Wednesday, November 07, 2007

Porque Brecht é preciso...

AOS QUE VIRÃO DEPOIS DE NÓS

Eu vivo em tempos sombrios.
Uma linguagem sem malícia é sinal de estupidez,
uma testa sem rugas é sinal de indiferença.
Aquele que ainda ri é porque ainda não
recebeu a terrível notícia.

Que tempos são esses, quando
falar sobre flores é quase um crime.
Pois significa silenciar sobre tanta injustiça?
Aquele que cruza tranquilamente a rua
já está então inacessível aos amigos
que se encontram necessitados?

É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver.
Mas acreditem: é por acaso. Nado do que eu faço
me dá o direito de comer quando eu tenho fome.
Por acaso estou sendo poupado.
(Se a minha sorte me deixa estou perdido!)

Dizem-me: come e bebe!
Fica feliz por teres o que tens!
Mas como é que posso comer e beber,
se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome?
se o copo de água que eu bebo, faz falta a quem tem sede?
Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo.

Eu queria ser um sábio.

Nos livros antigos está escrito o que é a sabedoria:
Manter-se afastado dos problemas do mundo
e sem medo passar o tempo que se tem para viver na terra;
seguir seu caminho sem violência,
pagar o mal com o bem,
não satisfazer os desejos, mas esquecê-los.
Sabedoria é isso!
Mas eu não consigo agir assim.
É verdade, eu vivo em tempos sombrios!

Eu vim para a cidade no tempo da desordem,
quando a fome reinava.
Eu vim para o convívio dos homens no tempo da revolta
e me revoltei ao lado deles.
Assim se passou o tempo que me foi dado viver sobre a terra.
Eu comi o meu pão no meio das batalhas,
deitei-me entre os assassinos para dormir,
fiz amor sem muita atenção
e não tive paciência com a natureza.
Assim se passou o tempo que me foi dado viver sobre a terra.

Vocês, que vão emergir das ondas em que nós perecemos, pensem,
quando falarem das nossas fraquezas,
nos tempos sombrios de que vocês tiveram a sorte de escapar.

Nós existíamos através da luta de classes,
mudando mais seguidamente de países que de sapatos, desesperados!
quando só havia injustiça e não havia revolta.

Nós sabemos:
o ódio contra a baixeza também endurece os rostos!
A cólera contra a injustiça faz a voz ficar rouca!
Infelizmente, nós,
que queríamos preparar o caminho para a amizade,
não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos.
Mas vocês, quando chegar o tempo
em que o homem seja amigo do homem,
pensem em nós
com um pouco de compreensão.

(Bertolt Brecht)

40 comments:

Maria said...

Depois de ver o prós e contras, depois de ver o debate na AR, e mentalmente preparada para continuar a ver a AR amanhã (daqui a bocado), acho que preciso de reler Brecht...

Um dia bom para todos.
Beijos

Sophiamar said...

Brecht sempre actual. Vistas largas!
Por estes caminhos para onde vamos?
Beijinhosssss

Vera said...

Provavelmente com mais de 100 anos... mas parece que foi escrito agora!
Quantos de nós, hoje em dia, nem sequer ganham o suficiente para viver, e quantos de nós somos roubados descaradamente pelos "patrões"?
E a revolta cresce... e tanto mais te diria Maria!

Um beijo grande

Cusco said...

Muitos de nós estão dentro deste texto…
Abraço!

AJO said...

Confesso não conheço... mas amei conhecer estas palavras de Bertolt Brecht. Tão actuais... tão fortes... estou sem palavras...
Tenho que voltar para voltar a ler...
Bjs e boa semana

Berta Helena said...

Brecht. Dá muito que pensar e é realmente preciso. Lê-lo agora deixou-me uma inquietação, um desconforto pelos dias actuais e pelo futuro.

Um beijo.

Turmentus (M.T) said...

Existem momentos de escrita que preduram por todo o sempre

Menina do Rio said...

É uma realidade contraditória!

"Nós sabemos:
o ódio contra a baixeza também endurece os rostos!
A cólera contra a injustiça faz a voz ficar rouca!
Infelizmente, nós,
que queríamos preparar o caminho para a amizade,
não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos.
Mas vocês, quando chegar o tempo
em que o homem seja amigo do homem,
pensem em nós
com um pouco de compreensão".

beijos

Rui Caetano said...

