Sunday, January 18, 2009

Lembrando Ary dos Santos

(imagem da net)

AUTO-RETRATO

Poeta, é certo, mas de cetineta
fulgurante de mais para alguns olhos
bom artesão na arte da proveta
narciso de lombardas e repolhos.

Cozido à portuguesa, mais as carnes
suculentas da auto-importância
com toicinho e talento, ambas partes
do meu caldo entornado na infância.

Nos olhos, uma folha de hortelã
que é verde, como a esperança que amanhã
amanheça de vez a desventura.

Poeta de combate disparate
palavrão de machão no escaparate
porém morrendo aos poucos de ternura.

TOMAR PARTIDO



O Zé Carlos deixou-nos há 25 anos.
E a saudade é enorme...

37 comments:

Fernando Samuel said...

Deixou-nos... ficando connosco, seus camaradas, seus amigos - lutando ao nosso lado, dando força à força da nossa luta, ajudando-nos a erguer sempre mais alto a bandeira comunista.

Um beijo grande.

Filoxera said...

Algumas pessoas ficam, de uma forma ou de outra...
Beijos.

Duarte said...

Um poeta imenso.
Elegido por muito fadistas.
Temos os seus poemas para nosso deleite.

Um grande abraço

samuel said...

Pronto... só acertei em um!...

Bela escolha!

Beijo

Goldfinger said...

Quem pode esquecer José Carlos Ary dos Santos. Ele não partiu, está entre nós! Ficará entre nós!

Há coisas e particularmente pessoas que nunca partem, saíram mais cedo só isso.

A vida dá muitas voltas amiga, perceberás um dia destes porque te digo isto.

Um bom domingo
Abraço

GOLDFINGER

Vera said...

Não nos deixou... Continua sempre presente ;)

Beijo linda

paula barros said...

Com o post e os comentários fiquei conhecendo.

Gostei muito desse trecho:

"Nos olhos, uma folha de hortelã
que é verde, como a esperança que amanhã
amanheça de vez a desventura"

É atual, vence o tempo, se enquadra em todos os momentos da vida.

abraços, bom domingo.

Maria said...

Goldfinger

Porque não consigo comentar no teu blogue, deixo aqui o comentário ao teu último post:

"Porque é que pensei em ti quando te vi no meu blog, não me perguntes...
Bastou chegar aqui e ler-te um pouco, para TE saber...
Ainda bem que estás aqui, outra vez.

Bom domingo

Beijinhos"


O problema tem a ver com o pedido de verificação de palavras, só que não aparecem palavras para eu copiar...
Nos blogues que têm ste tipo de caixa NUNCA consigo deixar comentário...

Beijinhos, Amigo

MPereira said...
This comment has been removed by the author.
marias said...

Olá Maria!

Linda a declamação do Ary dos Santos! Ouvimos e sentimo-nos arrepiados, pelas magnificas palavras, pelo vozeirão do Ary, pela intenção das palavras e porque declamador assim dificilmante se vê.

Bjs

C Valente said...

Obrigado por este belo poema e por ouvir a voz do Zé Carlos a recitar
Ainda há coisas boas na vida
Saudações amigas

escarlate.due said...

a saudade é enorme mesmo!
é sempre bom recordar o poeta, o declamador, a pessoa e o tempo

beijinhos

Ana said...

Esse auto-retrato é a marca inconfundível do seu talento de poeta.

Beijinho

zmsantos said...

Sintonizador Ary.

Beijo, amiga.

Rosa dos Ventos said...

Costuma dizer-se que os melhores são os que nos deixam mais cedo!
O Ary foi um deles.

Abraço

BlueVelvet said...

Foi único em muita coisa.
É bom lembrá-lo para que outros não o esqueçam.
Beijinhos

Alice Matos said...

"...porém morrendo aos poucos de ternura..."- Assim continuo a ver o Ary...

O poema do YouTube não conhecia e emocionou-me... pela clareza... pela decisão, característica pouco comum entre nós, infelizmente...
Talvez seja hora de juntar a nossa à voz de Ary... A situação do nosso país é insustentável...

Beijo grande, Maria...

Menina do Rio said...

Esse cozido deu-me fome...
Adorei!!

deixo-te um beijinho

mfc said...

Nunca cansa... antes estimula!

Violeta said...

é sempre bom recordar Ary. Obrigada

FERNANDA & POEMAS said...

QUERIDA MARIA, NUNCA CANSA OUVIR O GRANDE POETA QUE CONTINUA ENTRE NÓS!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

FERNANDA & POEMAS said...

QUERIDA MARIA, NUNCA CANSA OUVIR O GRANDE POETA QUE CONTINUA ENTRE NÓS!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

mariam said...

Maria,

saudades e memórias boas, essas. tuas.

muito bonito.

boa semana
abraços e um sorriso :)
mariam

Dantins said...

Um poeta do "tamanho" do Ary nunca nos deixa, as suas palavras são eternas...
Mas, fica a saudade do grande homem.

Pedro Branco said...

Sim, Maria. Que falta nos faz!

"Faz-nos sentido sermos mais de cada vez." Ou como numa canção... "Quantos é que nós somos?"

Beijo regado a tinto e vozes ao alto.

utopia das palavras said...

Eternamente nosso!!

beijos

pin gente said...

sim, a saudade é...

"por nunca acharmos pouca
a grande palavra amigo..."
deixo-te um beijo, maria
e voltarei outro dia

heretico said...

..."poeta castrado, NÃO"!!!.

BEIJO

Vekiki said...

Também está lá no vekiki...com Cavalo à Solta!!!
Maravilhoso!

folha caida said...

Ele não foi!
Ele volta, cada vez que nós quiramos.
Ele está alí, ao virar da esquina.
O nosso Ary.
Beijo na face esquerda

PreDatado said...

Olha, usie a mesma foto que tu; também encontrei na net :) Grande Ary!

Maria said...

O Zé Carlos deixou-nos, mas continua connosco. Na força das suas palavras. Nas lutas que continuamos a travar, todos os dias...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

Delfim Peixoto said...

Um Beijinho!

Leticia Gabian said...

Grande sintonia, amiga-irmã!

Beijão

Luis Eme said...

é um extraordinário auto-retrato.

beijinho Maria

Hilário said...

Ary, esteve, está, estará sempre connosco.

Poeta do Povo!
Poeta da Revolução!

Um Abraço

João Videira Santos said...

Em poucas (pouquissimas!)palavras, só para dizer que conheci (bem!) o Zé carlos, como o seu irmão Diogo.
Quanto ao Zé Carlos (que conheci muito antes do 25 de Abril), só posso dizer que foi (e continuará a ser!) um poeta com maiusculas!
Infelizmente não o recordei, no meu blog, agora que passou mais um ano sobre a sua morte.
Fico satisfeito de ver que se lembrou.