Sunday, January 04, 2009

RESPONDE TU...

Tu, que partiste de Cuba,
responde tu,
onde acharás verde e verde,
azul e azul,
palma e palma sob o céu ?
Responde tu.

Tu, que tua língua esqueceste,
responde tu,
e em língua estranha mastigas
o güel e o yu,
como viver podes mudo ?
Responde tu.

Tu, que deixaste a terra,
responde tu,
onde teu pai repousa
sob uma cruz,
onde deixarás teus ossos ?
Responde tu.

Ah infeliz, responde,
responde tu,
onde acharás verde e verde,
azul e azul,
palma e palma sob o céu ?
Responde tu.


Nicolás Guillén

35 comments:

mié said...

...não respondem!

voltarão...talvez!


há razões que a razão desconhece.

Um beijo

mais

terno

Delfim Peixoto said...

Eu sei... mas é mesmo para dizer??? ;)
Bessitos Poesia

salvoconduto said...

Não respondo, hoje estou com a neura...

Há braço para ti e para Cuba.

mdsol said...

Mas que bem que cheira por aqui! Boa surpresa lá, muito boa surpresa aqui!
Já agora... pode-se saber qual a ilha que cheira tão bem?
:))

Eduardo Aleixo said...

Por acaso é verdade: qual é o cheiro da ilha? Claro que só cheirando. Mas qual a ilha?
Beijo.
EA

Vera said...

Quando se deixam as raízes... perde-se tudo!

Beijo Maria

Leticia Gabian said...

A estes, não cabe tal pergunta.
Deixo-te aqui dois poemas (os quais já deves conhecer, de certeza), um escrito por Che e o outro escrito por Guillén, para Che.

Beijo enorme, amiga-irmã




Canto a Fidel

Vamos, ardoso profeta da alvorada,
por caminhos longínquos e desconhecidos,
liberar o grande caimão verde* que você tanto ama...
Quando soar o primeiro tiro
e na virginal surpresa toda selva despertar,
lá, ao seu lado, seremos combatentes
você nos terá.
Quando sua voz proclamar para os quatro ventos
reforma agrária, justiça, pão e liberdade,
lá, ao seu lado, com sotaque idêntico,
você nos terá.
E quando o final da batalha
para a operação de limpeza contra o tirano chegar,
lá, ao seu lado, prontos para a última batalha,
você nos terá...
E se o nosso caminho for bloqueado pelo ferro,
pedimos uma mortalha de lágrimas cubanas
para cobrir nossos ossos guerrilheiros
no trânsito para a história da América.
Nada mais.

* Caimão verde era o nome alegórico atribuído à ilha de Cuba.

(Ernesto "Che" Guevara - poema escrito pouco tempo antes de embarcarem no iate Granma rumo à Cuba)



Poema de Nicolás Guillén
Para
Che Guevara

Como se a mão pura de San Martín
Tivesse se estendido para seu irmão, Martí,
E o Prata, de margens verdejantes, corresse pelo mar
Para se juntar à embocadura cheia de amor do Cauto.

Assim Guevara, gaúcho de voz forte, agiu para dedicar
Seu sangue guerrilheiro a Fidel,
E sua mão larga teve mais espírito de camaradagem
Quando nossa noite era mais negro, mais escura.

A morte recuou. De suas sombras impuras,
Do punhal, do veneno e das feras,
Só restam lembranças selvagens.

Fundida dos dois, uma única alma brilha,
Como se a mão pura de San Martín
Tivesse se estendido para seu irmão, Martí.

Maria said...

Leticia Gabian

Na noite de hoje, tão triste na Palestina, deixaste aqui poemas tão bonitos... de luta, de liberdade e de amor pelos homens...
Obrigada, querida.

Beijo enorme

Maria said...

mdsol

eduardo aleixo

Cada ilha terá o seu cheiro próprio.
A última ilha de que falei - a primeira que deu origem a este nome - foi Cuba. Tem um cheiro e um som próprios, distintos, e únicos.
Uma outra ilha de que falo aqui é a Berlenga, que tem também um cheiro muito especial. Só indo lá e conhecendo...
Anda por aqui ainda a ilha do Baleal e outras, mais secretas, mais interiores...

GR said...

Lindo poema a Cuba,
Tem a cor da Liberdade.
O verde da esperança e o azul do sonho.

Maria,
Permite-me dar (aqui) um abraço solidário ao Povo Palestiniano.

GR

mfc said...

A resposta está na marca que vamos deixar.

BlueVelvet said...

Entre o poema que deixaste e os da Leticia, mon coeur balance.
Como também amo Cuba não sei responder à pergunta.
Eles saberão as suas razões.
Mas hoje, tal como tu, estou mais triste e angustiada do que ontem.
Cada dia as notícias que vêem da Palestina são piores. Que raio, será que eles, exactamente eles, querem exterminar um povo? Aquela coisa da memória estará a funcionar ao contrário?
Raio de mundo.
Beijinhos

Justine said...

