Thursday, January 15, 2009

O que é que uma pessoa sente


O que é que uma pessoa sente
frente ao quadro de Picasso
no mistério do minotauro
mãe com filho morto no braço
o que é que uma pessoa sente
se tem Guernica na frente
corpos mutilados no chão
braços erguidos ao céu
o que é que uma pessoa sente
sabendo que Guernica não mente
o cavalo em agonia
o horror de noite e dia
o que é que uma pessoa sente
quando tenho Guernica em frente
eu sozinha e tanta gente
e nada me é indiferente
o que é que uma pessoa sente?

46 comments:

salvoconduto said...

Revolta, Maria, Revolta! E é como já se disse no "cantigueiro", podia ter sido pintado hoje.

Abreijos.

samuel said...

Sente isso... exactamente!

Cris Caetano said...

O Salvo já disse e digo: o mesmo que sentimos ao ler os jornais e ver os noticiários hoje na TV.

Beijinhos

Carminda Pinho said...

O que é que uma pessoa sente, Maria? Impotência e raiva, muita raiva...

Beijos, Maria

Eduardo Aleixo said...

Eu sinto tristeza face às infindáveis Guernicas da História do Mundo. Sei que não será através das guerras e dos ódios que a Paz será construída. Só em ultíssima instância. O ódio gera o ódio. Não caio mais nessa ratoeira. Não quero cair. O mundo ptrecisa de mudança de paradigma.
Beijos.
Eduardo

Ana Camarra said...

Maria

Eu com 4 anos senti que a Guernica precisava de cor, assim o fiz, de lapis de cor de pé nas costas do sofá e pintei a reprodução enorme que os meus pais tinham na sala.
Talvez com 4 anos já sentisse que era errado aquele sofrimento, aquela tristeza.

Beijos

Joao P. said...

Se um dia eu deixar de sentir
horror, espanto, desolação, fúria, humanidade e tanta coisa mais

Façam-me o favor de me desligar o oxigénio pois já nada faço aqui!

Para vegetar, antes a minha morte

Grato pelo poema. Irei guardá-lo no meu jadim de papel secreto

Beijo

João

PreDatado said...

Tens mais uma Guernica em Gaza. O que é que uma pessoa sente?

Ana said...

Vou assinar por baixo o comentário do Eduardo Aleixo.

Beijinho

paula barros said...

Impotência, tristeza, o sentimento de não compreender, dor, angústia...sentimentos que nos desarruma.

abraços

o que me vier à real gana said...

Boa noite!

Este é mais um blog k vale a pena. Parabéns!

Isabel said...

Maria

Tão agitador e profundo este teu post.
Não pode deixar quem o lê indiferente.

Beijinho e um bom dia

A CONCORRÊNCIA said...

Quando temos Guernica na frente,
e nada nos é indiferente
é revolta o que uma pessoa sente.

Beijos Amiga

zmsantos said...

Quase nada. Anestesiados pela regularidade com que nos liquidamos uns aos outros.

Quase tudo. Porque no fundo sabemos que temos tudo para que não tivesse que ser assim.

O nome dele é Homo Sapiens, não é?


Beijos

MPereira said...
This comment has been removed by the author.
do Zambujal said...

Sente! Revolta, desespero se impotência. Consciência, revolução se luta. Raiva, se também esperança.
Beijos, Maria

Vera said...

O sentimento depende da consciência... mas revolta, sem dúvida!
Gostei muito Maria.

Beijo grande linda

utopia das palavras said...

POis sinto, sinto um nó na garganta pela impotência, mas também se solta o nó para sentir a revolta e todo o meu direito à indignação, por tantas guernicas que por aí andam à solta...impunes, enquanto o sofrimento dos inocentes aumenta a cada dia!

Um beijo, Maria

Rosa dos Ventos said...

Sente dor, raiva e as lágrimas a saltarem dos olhos quando lê um post como este...

Abraço

Joao P. said...

Maria:

Copiei para o meu blogue, com citação, claro!.

Espero que não te importes!

Beijo

João

Teresa Durães said...

Não acreditar em mais nada, penso

mié said...

Revolta e uma sensação de impotência que nos arrasa o coração.

Uma compaixão enorme por tanta gente indefesa e inocente à mercê das mãos impiedosas e assassinas.

