Monday, September 12, 2011

Sobre o Medo



Vale a pena ouvir até ao fim.

49 comments:

João P. said...

Maria:

Hoje já não dá! fica para amanhã.

Beijo

João P.

Mar Arável said...

Excelente

mfc said...

Uma abordagem inteligente!

Fernando Samuel said...

Infelizmente estou sem som...

Um beijo grande.

Justine said...

Grande texto, Mia! A lucidez calma de quem percebe o que está a acontecer no mundo...

Nilson Barcelli said...

O medo... o mestre que o fez desaprender... Marx não deixou descendência... todos sabemos que o caminho verdadeiro tem de ser outro... a fome, arma de destruição massiva... etc... etc...
Um olhar lúcido e global sobre a situação mundial actual. Brilhante.
Não conhecia. Como é que uma declaração/texto destes não teve a publicidade que merecia? Pois, a resposta está no poróprio texto.
Querida amiga, obrigado pela partilha desta vídeo.
Boa semana, beijos.

trepadeira said...

Só agora consegui ouvir.
Magnífico.

Um abraço,
mário

elvira carvalho said...

Não tenho engenho nem arte para comentar este vídeo. Assim deixo apenas uma palavra. Excelente.
Um abraço e uma boa semana

... said...

sem dúvida uma abordagem ao "MEDO" aqui sem máscara, e esta realidade do medo, da medo. Passou de abstracto a algo bem definido...
fantástico Maria. Só tu...
um beijo sempre Teu.

Cris Caetano said...

Ah, que eu penso muito parecido com ele, porque se eu disser que é igual ficará parecendo plágio. O mundo está ruim há muito tempo, mas aos que já enxergaram como ele é, cabe fazer A diferença, nem ela seja apenas individual. Se não dá pra "lutar" pelo mundo, que "lutemos, no mínimo, pela "nossa rua."

Beijos e abracinhos, amiga!

Paula Barros said...

São tantos medos que temos, e tantos nos paralisam, ou nos fazem guerrear.

Valeu mesmo a pena ouvir até o final e refletir o mundo que vivemos.

beijo

Memória de Elefante said...

Excelente!
Que o Medo acabe!

Mia Couto sábio artesão das palavras.

Obrigada!

Um beijo

Rosa dos Ventos said...

Lúcido, certeiro, arrepiante!
Emocionei-me!

Abraço

De Amor e de Terra said...

Tal como já foi dito antes, EXCELENTE!
Obrigada minha querida Maria por partilhares.
Bjs.
M.M.

A.S. said...

Querida Maria,

Um video que todos deviamos ver e sobretudo ouvir!...

Obrigado pela partilha.

Beijos!
AL

bettips said...

Lúcido, serena a lucidez de chamar guerra a este medo que em todos caiu.
E que justifica o capital investido em armamento, em segurança, em coacção das liberdades. Quando e principalmente, se morre de fome ou de falta de tanta coisa.
Gosto quando um nome grande - e nosso - TOMA posição desassombrada.
Obrigada por o chamares aqui, a nós.
Bjs

anamar said...

Estou sem som...
quando tiver, ver se me lembro de passar..
Abraço

Rogério Pereira said...

Maria
levo o Mia
e a legenda

(editarei amanhã)

Luis Neves said...

Mia Couto! Que Grande texto , no sitio certo , Num encontro sobre Segurança.
E Apontar o dedo a quem vive num tipo de sociedade securitária , que cria a sensação de insegurança e provoca o medo de tudo.
Aqui vai um poema do Alexandre O'Nell que gosto , e que fala sobre o Medo,
Poema pouco original do medo
http://silencio.weblog.com.pt/arquivo/023158.html

Rogério Pereira said...

Como avisei
Editei

(citando a fonte)

BRANCAMAR said...

Maria,

Excelente! Mia é sempre extraordináriamente lúcido e como alguém diz aqui, é quase crime que este texto não tenha vindo mais à luz do dia. Onde estavam os jornais e as televisões? Atrás dos discursos gastos dos políticos?

Eu já nem vejo televisão, é mais uma das poluições colectivas para adormecimento das consciências.

Beijos para ti
Branca

Justine said...

Já mo tinham mandado: é um texto lúcido e corajoso, e muito bem lido! Grande Mia!