Infelizmente, o mundo tem destes paradoxos. As baixezas, as injustiças e os ódios, mas também espaços de felicidade e de ternura.

C Valente said...

Amiga eu tambem não tenho horas, de ir para o emprego, mas vou observado como fiz ao longo dos anos e não penso só em mim.
As minhas horas são quando tenho consultas médicas como hoje que tive de estar no hospital ás 9.00h para ser atendido ás 10.30h para uma consulta de rotina, mas tento ocupar o tempo com outras actividades
Saudações amigas com um beijo

TINTA PERMANENTE said...

É verdade, é: é preciso!
Desesperadamente preciso.

abraço.

O Profeta said...

Alva pena transporta as mágoas
Rasga as águas e desalinho
Grito de gaivota, dança de amor
Penas choradas em tom baixinho


Boa semana


Mágico beijo

PostScriptum said...

escolheste um génio.
Beijo

Papoila said...

Nada mais apropriado Maria…nestes tempos de insegurança que se voltaram a viver.

Beijinho
BF

amigona avó e a neta princesa said...

Tão bem escolhido Maria!Tão actual! Beijo amiga...

Leticia Gabian said...

Sempre, amiga.... Sempre!!!!!

Beijo grande

maria said...

"A cólera contra a injustiça faz a voz ficar rouca!"
Dizes bem: quantos de nós andamos todos os dias com a voz rouca e quando queremos gritar bem alto ao mundo todo, vem sempre "alguém" que nos tapa a boca. E assim vivemos descontentes com os outros e connosco próprias.
Não tive ainda a oportunidade de conhecer a obra de Brecht mas há uns anos ainda no Teatro Aberto antigo assisti a uma peça encenada por João Lourenço baseada na vida dele e adorei.

De maria para maria. Coincidência! Iniciei-me à pouco na blogosfera e descobri-te. Gostei, tens um grande blog.
Bjs

rosa dourada/ondina azul said...

Poesia sempre actual e oportuna !


Beijo p ti,

justine said...

Quando irá chegar o tempo do homem amigo do homem?
Quando é que os homens vão crescer?
Quando é que o Brecht vai ficar desactualizado?

Manuela Fonseca said...

Brecht!
Grande mestre!

Boa escolha, Maria!

Beijinhos*
Manuela

Maçã com Canela said...

Amei ler..
Não percebo mas ha muita gente que ainda não se apercebeu do rumo que a nossa vida está a tomar...

Estejamos atentos...

Belo apelo Maria!

Aromas pra todos!

Bia said...

Maria... tenho a sensação que esse tempo está perto... e já foi há tanto tempo...
Acima de Tudo é bom que se diga, que seria dos "pobres" se não fossem os outros "pobres"...
Quem tem, sempre teve, não sabe dar o valor, salvo raras excepções é claro....
As rugas, os rostos cansados prematuramente fruto de uma vida de sacrficios....
Olha não vás mais longe... ainda há bem pouco tempo, aqui ao lado de minha casa, num contentor de lixo, estava um senhor, a retirar de lá de dentro umas caixas de pizza, levou um bocado na boca e o resto debaixo do braço... fiquei tão chocada que trouxe o lixo para casa novamente... queria falar nem conseguia, depois apeteceu-me esbofetear-me, poderia ter-lhe dado comida.
Fod*** ás vezes parece que somos feitos de merda!
Desculpa estas minhas asneiritas...
Mas há assuntos que nem a escrever me controlo.
Tocaste num ponte forte, com um poema real, com um poema de vida, não da nossa felizmente, mas um poema da vida de muita gente...
depois há ainda os pobres de espírito que não conseguem ser amigos do próximo, esboçar um sorriso de simpatia, estender uma mão...
bem sobre tudo isto ficava aqui a falar contigo até sei lá...
és uma Mulher fantástica
Parabéns mesmo pelo post, de vez em quando é preciso que alguém nos abane....
Obrigada
A._TU

Maria P. said...

E porque faz todo o sentido continuar a ler Brecht.

