Thursday, September 18, 2008

Lendo notícias sobre a Bolívia, lembrei-me de Ary...

Em nome dos nossos braços
em nome das nossas mãos
em nome de quantos passos
deram os nossos irmãos.
Em nome das ferramentas
que nos magoaram os dedos
das torturas das tormentas
das sevícias dos degredos.
Em nome daquele nome
que herdámos dos nossos pais
em nome da sua fome
dizemos: não passam mais!

E em nome dos milénios
de prisão adicionada
em nome de tantos génios
com a voz amordaçada
em nome dos camponeses
com a terra confiscada
em nome dos Portugueses
com a carne estilhaçada
em nome daqueles nomes
escarrados nos tribunais
dizemos que há outros nomes
que não passam nunca mais!

Em nome do que nós temos
em nome do que nós fomos
revolução que fizemos
democracia que somos
em nome da unidade
linda flor da classe operária
em nome da liberdade
flor imensa e proletária
em nome desta vontade
de sermos todos iguais
vamos dizer a verdade
dizendo: não passam mais!

Em nome de quantos corpos
nossos filhos foram feitos.
Em nome de quantos mortos
vivem nos nossos direitos.
Em nome de quantos vivos
dão mais vida à nossa voz
não mais seremos cativos:
o trabalho somos nós.
Por isso tornos enxadas
canetas frezas dedais
são as nossas barricadas
que dizem: não passam mais!

E em nome das conquistas
vindas dos ventos de Abril
reforma agrária controlo
operário no meio fabril
empresas que são do estado
porque o seu dono é o povo
em nome de lado a lado
termos feito um país novo.
Em nome da nossa frente
e dos nossos ideais
diante de toda a gente
dizemos: não passam mais!

Em nome do que passámos
não deixaremos passar
o patrão que ultrapassámos
e que nos quer trespassar.
E por onde a gente passa
nós passamos a palavra:
Cada rua cada praça
é o chão que o povo lavra.
Passaremos adiante
com passo firme e seguro.
O passado é já bastante
vamos passar ao futuro.

(Ary dos Santos)
(O sangue das palavras)

41 comments:

salvoconduto said...

Apropriado, sem dúvida. A fazer-nos lembrar que os golpistas da "meia lua" precisam de ser rechaçados pelo povo da Bolívia sob pena de ali se instalar de novo a ditadura.

Abreijo

poesianopopular said...

Maria
Sería bom, que acontecesse como diz o Ary, e vai acontecer, a Bolívia vencerá!
Bjo

Antuã said...

O Povo da Bolívia vencerá.

Eduardo Aleixo said...

Lembraste-te do Ary, Maria. Lembraste-te bem.
Era uma força viva.
Era uma bandeira do sentir do povo.
Tenho saudades dele.
Como tenho do Zeca.
Eram forças e moviam os nossos corações.
Mas hoje, desculpa, eles não têm culpa, nem eu, mas não sei que te dizer.
Beijos.

lua prateada said...

Espero de coração que vençam e nem pensar que possa ser diferente ,pois já há maldade e sofrimento que chegue
Beijinho prateado com carinho

SOL

mariam said...

grande Ary...
grande homenagem que aqui faz...
grande esta causa...

um grande sorriso para Si :)


ah!solidarizo-me e assino por baixo no seu post infra...

uma última coisa, desculpe ter-lhe agarrado a aba do casaco no blog de «P.Branco» :)

Ana said...

Como só Ary sabia dizer! Vamos passar ao futuro!

Um beijo, Maria.

Leticia Gabian said...

E essa vergonheira a acontecer aqui, bem pertinho, Maroca!
Quando é que essas coisas terão um fim?

BlueVelvet said...

Tu lembráste-te do Ary e eu ao ler, lembrei-me de quando o ouvi dizer este poema, bem pertinho de mim.
Chorei na altura e agora.
Beijinhos

Carminda Pinho said...

Gostei de voltar a ler, Maria.

Beijos

Fernando Samuel said...

Como ele sabia dizer TUDO de forma tão BELA!

Um beijo grande.

elvira carvalho said...

Sempre bom reler Ary. A mim ao ler as notícias, também me lembro do Chile.
Um abraço

Justine said...

Eles estão a passar ao futuro, Maria! A America Latina está a dar passos em direcção ao futuro.
Beijo

Rosa said...

Lembro-me de ver o Ary dos Santos em tertúlia com a Natália Correia, a Maluda, a Maria do Céu Guerra,o Al Berto, entre outros que, à data, não reconheci, no antigo "Ritz Club".

Tratava-se de um "mal afamado" café-concerto lisboeta, decadente - ao gosto dos poetas e dos artistas, todos amantes da noitada - que pontuava ali para os lados da Praça da Alegria, perto da Escola de Jazz - Hot Club.

Já lá vão muitos, muitos anos. Eu, à época, era semi-nova, tenra, enquanto eles já voavam nas neblinas do alcool, dos cigarros, durante as noites longas, fábricas de olheiras cavas.