Grande poema "má consciência" de Guillén!
(Estás a preparar uma ida até à ilha solidária???)

Ana said...

Beijinho, Maria.

Fernando Samuel said...

Este amor à Pátria que os cubanos sentem como nenhum outro povo sente...
E dito pelo Guillén, então...


Um beijo grande.

Apenas eu said...

verde e azul e palma sob o céu...
é de tanto valor, que nem sequer consigo imaginar o que se sente...
nunca lá estive, com muita pena, mas adorava conhecer todos os cheiros e todas as cores, sentir cada pedacinho e deixar-me encantar nesse arco-iris.

beijos Maria
dqtgmset

Fernando Rodrigues said...

Bonito poema
parabéns

Placi said...

"Respondi", Maria

Obrigada pela inspiração!

abraço
Placi

Luís Galego said...

eu respondo, SENSIBILIZADO.

Um beijo...

Ana Camarra said...

Maria

Já o tinha dito ao Fernando Samuel este Nicolas é um dos poetas da minha vida!

Beijo muito grande

Maria P. said...

O Cheiro da Ilha, sempre...

Beijinho, Maria*

PoesiaMGD said...

Um óptimo poema!
Bom ano!

Rosa dos Ventos said...

Não o conhecia e gostei muito do poema!
Será possível responder?

Abraço

rascunhos said...

Um 2009 com muita saude,paz e amor .Beijo

elvira carvalho said...

Nicolás Guillén, um dos poetas da revolução cubana. Um dos muitos que admiro e que li sempre com agrado. É dele este excerto que aqui deixo.

Como e porquê
mataram lincoln no seu camarote mortuário
Como e porquê
os bandidos lá são depois senadores.
Como e porquê
há muitos polícias que não estão na prisão.
Como e porquê
há sempre lágrimas na pedra dos arranha-céus.
Como e porquê
Texas foi separado e levado de um só golpe.
Como e porquê
Já não são mexicanos o pomar e a vinha da Califórnia.
Como e porquê
Os fuzileiros navais mataram a infantaria de Vera Cruz.
Dessalines viu arreada a sua bandeira em todos os mastros de Haiti.
Como e porquê
o nosso grande general Sandino foi traído e assassinado.
Como e porquê
nos encheram o açucar de esterco.
Como e porquê
cegaram o seu próprio povo e lhe arrancaram a lingua.
Como e porquê
não é fácil que este nos veja e divulgue a nossa simples verdade.
Como e porquê
Vimos de muito atrás, muito atrás.
Um dia soubemos tudo isto.
A nossa memória guarda as suas lembranças.
Crescemos simplesmente.
Crescemos mas não esquecemos.

Um abraço, uma boa semana, um bom 2009

AJO said...

Que maravilha de palavras, não conhecia estas palavras... bom ano.

O Sibarita said...

Eitá! kkkk Esse blog é de guerrilheiros é fia? Vai, me diz?
kkkkkkkkkk

Né por nada não! É que sou um deles viu? Hummm...kkkkkkkkkkk

Olha o Nicolás Guillén é fora de série ao lado do Pablo Milanês.

Essa Maria não é brincadeira não! Vem prá cá você também, vem? Não me diga! aiaiaiaia... kkkkkkkkk

Tenha um ano novo cheio de conquistas e eu no meio! kkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita

«۩AhMeD 3LaM۩» said...

What is happening in Palestine, shame shame on the international community before it is a shame for the Arabs and Muslims, because the free world calls for respect for animal rights, and we wonder where the human rights in Palestine

http://img37.picoodle.com
/img/img37/3/1/4/f_massacre1mam
_c14b459.jpg

Nuno de Sousa said...

Deveremos todos responder... que tal.

Belo momento e que bonitas palavras, gostei.
Amiga que tenhas um bom ano de 2009 e que tenhamos a paz tão desejada e que tão longe ela anda infelizmente.
Bjs grandes,
Nuno

Mar Arável said...

Até amanhã camarada

De Amor e de Terra said...

Minha linda, obrigada!!!
Não conhecia este Poema, embora já tenha lido alguns do autor.


Obrigada uma vez mais!

Beijos

Maria Mamede

Filoxera said...

Há tanto tempo que não lia Nicolas Guillen!
Um beijo.

Maria said...

Obrigada por terem passado aqui.

Beijos

Agulheta said...

Maria! não conhecia o poema e agradeço pela partilha,agora o meu abraço de fraternidade e solidariedade pelo povo da Palestina,porque tudo que vem pela força e pelo medo, e pelas armas, perde a razão de qualquer povo seja ele qual for,tenho muita pena do povo que sofre a opressão e violência perante esta triste chacina.
Beijinho da Lisa

Sopro leve said...

Lembrar e não deixar cair no esquecimento...