Tuesday, March 16, 2010

Trazido do Cravo de Abril

ROTEIRO


Parar. Parar não paro.
Esquecer. Esquecer não esqueço.
Se carácter custa caro
pago o preço.

Pago embora seja raro.
Mas homem não tem avesso
e o peso da pedra eu comparo
à força do arremesso.

Um rio, só se for claro.
Correr, sim, mas sem tropeço.
Mas se tropeçar não paro
- não paro nem mereço.

E que ninguém me dê amparo
nem me pergunte se padeço.
Não sou nem serei avaro
- se carácter custa caro
pago o preço.


Sidónio Muralha

(«Que Saudades do Mar» - 1971)

26 comments:

Manuela Freitas said...

Excelente poema do Sidónio, tenho um livro dele, mas não me lembrava deste poema!...
Beijocas,
Manuela

bettips said...

Não conhecia.
Acho que se paga um preço demasiado alto pela integridade de carácter: devia ser homenagem!
Bjinho

salvoconduto said...

Há coisas que não têm preço.

Abreijos.

José Sousa said...

Olá... vivi muitos anos em Angola
Cosulte o meu blog: www.queriaserselvagem.blogspot.com
Um Abraço

Ava Santos said...

Confesso a minha ignorância sobre o autor deste poema. Mas adorei a força das suas palavras.

O carácter não devia ter preço, mas infelizmente hoje em dia, parece não ter valor nenhum.

Um beijo, Ava.

duarte said...

a força de caracter podia ficar cara. houve quem pagasse com a vida. a esses e aos outros, que se têm mantido inquebrantáveis, as minhas homenagens.

mjf said...

Olá!

Não conhecia...mas adorei :=)))

Beijocas

Duarte said...

Ante tudo a dignidade, ainda que seja caro o preço a pagar.

Gosto da rima!

Abrazos

zmsantos said...

Qualquer preço pago, pela imbecilidade, é demasiado.

Beijos.

margusta said...

Sei o preço de ter carácter. E por ele paguei caro!!!
Custou-me um emprego de anos...a mágoa ainda a tenho, mas não me arrependo!

Muito bonito o poema de Sidónio Muralha.


Querida Maria um beijo enorme de carinho em ti!!!

Margusta

ausenda said...

Um valor inestimável...o meu não está à venda!!!!!!

Poema...verdade!!!!!

Beijo

Licínia Quitério said...

É bom saber que ainda há gente disposta a pagar o preço, nesta feira de enganos em que vivemos.

Beijinho, Maria.

Luis F said...

Nas asas do vento, trouxe-te um poema:

"As palavras
São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas...."
Eugénio de Andrade

Adorei visitar-te e de reencontrar este teu belo espaço.

Parabéns amiga
Bj
Luis

Luis F said...

Nas asas do vento, trouxe-te um poema:

"As palavras
São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas...."
Eugénio de Andrade

Adorei visitar-te e de reencontrar este teu belo espaço.

Parabéns amiga
Bj
Luis

clic said...

E não é que ABRIL já está, de novo, à porta!!!

:)

Fernando Samuel said...

E assim vamos fazendo chegar a mais gente a poesia de Sidónio Muralha...

Um beijo grande.

Apenas eu said...

penso tal e qual.
também pago o preço.

beijos Maria

Agulheta said...

Maria. E Abril é logo ali,daqui a dias!Gosto dos poemas do Sidónio,este não poderia faltar.Se deveria ler muito acerca deste mês,que foi tão importante e anda adormecido por alguns.
Beijinho
Lisa

Alien8 said...

Há muito tempo que não lia nada do Sidónio Muralha. Foi um dos primeiros poetas antifascistas militantes cuja obra conheci. Cheguei a copiar à mão poemas que "não podiam ser lidos". Dele e de outros. Foi bom recordá-lo aqui e agora (expressão que nunca poderá ser, para mim, um chavão). Lembrar a poesia, mas também a integridade e a coerência daqueles que pagaram o preço. E, com Ferrat, que também não esqueci, lembrar os que "voaram". Os que se encontram nas estrelas que o rapaz investigado por Molero aprendeu a ver.

Não costumo alargar-me nos comentários, mas este blog justifica-o. Vai direitinho para a minha lista de favoritos.

Cris Caetano said...

Também pago o preço, e com gosto.

Beijinhos, Maria.

Joao P. said...

Maria:

Obrigado pela partilha

Beijo

João

mdsol said...

Ainda não conhecia
Estava aqui sem saber
Agora, pela Maria
Já fiquei a conhecer!

:)))

C Valente said...

Passei e deixo as saudações amigas

Filoxera said...

O preço é elevado, mas quem quer paga.
Eu quero.
Beijos.

Memória de Elefante said...

"Pago embora seja raro.
"Mas homem não tem avesso
e o peso da pedra eu comparo
à força do arremesso."

Ah! Como entendo Sidonio Muralha...


Um beijo

PS:Consegui conciliar meu tempo e estou retornando agora.

Maria said...

Muito obrigada por terem passado por aqui.

Beijos a todos.