Monday, August 30, 2010

Dia 152

Obrigado, excelências.
Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade
de vivermos felizes e em paz.
Obrigado
pelo exemplo que se esforçam em nos dar
de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem
dignidade.
Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar
as coisas por que lutámos e às quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias
um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,
o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente
quem temos de rejeitar.


Joaquim Pessoa

(Do livro a publicar, ANO COMUM)

16 comments:

Filoxera said...

Fabuloso!
Obrigada, Maria. Adorei!
Não podia ser mais acertado.
Rejeitar e combater, eis a solução.
Beijos.

Memória de Elefante said...

Maria:
Nao se pode esmorecer jamais!

-Quanto ao poema,agora é teu.Uma honra para mim saber que estará contigo!

Um beijo

Fernando Samuel said...

Mesmo à Joaquim Pessoa... excelente.

Um beijo grande.

Mar Arável said...

MUITO BOM

Na Festa lá estaremos

Bjs

Só Eu (Ricardo) said...

Obrigado Joaquim Pessoa. Obrigado Maria por nos trazeres este "manifesto/poema" dum homem com a espinha direita.
Beijinhos com ternura
Ricardo

smvasconcelos said...

... e para que nos demarquemos sempre e cada vez mais!
Grande poema! (um dia destes levo-o:))
beijos,

samuel said...

Li-o, não há mais que duas horas, no Facebook do autor. É muito bom!

Abreijo.

Cris Caetano said...

Gostei muito! E como eu queria que o povo do meu país abrisse os olhos...

Beijinhos, Maria.

anamar said...

Belo poema Maria~e como gosto do poeta..

Este ano, por motivos desinteressantes mas que me ocupam,, não possoir à Festa das Festas...
abracinho

A.S. said...

BRAVO!!!

DAQUI O MEU ABRAÇO AO JOAQUIM PESSOA!!!

Para ti um beijo, Maria!
AL

Vieira Calado said...

Interventivo!

Como é necessário nos dias de hoje.

Bjs

Licínia Quitério said...

Um poema urgente e interventivo como Joaquim Pessoa tão bem sabe fazer.

Manuela Freitas said...

Fantástico Maria, obrigada por me dares a conhecer este poema.
Tenho andado fugidita desculpa!
Beijinhos para ti,
Manuela

Nilson Barcelli said...

A tua escolha foi fabulosa. Aprecio as tuas escolhas. Deve ter muito a ver com a tua personalidade (só pode...).
Beijos, querida amiga cercada pela ilha.

Maria said...

Muito obrigada por terem passado aqui.
Estou ansiosa para que saia este livro do Joaquim Pessoa...

Beijos a todos.

JIM said...

Maria

Obrigado por me fazerem olhar para
mim e agradecer-me por ser como sou.

Paz e Luz no teu caminho