Mar de Bem said...

Epah, "há quem tenha medo que o medo acabe"!!! Essa é de Mestre, pois é!

Os senhores do mundo só o são porque tem o povo na mão, o povo que tem medo do dia de amanhã.

... e eu tenho medo de voltar a soçobrar no campo afectivo. Não sei se este motivo será assim tão fútil, quanto parece. P'ra mim, não é.

MJF said...

Extraordinária lucidez. A lógica da razão é esta.
Obrigado Mia Couto. Foi um momento maravilhoso de solidarieda e saber.
Maria João Franco

antonio ganhão said...

Excelente!

monteiro said...

Mario caro amigo. Dizia alguem, não tenho pelavras para comentar o Mia. Simplesmente EXCELENTE. E olha que o medo vem imperando por estes lados. Julio

joaquimdocarmo said...

Pelo medo... contra o medo... é urgente perder o medo de fazer perguntas...! o medo como "arma massiva" contra a falta de medo!...
Brilhante, Mia Couto!
Eu sempre admirei Mia Couto, continuo a apreciar mais lê-lo que ouvi-lo... este "texto" merece ser relido, com medos, contra o medo ou, talvez, a sua falta!
Quicas

cid simoes said...

"Carl Marx, o ateu barbudo, é um simpático avô que não deixou descendente" E a sua obra não tem paternidade?

Nêta said...

Tocante e, principalmente cai como uma luva sobre cada um que viveu e vive essa relacao de mundo e sociedade. Brilhante!!!! Antonieta

Augusto Pinho said...

Que lucidez espantosa !

patelas said...

Sublime! Como sempre, Mia Couto.

Nanda Botelho said...

Muito bom!!!!

Acho que o que ele fala é visível, tenho ficado cada vez com mais medo, tento assistir menos noticiários para não contaminar muito minha mente, mas as notícias (anjos do medo) vêm de todos os lados.

Seres humanos com medo são perigosos.

Bjs!

Cigano said...

Que texto magnífico!

Que explanação magistral!

O que mais condói no fundo da alma é saber que, apesar de um gênio como Mia Couto produzir um dos melhores discursos sobre a iniquidade humana atual, isto só sensibilizará a nós, meros mortais, pois os Senhores do mundo continuarão com suas carnificinas, incólumes e surdos aos apelos.

Temos gênios, sim, capazes de traduzir em palavras o absurdo que vivemos atualmente, infelizmente, o que nos falta são heróis que desfraldarão as bandeiras em nome do homem, pois nossa apatia, covardia e ganância só podem levar a um lugar: Extermínio!

Guardemos este vídeo e o assistamos daqui a dez, quinze anos... Será que já será ultrapassado?

Parabéns pelo ótimo e útil post!

Muita luz à todos!

Beth Muniz said...

Vi e ouvi até o fim.
Valeu a pena!
Que serenidade do Mia ao falar de coisas tão sérias e verdadeiras.
Não o conhecia e te agradeço por me apresentar.
A Fome, será o mal dos próximos séculos, se nada for feito.
E com ela ela vem as guerras, os genocídios e os comércios de armas, na busca inssessante pela dominação e lucro fácil.
Pena que aqueles que teem fartura em suas mesas não consigam compreender o que está acontecendo neste continente mãe.
Neste ponto, me orgulho muito de ser brasileira.
Gostei muito do que vi, li e ouvi.
Cuba Libre!
Grande beijo.
Bom domingo.
Vou compartilhar.
Fui!

maria pina said...

Extraordinário. A lógica da razão .
Obrigado Mia Couto. Foi um momento maravilhoso de solidariedade .
helena pina

Pedra do Sertão said...

Sem palavras...Mia Couto conseguiu dizer - em tão pouco - o que atravessa o tempo e nos persegue desde sempre:o medo!

Sérgio Poupado said...

Sem palavras!
Eu queria ser governado por pessoas assim...

Lucinda said...

Este e realmente um homem brilhante!
Pena que os senhores do poder não cheguem aos calcanhares de HOMENS assim!

Poesia Portuguesa said...

"Há quem tenha medo que o medo acabe"

... e a guerra sob todos os aspectos, continua!

já tinha lido o texto num outro local, mas adorei ouvi-lo pela boca do Mia.