Ary, um dia qualquer, depois de expurgados os estigmas da sua opção sexual, partidária, e, especialmente, da vida devassa que escolheu, à velocidade da luz, viver, será rememorado como um dos maiores poetas portugueses.

Mas é preciso dar tempo ao tempo. Veja-se Baudelaire, Pessoa,Sá-Carneiro, Racine,Verlaine, Oscar Wilde e tantos outros...

Um abraço,

Rosa

AJO said...

E que bem lembrado... as coisas que tu te lembras... as coisas que tu sabes.
BJS e até breve

pin gente said...

que mais posso dizer, senão... vamos!

um beijo, maria

Lúcia said...

E ele a recitar isto? Nunca vi - mas imagino como torna viva estas palavras - de sangue.
Boa Maria. O poeta ; a causa.
Beijinhos

Anonymous said...

Maria, perdi o teu “e-milio”, desculpa.
Podes enviar outro?... assim não podemos passar ao futuro.
Besnico di Roma

Anonymous said...

Não sei o que se passa.
Não consigo comentar no teu blog sem ser como “amónino”.
Estás zangada comigo? … tens toda a razão, eu depois explico.
Besnico di Roma

Carla said...

perfeita a tua lembrança
beijos

Luiz Caio said...

Oi Maria! Como vai?
Essa realidade de força e luta, se deu em diversas parte do mundo... Muitos conseguiram, muitos ainda lutam. A escravidão e a ditadura, na minha opinião,Foram e são, juntas com a fome e a miséria, as maiores vergonhas do universo...

TE ENCONTERI NO BLOG DA CARLA,E PASSEI PARA CONHECER O SEU ESPAÇO... GOSTEI MUITO!

TENHA UM LINDO DIA!

Teresa Durães said...

lindo este poema!

Agulheta said...

Maria.Como sempre o grande Ary,poeta como só ele sabia escrever para o povo,aquele de quem falou,mas acho que ainda a justiça não foi verdadeiramente feita,para dois homems; Ary e Zeca,como eles mereciam.Quanto ao povo da Bolívia vai vençer! não se pode viver com ditaduras.
Beijinho

Agulheta said...

Maria. Vou comentar aqui sobre os Paralímpicos,as coberturas televisivas,bem... uma vergonha,a eles bem hajam pelas medalhas,e meu reconhecimento,quanto a abertura e encerramento dos jogos,muito se deve dizer ao povo Chinês,pela amabilidade,segurança e festa de grande valor desportivo,agora falta esperar por Londres! Mas os olhos aqui devem ficar,pelo que realizaram.
Beijinho

Rosa dos Ventos said...

Que a Bolívia e o seu povo vençam!

Abraço

em azul said...

Há sempre que os deixe passar... e eles passam!
Gostei deste poema! Como não?

Beijo, Maria da ilha

Nota : Achas então que eu ando a pregar partidas? Eheheheheh... Só comecei agora!
Outro beijo, pela sonora gargalhada que me deixaste.
em azul

Hilário said...

Maria,
Lindo poema do Ary!
A Bolivia e o seu povo vencerá!

Um Abraço

Hilário said...

Maria,
Lindo poema do Ary!
A Bolivia e o seu povo vencerá!

Um Abraço

O Sibarita said...

Rapaaaaaaazzzzzz... kkkk Nem me atrevo a comentar!

Eita lasqueira no caminho da feira!

Esse poema é pau puro, é dos bons, é isso dona Maria!

bjs
O Sibarita

LB said...

Intenso, este Ary!

Beijinho

Joao P. said...

Olá Maria:

De visita ao seu blog gostei de reler o Ary.

Se não se importa vou postar no meu blog o poema do Ary indicando a sua origem

Cumprimentos

João

Mié said...

Bendito povo que não se conforma, não cruza os braços. Vai à luta por justiça.

Vencerá!!!


um beijo grande

maria

ilha da Liberdade

C Valente said...

Lindo
Saudações amigas

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida Maria, linda a tua postagem hoje... Adorei reler o Ary, ele é daqueles seres que eu nunca esqueço... Que todos os Países oprimidos tenham a sorte do seu lado...É o meu profundo desejo!
Querida Maria, muitos beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha

mfc said...

Também estou com o Evo Morales... mais que nunca!

heretico said...

... e lembraste muito bem!

é sempre um prazer e uma agradável descoberta o teu blog

beijos

Luis F said...

Muito bem amiga... para ti o meu aplauso por este momento

Com amizade
Luis

samuel said...

E foi uma bela lembrança!

Abreijos

Maria said...

O Zé Carlos, o Ary, é e será sempre especial, e sempre muito bonito...

Beijos para todos

João Videira Santos said...

Ary...sempre fomos amigos até que outras circunstâncias diluissem o contacto...De qualquer forma, um grande poeta. Um poeta que ainda não teve o relevo que merece. Aqui, de voz aberta digo: Ary,sempre!

ROSA E OLIVIER said...

imortal Ary!...obrigado por lembrar esse grande amigo!...e para ti...de uma amiga do Ary...que andava sempre á briga com ele!...

"Velas do meu pensamento
aonde me quereis levar?"...

baci mille!