Monday, May 24, 2010

Saudade



Vejo-te ainda e sempre diante de mim
o meu olhar pousa em azul dentro do teu
e as tuas mãos seguram as minhas, trémulas
Vejo-te ainda mesmo quando não estás diante de mim
sinto o abraço ardente que quero seja meu
e os corpos estremecem como se o passado fosse hoje
Vejo-te sempre que quero diante de mim
o teu sorriso cobre-me o corpo em flor, sem véu
e temos ainda tanto para nos descobrirmos...

28 comments:

anamar said...

Abraço Maria.
Espero que o fim de semana tenha sido bom...
:))

Joao P. said...

belo!

Simplesmente belo!

obrigado pela partilha

Beijo
João

CNS said...

" o meu olhar pousa em azul dentro do teu" . Muito, muito bonito.

Memória de Elefante said...

O Amor é reinvenção e descoberta a cada momento.
Como se nos ensinasse a canção do que seremos e nos criasse a cada gesto que nem sonhamos.

Lindo, Maria!

Um beijo

Leticia Gabian said...

A saudade nos dá este poder de vermos e revermos a quem amamos, "como se o passado fosse hoje".

Beijo imenso, AICeT

Fernando Santos (Chana) said...

Olá Maria, bela fotografia...belo texto...Espectacular....
Beijos

viajantes said...

lindo Maria, com o pulsar do mar.
beijinho.
boa semana.

Akhen said...

Maria

Não vou dizer que é lindo ou não. Isto, porque se depois do que dizes (e temos ainda tanto para nos descobrirmos) só poderei dizer que, na realidade, o amor é "Uma história interminável" que começa e acabará num ponto ignorado do universo. Nós, simples mortais, estamos apenas de passagem no amor. Ou usufruimos e sabemos usufruir do amor, ou não usufruimos. Tu tens a felicidade de usufruir dele e eu fico feliz por isso.
Aliás eu fico feliz quando vejo as outras pessoas felizes.

Paz e Luz no teu caminho

paula barros said...

Maria, acabei de escrever que saudade dói, é uma dorzinha chata no peito.

Gostei dessa forma linda de falar da saudade, e deixar a esperança pulsar.

beijo

Pedro Branco said...

Que o tempo se desfaça em pequenas gotas! Que transforme os olhos em espelhos e fontes; ventos ou ilhas; marés! Que tudo se trinque e se ame. Porque a saudade tem tudo o que és.
Que o medo se pinte em correntes e memórias! Que cante o murmúrio secreto dos homens; silêncios ou gritos; pontapés! Que tudo se configure no teu chamar. Porque a saudade tem tudo o que és.
E assim pelo toque da inquietação. Rente ao abraço do convés que da tua barcaça, minha pele, existe saudade em tudo o que és!

ausenda said...

Para além da saudade a quietude de tudo o que os olhos sentem! Bonito Maria!

Beijos

Fernando Samuel said...

É assim a saudade...

Um beijo grande.

Manuela Freitas said...

Olá Maria,
Contraria o NÂO!...
Saudade...de tudo tão presente!...A saudade vem sempre de algo que é inesquecível!
Beijinhos,
Manuela

Justine said...

O que se vê melhor são as coisas invisíveis, não é?

Nilson Barcelli said...

Quando o coração toma conta das mãos, fazem-se poemas assim.
Excelente, querida amiga. O teu poema é de uma ternura a toda a prova. Gostei imenso.
Boa semana, beijo.

joão marinheiro said...

Acho que já não sou capaz de atravessar a nado o canal até à fortaleza como fiz algumas vezes...Era menino nessa altura e o mar não me metia medo ou não sabia o que isso era...
Obrigado pela foto e pelo recordar que ela me trás.

Luis Neves said...

Muito verdadeiro este teu Poema prosa. Gostei muito. Dá um bonito poema.Parabéns Maria

Rosa dos Ventos said...

"Vejo-te sempre que quero diante de mim..."
Enquanto tivermos memória será asim...

Abraço

Sunshine said...

O amor é assim sem fim...
beijinhos com raios de sol

elvira carvalho said...

Mais um dos seus belos poemas. Fico sempre encantada com a ternura, e o velado erotismo dos seus poemas.
Um abraço

Apenas eu said...

Adorei ler-te como sempre. :)
Podias-me emprestar as tuas palavras?
Precisava Delas para as dar a alguém que me é muito importante.
Não...
eu sei o que lhe dizer...
mas os meus olhos ainda não imitem qualquer som... e assim longe fica dificil...

saudades
dtdpdndt

Agulheta said...

Maria.Foram as mãos a escrever,e o coração a sentir quanto vale a saudade,obrigada pela partilha das palavras.
Beijinho

Cris Caetano said...

A memória é um conforto para a saudade.

Beijinhos, minha amiga. :)

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos.

Laous said...

esqueci-me :/

a imagem é muito sugestiva e eloquente ;)

bj

Pitanga Doce said...

E o tempo passa e não espera. E há tanto para descobrir!

Tenho Ivan lá.

beijos Maria.

mariam said...

Tão lindo! Maria.

beijnhos :)
mariam

Filoxera said...

Vê-lo-ás no passado, em poema de saudade
As mãos entrelaçadas em momentos de intimidade
Num jogo ritmado de amor e de vontade

Vê-lo-ás no presente, na memória do caminho
Que percorreram juntos, sem saber do depois
Na ternura reiventada em noites a dois

Vê-lo-ás sempre, no teu coração
Poema revivido no deserto da solidão
Feito coro de liberdade em doce canção.

Um xi forte.