Wednesday, August 11, 2010

Memórias


As memórias enchem-me. Sufocam-me todos os dias. Para as memórias não há amanhã, só há o ontem. E eu estou cheia de ontens. Quero amanhãs. Quero respirar ar puro cacimba vento amanhã. Que chova! Quero lavar-me por dentro e que as águas levem todas as memórias. Para ser eu outra vez. Para começar tudo de novo. E repetir tudo o que fiz. E voltar a ter memórias. Que me sufocam...



21 comments:

Apenas eu said...

Ola Maria vim deixar-te um beijo de boa noite e dizer que tambem preciso que chova!Que Quero amanhãs... muitos amanhãs...

beijos muitos

Memória de Elefante said...

Maria!
Somos nossa Memória.Mudamos por dentro,mudamos por fora,a nossa aparência e o nosso eu interior se modificam.
A nossa vida muda continuamente.
(Quando contemplamos o céu noturno,estamos literalmente vendo o passado.Não vemos o céu como ele é hoje e sim como era há muitos anos e até milhões de anos,pois este é o tempo que a luz leva para percorrer a distância entre as estrelas mais distantes e a Terra.)
A realidade do tempo é que não podemos ter qualquer certeza em relação ao passado.
Não sabemos se ele realmente aconteceu do jeito que nos lembramos.
E certamente não conhecemos o futuro.

Um beijo

Ana Oliveira said...

Amanhã trará consigo a memória de hoje... no entanto recomeçar é preciso.

Um beijo

anamar said...

Beijinho Maria...
Vou fugir daqui... até um destes dias.

.))

Rosa dos Ventos said...

Isso é impossível, Maria!
Eu, apesar da dor da memória, não quero que as águas me deixem sem ela...
Sei que queres dizer outra coisa mas eu resolvi "ler" assim!

Abraço

Nilson Barcelli said...

Começa pelo hoje...
Belo texto. Gostei imenso.
Querida amiga cercada pela ilha, bom resto de semana.
Beijos.

Fernando Samuel said...

Que chova muito e já!...


Um beijo grande.

Baila sem peso said...

E que seria de nós sem memória...
que seria de nós sem história...
mas entendi perfeitamente
um amanhã é preciso urgentemente!!

Tu serás sempre tu...
sufocando em frente
no abraçar da gente!:)

Beijos

(olha ainda não estou com o pc a 100% mas já dá para os gastos...obrigada pela tua companhia
lá na minha freguesia:))

G... said...

Senta-te sobre o ontem das memórias até o sufocares. E sonha com amanhãs nesse leito de vitória...
Lindo, Maria.
Beijinho

viajantes said...

maria memória... nova maria,
maria de novo outra vez,
carregada de memória...
é bom ler-te
abraço!

Filoxera said...

Há estados de alma assim, contraditórios.
Sufocos que imploram por um final que não se deseja.
Amanhãs que não chegam porque o ontem não se lava.
E nós somos tudo. Somos ,porque se nos gravou na alma. Seremos futuro, se o merecermos. Somos presente, por isso estamos aqui, agora, a desaguar devaneios.
Beijos.

GR said...

As memórias reforçam o futuro.

Um brisa suave para te reconfortar e um Gd BJ,

GR

Luis Eme said...

sim, como te compreendo...

beijinho Maria

Cris Caetano said...

Também quero amanhãs, Maria e ter outras memórias, quem sabe se assim umas não apagam outras...?

Beijinhos

salvoconduto said...

Se a memória não me atraiçoar volto cá amanhã.

Este calor até a memória atraiçoa e depois ficamos sem ontem.

Abreijos.

Lilá(s) said...

Que venha a chuva mas, que não leve todas as memórias só as más, as boas quero que fiquem para sempre.
Beijos

Ana said...

Que seria de nós sem memórias? Mesmo aquelas que nos sufocam, tornam presente o passado!

Um beijo, Maria, com memórias boas de ti ... e saudades .

C Valente said...

Gostei desta simples prosa
saudações amigas

smvasconcelos said...

As memórias por vezes sufocam e tolhem-nos no caminho do futuro...
Um beijo.

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos.

Akhen said...

Maria

Nós somos o resultado das nossas memórias e estamos nos e com os nossos amigos porque estamos nas suas memórias, da mesma forma que eles estão nas nossas memórias.
São essas memorias passadas, que nos ensinam a entender o presente e nos tornam vivos no futuro. Até nas memorias desagradaveis aprendemos a aceitar o que queremos regeitar.
Como queres ter amanhãs, como queres sentir o cheiro da terra molhada. Como queres sentir o cheiro do ar puro, como queres sentir a chuva escorrer-te pelo corpo, lavar-te todo o teu eu interior. lavar-te a alma. Como queres começar tudo de novo, repetir tudo que agora te sufoca se não tiveres em ti memórias que possas substituir por outras que irás encontar noutros horizontes?
O que tu pedes é um novo banho de esperança.
E quem não pede isso para quem nos irá continuar?

Paz e Luz no teu caminho