Grata pela partilha.

LN said...

Obrigada.

Valeu mesmo a pena.

Celestino Ferreira Gonçalves said...

A outra face de Mia Couto: o humanista irrepreensível!
Que grande lição para os senhores do mundo!
Parabéns Mia!

Sissym said...

Fantastico o video! Que texto magnifico e atual.
O medo foi o mestre que o fez desaprender. Que nos fez desaprender.
Ha neste mundo mais medo de coisas más, do que coisas más propriamente ditas!
Vivemos um caos, criados por nós mesmos. Somos nossos proprios inimigos, porque quando um parente mata o seu, quando alguem alem de roubar, ainda mata um inocente,
quando inocentes morrem de fome pelo fracasso de uma nação, o erro não é de um fantasma,
mas de um povo que vive numa inercia.

A critica quanto aos armamentos x a crise economica é totalmente verdadeira.

Bjs

Centrone said...

tomara q ese texto lindo nao seja so palavras d un intelectual q fala bonito e ganha a grana da pessoa q passa fome...ja to d saco cheio d hipocrisia....todo mundo aplaudindo e nada mais...pra saber se eu tenho razao ou nao faça a pesquisa da justiça...-veja a renda percapita do seu pais e veja se voce e sua familia rouba ou é roubado

Concha Rousia said...

Magnífica a reflexão dum dos grandes escritores da nossa língua. Parabéns, Mia Couto! por não mostrar medo ao Medo, por ter tido coragem para aprender do medo, e por nos mostrar a todas e todos onde o medo habita agora.

Abraço irmão desde a Galiza...

Concha Rousia

Eu, que sou um malandro dum comunista said...

Belo apelo à libertação do ser humano.

Estrela.Dourada said...

Excelente texto para uma reflecção profunda sobre o medo e a sociedade actual.
Como seria bom que tudo fosse inverso ao que é citado:
... menos medo, mais amor, menos guerras, mais seres felizes, e sem fome.
Como seria fantástico atingir o equilibrio que o nosso mundo precisa.
Abraço
Estrela.Dourada

. said...

Noooossssa, adorei o discurso-poema do Sr. Mia Couto; excelente e importante, também, o encontro, o debate, sobre tema tão complexo e humano; tanto no vídeo, quanto em alguns comentários, vistos aí acima.

Olha, sem sair do foco em questão, faz alguns dias, li uns argumentos de uma escritora brasileira, médium, que diziam mais ou menos assim: "o que pensamos, e desejamos,isso mesmo nós atraímos para a nossa vida e existência; então, o que temos, recebemos e merecemos, é exato o que pedimos e precisamos para evoluir" ... Blz,ótimo, "filosofia arquivada", porém, o nosso mundo, é feito de, e por individualidades; e, se uma minoria está em paz, nem todos estarão; agora, se a maioria, um milhão, um bilhão vive temerosa, todo o mundo estará, política e vitalmente, temerosa; portanto, e definitivamente, desconhecer o que é a Vida em sua totalidade, e ter medo do fim de algo, seja o que for, e renegar um novo começo, uma nova ordem ou história que se inicia, mesmo que isso custe o sofrimento de parte da humanidade, isso sim, realmente seria o fim...

Concluíndo: é fato, claro e explícito, que a nossa sociedade atual, entrará, algum dia, em colapso,(se já não está)então, pergunto: onde, acaso, um recomeço para algo melhor que isso que estamos vivendo hoje, pode ser o fim?

Gente, a Vida é muito maior que a "morte"... então, por quê sentir medo? Deixemos pois, que as águas e trovões rolem nessa tempestade; E, pensando assim, quando Ele, individualmente nos chamar, nós não vamos afundar, quando tivermos de "andar sobre águas"...


Para todos, um abraço do KaXorRão!

maude said...

Mia abre a cortina do medo, revela suas naturezas, as espertezas por trás de seu crescimento e incentivo...Fala com energia, serenidade, todavia pleno de verdadeiro fundamento!Esclarecedor...aterrador também... Um encontro com mais e melhor energia para continuar...Obrigada pelo post que me foi enviado por um amigo. Agora virei fã, Maria! Abraço! Maude

Alcir Filho said...

Fiquei impressionado com a beleza e pertinência do discurso.

Perfeito.