Thursday, June 18, 2009

O teu silêncio


Estou cansada do teu silêncio. Quero agarrar o tempo e ele escapa-se entre os dedos, como areia. Invento-me para te encontrar e não sei onde te procure. Estou cansada. De mim, de ti. Do teu silêncio. Vou à nascente do rio e só vejo um rasto, nem sei se teu. Desço pelas margens dos sonhos subo aos montes e volto às margens. Só te sei do cheiro. Que permanece, que me persegue, que me envolve. Ao meu redor o teu silêncio. Tranquilo. Continuo o meu caminho e sei que hei-de chegar, um dia. Não sei quando, mas sei que um dia. Afinal sempre esperámos o tempo que foi preciso. Mas hoje estou cansada do teu silêncio...

37 comments:

salvoconduto said...

Logo hoje que eu tenho os ouvidos cheios...

O homem debitou no parlamento, debitou na SIC...Faça-se silêncio! Calem o homem!

Desculpa lá esta mania de ser do contra, Maria.

Abreijos.

samuel said...

Curiosamente, há silêncios que cansam mais que muitos ruídos...

Joao P. said...

Maria:

É muito bom ter-te de volta. Vens inspirada

é um prazer ler-te

Beijo

João

Little Monster said...

Vim espreitar as fotos da ilha :)
Devia estar magnífica como sempre ;)

Beijos com cheiro a mar

Ana Oliveira said...

Mesmo quando a espera é serena, os olhos sabem o que procuram e "o cheiro" é uma memória que teima em ficar!

Um beijo

Ana

Anonymous said...

O silêncio diz muito a quem sabe escuta-lo,e uma voz calada pode ter tanto a dizer...

Maria Muda

Delfim Peixoto said...

O silêncio... o silêncio... o silêncio!


Como estás cansada desse silèncio, ouve o mar!
jnhs

Maria said...

Little Monster

Já sabes que a tua caixa de comentários não é da minha simpatia...
O snr. google não deixa comentar aquele tipo de caixa, hehehe

Mas as limas que lá tens faziam-me jeito... edredon, dizes? Bolas...

anamar said...

Nem sempre o silencio é de ouro, Maria...
beijinho

Cris Caetano said...

O silêncio cansa, dói, amarga...

Beijinhos

paula barros said...

Maria, já tive silêncios que incomodavam com o frio cortante da ausência.

Gosto muito da sua forma de escrever, muito!

Deusa Odoyá said...

Olá minha amiga Maria.
Amiga, sei bem como vc. se sente.
As vezes fico com o silêncio a me rondar.
Quando acontece isso, vou para as montanhas e deixo a voz da minha alma se manifestar, aí sim encontro a porta para trancar esse silêncio.
Maria, uma semana abençoada por Deus.
fique na paz.
Beijinhos doces, minha amiga.
Regina Coeli.

carmen said...

Maria querida,

Viver é mesmo um ato de coragem, e mesmo diante de tantas faltas havemos de continuar, sempre!Continuar, porque a vida tem coisas belíssimas, como teu blog, tua poesia, teu país que me encantou, os amigos, o amor, o inusitado, e tantas coisas mais.
Um beijo grande....
Abraços de cá da Bahia, Salvador.
Carmen
www.desejoselugares.blogspot.com

A CONCORRÊNCIA said...

Ouve a música do mar Maria, talvez assim, durante breves instantes, te seja possível esqueceres esse perturbante silêncio.

Beijo grande e abraço muito apertado

Mukanda said...

Maria,

Há dias que o Silêncio se torna insuportável, magoa, dói.

"O meu silêncio,
Grita o teu nome.
Sempre que o silêncio se torna insuportável,
É o teu nome que eu grito por dentro.
No lugar do meu silêncio,
Estás tu.
Só tu.
Colorido com lembranças do que já fomos"

Beijo muito grande e um abraço, desde aqui até à Lua.
Hoje não é dia...
Beijo
Andreia Vilarinho Flórido

utopia das palavras said...

O silencio magoado, faz o tempo interminável!

beijinho

Rosa dos Ventos said...

O pior grito é aquele que não se ouve!

Abraço solidário

Filoxera said...