Uma desilusão profunda.

Um beijo

amiga

borrowingme said...

a minha ia teve um pequeno acidente a semana passada, logo este quadro por mais beleza que transmita, a ideia do filho nos braços, parte-me o coração.

obrigada pela visita!
bjs

Pico minha ilha said...

Maria eu nada queria sentir mas sinto muito.Beijinho Maria

bettips said...

Medo por tudo acontecer todos os dias.
Revolta por tudo acontecer assim e sempre.
Revolta pelos revoltados. Mágoa pelos magoados. Raiva contra os prepotentes.
Bjs

Fernando Samuel said...

Muito bom!
(uma pessoa sente... o que no teu texto se pressente que sentes)


Um beijo grande.

mdsol said...

Sente-se oh se sente!

Agulheta said...

Maria! O que sente raiva e dor por tanta maldade,do sistema da propotência.
Beijinho fica bem.

Lisa

poesianopopular said...

Maria
Sentimos que ´Gaza é uma segunda Guernica.
Sentimos que uma pessoa de bem tambem pode sentir ódio, perante factos evidentes que nos deixam perplexos.
Bjos amiga

mié said...

voltei

esqueci-me de te agradecer os abraços
e o beijo especial.

:)


off topic
quando é que começa a transmissão do open da Austrália? sabes?

beijo
grannnde

Eu said...

PARABENS

Delfim Peixoto said...

Sente a Guerra Civil em Espanha, Franco, o Fascismo, a Opressão, sente revolta.

isabel mendes ferreira said...

enormemente pequena Maria!




-



beijo-te!



(obrigada)

Maçã com Canela said...

Tristeza, muita tristeza....
Já vi este quadro, sentei-me muito tempo num banco a observa-lo...

É triste...

Filoxera said...

Fizeste-me recuar 26 anos; quando estive em Madrid ainda estava em idade de perguntar ao meu pai porque é que o Guernica tinha vidro à prova de bala "Os quadros não sentem dores...".
Beijos.

Clotilde S.(canela_e_jasmim) said...

Sente que Guernica foi ontem e... é hoje ainda!

Um abraço de


PAZ!

O Sibarita said...

Realmente... Dizer o que? O ontem é hoje, é agora...

ô moça volta no Sibarita, oxente não acabei a postagem não fia! kkkk

Tem poesia! E diálogo com a pirigute da Ivete! kkkkkkk

A senhora ta muita apresadinha pode voltar, to acabando de postar! kkkkkkkkk

Bjs
O Sibarita

Duarte said...

Assim é, uma obra impressionante.

Foi um erro esse bombardeamento, que criou horror. A velha árvore lá ficou, a Legião Condor conseguiu o que pretendia e a ponte de Durango perdurou.

Excelente trabalho de divulgação, além do bom conhecimento do quadro, que agradeço compartas.

Abraços

Maria said...

Filoxera

O quadro hoje já não tem o vidro em frente, à prova de bala. Hoje está noutro local, numa zona aberta, e nas salas dos lados e em frente tem os desenhos / estudos e outro material relacionado com a guerra civil de Espanha...

Beijo

Maria said...

Duarte

Sempre que o vejo fico horas a olhá-lo... e a vê-lo...

Abraço

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

mfc said...

É humanamente impossível não nos comovermos perante Guernica.

mariam said...

Maria,

neste Verão , no "Raínha Sofia", fiquei largos minutos, sentada, encostada à parede frente a ele......(eu e mais alguns)em silêncio, num pasmo difícil de descrever... é ENORME! no tamanho em centímetros e na mensagem.

bonitas e sentidas palavras. as tuas. obrigada.

um abraço e o meu sorriso (ainda engripado .. rsrs) :)
mariam

BlueVelvet said...

Raiva, revolta, tristeza.
Mas ao ler o teu poema...nem sei dizer em palavras o que senti.
Lindo demais.
Beijinhos

LGB said...

O que tu sentes, provavelmente.

Beijinho

Licínia Quitério said...

Embora atrasada, não posso deixar de deixar aqui o meu aplauso por este poema. É tão necessário ficar em silêncio a ver Guernica, chorar e depois escrever, não é?

Um grande abraço, Maria.