Beijinho Maria.

C Valente said...

Passei para desejar uma boa noite
Saudações amigas

Ka said...

Há homens que são visionários e Brecht é um deles sem dúvida!

gosto imenso de uma afirmação dele que considero totalmente certeira:
"Há Homens que lutam um dia, e são bons;
Há Outros que lutam um ano, e são melhores;
Há Aqueles que lutam muitos anos, e são muito bons;
Porém há Os que lutam toda a vida
Estes são Os imprescindíveis"

Beijo e boa noite Maria

samuel said...

O "raça" do alemão baixinho... parece que estava a escrever sobre nós... sobre mim!

AnaG. said...

"Eu vivo em tempos sombrios"

Continuamos a viver...

Excelente escolha para ilustrar a desilusão, cada vez maior, naqueles que nos governam.

Beijitos

Era uma vez um Girassol said...

"Uma linguagem sem malícia é sinal de estupidez,"
Quanta verdade...
Todo o poema:
Forte, profundo, actual, um alerta!
Gostei muito!

Presentes no girassol...
Que vais escolher?
Beijinho

Meg said...

Vogamos no mesmo barco, sentimos as mesmas vagas que se aproximam. Chamemos pelas vozes que se fazem ouvir, Maria!
E claro que te ofereço o mar deste lado... é teu, toma-o!

Beijinhos

Fernanda e Poemas said...

Olá Maria, passei para desejar-te uma boa noite.
Beijinhos,
Fernandinha

Sininho said...

Nunca senti inveja ou raiva de quem tem muito mais do que eu.
Mas também nunca provei a miséria.
Amargura-me pensar em tanta vida a ser desfeita, nos dias que correm.
E entristece-me pensar no que será o futuro de tanta criança posta neste mundo desgraçado.

Um beijinho e tentemos não desesperar.
O que será difícil se ouvirmos muito os senhores da A.R.

Maria said...

Agradeço a todos a passagem por aqui, por Brecht.
Fiquei a saber hoje, oficialmente, que para o governo (pela voz do seu ministro dos assuntos parlamentares), a oposição berra, em vez de falar.
E o homenzinho, gostando de se ouvir, repetiu o verbo.
Até quando vamos permitir isto?
Até quando podemos permitir isto?

Tenham uma boa noite.
Beijos e abraços

Fátima said...

Olá Maria!!
Nao vivemos sobrevivemos.
Somos como marionetas, que "comandadas" pelo governo estamos a merce das suas ordens.
Mesmo que tenhamos a força de vontade para mudar, estamos dependentes dos que estao por cima de nós.



Um beijo com carinho.

Maria said...

fátima

Mas nós podemos mudar, se quisermos.
Afinal "eles" estão lá pelo voto, não é?
E não somos nós que lhes damos o poder? Então...

Beijos, Amiga

elvira carvalho said...

A grandeza dos grandes homens dos grandes pensadores é que estão sempre actuais, e sempre dentro do tempo, mesmo quando já morreram á mt. tempo.
Um abraço

Maria said...

elvira carvalho

É a isto que eu chamo de verdade verdadeira...
Um abraço

bettips said...

Porque me apetece dizer-te que conheço. E esta "oração" aos vindouros é comovente, de nós, os que enrouquecemos a voz e ganhamos brancas. Sempre novo este homem!
(olha que as fotos são antigas, de rolo e máquina sem grandes requisitos, refeitas agora no scanner; mas claro, eu adoro-as por tudo o que me trazem ao coração! quero lá saber da qualidade e dos efeitos...). Boa noite, fica bem!

Maria said...

bettips

Adoro Brecht... e quando me sinto impotente para combater o que vejo e ouço, e me apetece gritar, às vezes vou buscá-lo...
(sabes que eu clico nas fotos para as ampliar, e vi o ano.... mas são excelentes.)
Beijinho

Cadinho RoCo said...

Depoimento maravilhoso.
O cheiro desta ilha, mais que nunca, traz a fragrância de Maria.
http://cadinhoroco.sabrisweb.com

Maria said...

cadinho roco

Já percebi porque não te encontrei um dia destes....
mudaste de http...
Já te vou ver. Tenho saudades dos peixes....