O silêncio pesa...
Quando te fartares do silêncio, espairece. Sabes onde me encontras.
Beijos.

Violeta said...

Querida maria
há silencios que ferem tanto que quase matam. A sua mágoa e cicatriz é tão funda que nos sentimos como uma marionete sem ter que lhe dê vida.
Entendo-te mas são esses silêncios que têm que nos obrigar a seguir.
um bj

Agulheta said...

Maria. Silêncios há que nos incomodam? este teu é algo bonito que fala de mar e doutros silêncios que gostamos,e nesta tua inspiração da escrita me fez bem ler.
Beijinho fica bem.

Pedro Branco said...

Dos silêncios somos carne, veias e grito
Carregamos o peso de memórias cada vez mais fundas
Voamos por entre o futuro e o interdito
Dos versos que vomitas e me inundas

Jardins de calor e dor ao mar atirados
Viagens, passagens, canções, um doce travo a pele queimada
Sinto cada vez mais os sonhos cansados
De uma morte tão viva e anunciada

São apenas respirações, passos e regresso
Andorinha de ir e vir entre tanto sentir
Forte ventania entre a brisa que te peço
Balada e beijo de ficar e de partir...

simplesmenteeu said...

Procuro-te com o olhar... mas, é sempre no silêncio, que as nossas vozes se cruzam e o nosso respirar se mistura...

É, no frio dessas madrugadas, que o Abraço nos restitui à vida.

Abraço enorme.Sempre

Fernando Pinto said...

Também gosto muito das tuas fotografias... Obrigado Maria! Tens muita sensibilidade no olhar!

Beijinhos

Fernando Pinto said...

Também gosto muito das tuas fotografias... Obrigado Maria! Tens muita sensibilidade no olhar!

Beijinhos

al cardoso said...

Mas que texto excelente!

Adorei, assim como a sua visita, que pena nao nos poder-mos encontrar, pessoalmente.

A fotografia e tambem muito linda parabens!

Um abraco dalgodrense.

Fernando Samuel said...

Quem espera sempre alcança, se esperar com confiança...

Um beijo grande.

anamar said...

Viva Maria!
Irei só, o Tó vai me buscar...e, se quiseres marcar para ficar perto de ti... era bom !
Beijinho

Pico minha ilha said...

Não me parece que a porta sirva de jangada, sem nem ela tem amparo para se segurar.O silêncio também nos cansa, mas por vezes é bom estar no silêncio e só ouvirmos a água a cantar ou os pássaros a chilriar.Um beijo Maria

Anonymous said...

Como diria Eugénio de Andrade em "Ostinato Rigore"

"O silêncio é de todos os rumores o mais próximo da nascente"

Talvez por isso
"Não me canso de beber-te
nas palavras
longamente. "

Aten

AnaMar (pseudónimo) said...

O SILÊNCIO CANSA-ME.
VÁ-SE LÁ SABER PORQUÊ... (SÓ AGORA REPAREI QUE ESCREVI EM MAIÚSCULAS)
Ando mesmo trenguinha de todo, lol
1001 beijos de saudade

Baila sem peso said...

O silêncio que por vezes compensa
O silêncio que por vezes se dispensa

No silêncio contruo castelos
No silêncio derrubo-os com martelos

Enfim...
um silêncio sem fim!

Beijinho de mim :)

Adriana said...

belo muito belo!

Papoila said...

E sinto sempre tanto as tuas palavras, talvez porque as vivo de identica forma.
Os silêncios que nos afastam e nos fazem correr para mais perto e, no entanto, nunca chegar.


Beijinho
BF

Anonymous said...

Maria

Obrigado.
Muitas vezes eu duvido daquilo que escrevo. Não que tenha ou não qualidade, mas do prazer que possa transmitir a quem lê.
Quando voltares ao Blogue, clica em
"ver o meu perfil completo" e depois nos outros titulos de blogues; são diferentes. Mas diz-me o que achas.

Aten

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

Apenas eu said...

há silêncios e silêncios...

beijos Maria
Muitos.

Ana said...

Quantas vezes os silêncios têm a sua razão de ser e nós não o sabemos...

Beijinho