Thursday, March 04, 2010

O teu jeito


Como dizer de um poema que fala de tanto, de quase tudo... 
Leio pedaços de ti em cada verso, como se o teu andar fosse um pouco disperso e as palavras te saíssem assim, num jeito menos sisudo...

Gosto quando contas o segredo assim, como quando não há medo, quando o amor vem sempre cedo e os amantes ausentes gritam em voz muda...

Como falar da saudade pintada com todas as cores, como o são todos os amores não importa se dormentes ou quentes, com frio ou em desvario, mas presentes, em rios ou mares, mas presentes, de vento sul ou de vento norte, talvez ausentes...

Digo-te que há amores presentes nas ausências, como os há ausentes nas presenças. E são todos muitos fortes...

Como falar do resto que é tudo o que escreves... do beijo que sabe a mel, do toque doce da pele, da vida que respira em ti... 


Tantas palavras escrevi e disse nada, pelo menos não disse tudo. Porque o teu olhar diz tanto, e é nele que eu hoje mergulho...



26 comments:

Maria P. said...

Porque palavras sei dizer poucas para as tuas que são tão belas, hoje se pudesse deixava-te um olhar meu, esses eu gosto de "dizer"...

Beijinho, minha Maria*

Maria said...

Maria P.

E dizemos tanto com o olhar, não dizemos?

Beijinho, minha Maria.

Memória de Elefante said...

Maria!
Emocionante como sempre!

Mergulhas tua alma neste olhar e tocam-se os amantes, no afago da lúcida paixão secreta dessas águas.


Um beijo

paula barros said...

"Digo-te que há amores presentes nas ausências, como os há ausentes nas presenças. E são todos muitos fortes"

Concordo com você.

Você sabe ir lendo e decifrando, tocando com cada leitura e sendo tocada.

beijo

salvoconduto said...

Por vezes ausentes, por vezes sem jeito.

Abreijos.

bettips said...

Essas palavras seguidas que poema são. Como ondas de mar
sempre e sempre batendo amores na areia. Selvagem ou doce, o vinho, o pão, o queijo, a ausência.
Bj

BlueShell said...

Magnífica esta prosa poética, tão plena de sentidos e sentires. A voz muda do amor é a mais audível,a mais forte...e os olhares dos amantes não precisam de léxico para comungar de todo um universo de sensações.
Lindo.
grata pela tua visita. tem um bom dia.
BShell

João Videira Santos said...

Gosto deste texto onde os aromas são poéticos.

(muito obrigado pela visita e pelo comentário)

Um grande abraço

Meg said...

Maria,

Quisera eu escrever como tu... ser capaz de verbalizar sentimentos tão simples mas, ao mesmo tempo tão profundos.
Lindo, Maria, esse teu sentir.

Beijinhos

(ando em mudanças, daí a minha ausência, Maria!)

Memória de Elefante said...

Maria!
Agradeço a tua carinhosa visita e palavras...

Pudera eu "escrever com a fluência das ondas do mar".

Obrigada !

Um beijo

De Amor e de Terra said...

Minha querida menina, boa tarde.
Gostei MUITO, deste teu mergulho em olhos outros, onde navegas.
Parabéns!
Gostaria que me dissesses quando estarás no Porto; quem sabe nos poderemos encontrar e conhecer pessoalmente.
Não consegui aumentar o cartaz, por isso não consegui saber a data.
Beijos imensos
Maria Mamede

Justine said...

Mergulhei no teu texto tão ao teu jeito, num ritmo marítimo do mar que amas e da vida que agarras com ganas. E fiquei encantada!
Beijo amigo, amiga:)))

Akhen said...

Maria

Como se pode escrever para ser lido e só no fim nos lembrarmos que quase não respiramos?
Como se pode dizer tanto com musica, que ouvimos só dentro de nós?
Como não é necessário cortar frases para se fazer poesia?
É isso que está aqui!

Paz e Luz no teu caminho

Cris Caetano said...

Gostei muito, Maria.

"Digo-te que há amores presentes nas ausências, como os há ausentes nas presenças. E são todos muitos fortes...
" Perfeito!

Queria ter um olhar onde mergulhar, hoje nado no seco. :)

Beijinhos e um bom fim de semana.

mdsol said...

Palavras cheias, as tuas.
:)))

Baila sem peso said...

Mergulha bem fundo no olhar
que faz beleza desse sentir, anunciar
mergulha e saboreia o teu amor
com toda a força que corre na tua cor!

Bom fim-de-semana
beijinho

Rosa dos Ventos said...

E também mergulhas os teus olhos no mar azul da Nazaré...

Abraço

Apenas eu said...

talvez seja um mergulho inesquecivel.
Maria o que é a ausência? e a presença?
como se chama alguém que apesar de longe está dentro de nós e como se chama alguém que está ao nosso lado e não ouve?

sinto-me verdadeiramente perdida. Posso mergulhar contigo?

beijo meu sempre. para sempre.

serei sempre a mesma. independentemente de tudo o resto.

A.S. said...

Maria...

Quando o olhar fala, para quê as palavras?!
O olhar além de falar mais depressa é mais eloquente!!!


Beijos!
AL

Duarte said...

Mergulhar assim é plenitude.
Este tipo de prosa tão poética deixa-me prendado... que bonito!
Os sentires que aqui expressas bem podem construir um belo poema... que estrofe!

Beijinhos

Filoxera said...

Tens um estilo de escrita que aprecio. É uma escrita muito tua.
É poesia azul. Do mar e da tristeza da saudade.
São poemas doces. Do amor e dos olhares.
Mergulha onde quiseres, no mar ou nos olhares, mas continua a escrever assim para te lermos, sim?
Beijos.

Joao P. said...

Não sei Maria.

Não sei...

Se o soubesse...

beijo

João

Manuela Freitas said...

Maria,
Já tinha estado aqui a ler o teu texto, mas fiquei sem palavras!...Escreves de um forma tão profunda e sentimental!...Fico mesmo sem palavras!...
Beijinhos com ternura,
Manuela

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos.

Fernando Samuel said...

Tudo, nunca se diz... mas disseste muito.

Um beijo grande.

anamar said...

Maria, Maria, esse teu peito sempre enamorado...

Bom fim de semana...
Abracinho
:))