sol said...

por vezes todos nos perdemos no tempo:

um poema sofrido:

gostei muito da foto:

um beij

Filoxera said...

Lembro-me tão bem deste teu poema...
Adorei.
E deu origem a este, entre nós:

Repouso o olhar na extensão desta areia
Deixo-me recuar no meu pensamento
Ao dia em que foste pirata, e eu sereia
Numa história de amor, entre mar e vento

Sorrio para o azul que me prende os sentidos
Na maresia sinto o cheiro do nosso momento
No ritmo das ondas, o nosso, perdidos,
Em viagem de ir e vir, como o mar e o vento

Estendo esta saudade até ao horizonte
Reinvento-nos, sedentos, num compasso lento
Faço das memórias a minha ponte
Para o tempo em que fomos mais que mar, mais que vento

Abraço-te!

Pedro Branco said...

Levo um barco perdido no mar
Tempo de mim, do amor e da paz
Por isso navego sem parar
Sem saber se vou para a frente ou para trás

Neste tempo cruel e vazio
Os meus passos são duros e pesados
Morro de calor e morro de frio
Trago os braços moles e cansados

Poderia gritar ou apenas abraçar-te
Mas nada me aconchega este choro forte
Porque a minha dor é essa de amar-te
De cada vez que me regressas a morte

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram por aqui.

Beijos.