Saturday, July 17, 2010

Música para o fim-de-semana



Funeral de um lavrador

Esta cova em que estás com palmos medida
É a conta menor que tiraste em vida
É a conta menor que tiraste em vida

É de bom tamanho nem largo nem fundo
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a parte que te cabe deste latifúndio

Não é cova grande, é cova medida
É a terra que querias ver dividida
É a terra que querias ver dividida

É uma cova grande pra teu pouco defunto
Mas estarás mais ancho que estavas no mundo
estarás mais ancho que estavas no mundo

É uma cova grande pra teu defunto parco
Porém mais que no mundo te sentirás largo
Porém mais que no mundo te sentirás largo

É uma cova grande pra tua carne pouca
Mas a terra dada, não se abre a boca
É a conta menor que tiraste em vida
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a terra que querias ver dividida
Estarás mais ancho que estavas no mundo
Mas a terra dada, não se abre a boca.

(vou ali ao lado...)

16 comments:

Paula Barros said...

É um tema polêmico, pela forma que é tratado.

Volte com novidades.
abraço!

Fernando Samuel said...

Este «Vida e Morte Severina», de João Cabral de Melo Neto - que o Chico musicou e nos apresentou em Porugal em 1966 - é um dos mais belos poemas em língua portuguesa.

Um beijo grande.

Parapeito said...

vim num pulinho escutar a musica de fim de semana..sabia que ia valer a pena....
até amanhã...brisas mansas para ti Maria*****

Rosa dos Ventos said...

Obrigada por me teres recordado esta bela e triste canção...

Abraço

tulipa said...

AMIGA

Boa musica para o fim de semana. Obrigada pela partilha.

Se puderes vem refrescar-te com as minhas imagens do rio Sado, nos Momentos Perfeitos.
Vê o hospital onde estive internada

Beijos.

Justine said...

Que belo, que belo, que belo!
Obrigada, Maria, e volta bem:)))

fj said...

obrigada Maria pela partilha desta linda canção.
beijos

João P. said...

Maria:

E é bem verdade infelizmente.

cabe-te a ti e a mim mudar isto. Haveremos de deixar as coisas um pouco melhores

Beijo

João P.

Ana said...

Ainda dizem que não há coincidências ... !
Estou a ouvir Chico Buarque e sou aqui recebida por Chico Buarque !

Bom fim de semana, Maria!

A.S. said...

Querida Maria...

Nesta tarde de domingo, com o sol aceso penetrando as sombras, é refrescante ouvir o Chico Buarque, que eu adoro ouvir!

Beijos...
AL

Leticia Gabian said...

E é daqui ao lado que eu me encontro com este post.
"Morte e Vida Severina"... Morte em vida, em cada vida nordestina.
João Cabral escreve sobre o povo que inspirou a máxima: todo brasileiro é um forte.
E eu não me canso de repetir que o nordestino é que é um forte. É o brasileiro mais sábio, mais valente, sonhador e perseverante. É o que nunca se contenta com a pouca sorte.

Beijo imenso, AICeT!

sisca said...

http://www.youtube.com/watch?v=WvzTV6wfkvA&feature=related
:)


your last inspiration
dddddd

Manuela Freitas said...

Não conhecia esta música do Chico, é impressionante, bate forte cá dentro.
Quem tem amigos está sempre a conhecer e a aprender. Viva a amizade!
Volta logo.
Bjs,
Manuela

mdsol said...

O Chico, Maria. Sempre oportuno. Sempre.

:)))

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram por aqui.

Esta 'Morte e Vida Severina' andava a 'bater-me' há uns tempos, pedindo para ser publicada...

Beijos a todos.

Cris Caetano said...

Nossa, quanto tempo...

Houve uma época em que a ouvia sem parar, tem tempo isso.

Chico é espetacular!

Beijinhos, Maria