Monday, September 27, 2010

Não me chames, eu vou já...


Queria ter palavras para ti, mas não tenho. Não hoje.
Sentes o meu cheiro? Respiro-te por cada poro da minha pele, que tu vestiste. Eu sou duas peles, a minha e a tua. E o tempo corre e a tua pele ainda está em mim. Fica. És só meu porque te engoli, e agora dormes em mim e canto-te todas as noites canções de ninar. Até que adormeces abraçado a mim. Cá dentro.
Às vezes passeamos à beira mar e ris com as ondas que te refrescam os pés que só eu vejo. Apanhas conchas e fazes-me um colar de amor que nos une ainda mais. Como se este mais fosse possível, porque já é tudo. Viverás enquanto eu viver, porque o amor só acaba quando eu deixar de existir... e da saudade que te tenho não sei a medida...
Não me chames, eu vou já...

(eu vou ali. depois volto, logo logo)

21 comments:

Rini Luyks said...

Lindo!

Cris Caetano said...

Eu li ainda agorinha, e depois de lê-lo estive pensando e sei não... acho que vou ter de mudar de idéia, quase sufoco lendo algo tão lindo.

Beijinhos, Maria.

João P. said...

Maria:

Gostava de te comentar melhor e de estar nessa onda!

Ainda não estou de novo!

Beijo

João

Memória de Elefante said...

Maria:

E assim abrigas em teu corpo
para que se desdobre
em onda de mar ou concha.
Como se te recebesse em duas partes:
aquela que o mundo avista, e a outra,a verdadeira,
chão da tua sombra que passa, e da tua luz que se planta.

Lindo poema!

Um beijo

zmsantos said...

não sei o que te dizer.
vou apenas fechar os olhos, na esperança de ver os teus.

Beijinho.

simplesmenteeu said...

É esse sabor e cheiro de pele,esse abraço que confunde o bater de corações, esse labor das pequenas coisas que enfeitam a alma que torna cada momento eterno e cada um na nossa vida único.
O que é único é eterno e não cabe dentro de uma só vida.
Deixa que as ondas cantem para ti e que a água te refresca o coração.
Deixa que os outros te abracem com amor e sequem ou se confundam nas tuas lágrimas.

Um abraço forte, carinhoso
e eterno

Manuela Freitas said...

Olá Maria,
Que bem expressas esse amor imenso!
Beijinhos,
Manuela

Fernando Samuel said...

Muito belo.


Um beijo grande.

Ana said...

Que beleza!
Ler palavras assim deixa-nos a alma pequenina...

Enquanto vais ali, eu fico aqui a ler-te.

Beijinho, Maria.

heretico said...

chamamento da pele. irresistivel...

(mais funesto que o chamamento do sangue...)

beijos

smvasconcelos said...

Profundo e apixonado!:)
Um beijo,

OUTONO said...

...euq ueria ter assim uma carta d'amor!

Duarte said...

O que se escreve com os sentimentos tem alma.

Abraços de vida

Graça said...

Lindo, sim, Maria. Como quem grava cada palavra na pele, a fogo de saudade.

Um beijo de boa noite.

clic said...

Tão longe e tão perto...

Volta, volta a teu tempo!... :)

Apenas eu said...

Maria, tu tens o dom de me fazeres sentir e ver o que eu não vivi não presenciei... penso saber a razão dastuas palavras que cortam como facas, mas sabem a mel.

sei dessa saudade que vai existir enquanto tu existires.

um grande beijinho!

(jdapdp)

Serenidade said...

LIndo, lindo,

assim é o amor, seja lá pelo que for - não é preciso pedir, tudo está subentendido.

Serenos sorrisos

Afonso said...

boa noite, vi um comentario seu noutro blog (brancamar) sobre uma curta metragem realizada nos anos 60 e gostava de ter mais informaçoes sobre isso. importante. se poder contacte me via email: assuriano@yahoo.com
desde ja agradeço

Maria said...

Obrigada a todos que passaram por aqui.
Amanhã o dia é de LUTA!

Beijos.

A. Jorge said...

Valeu a pena ter cá vindo depois de tanto tempo. Vejo que nada mudou e a beleza impera.

Espero que ainda te lembres de mim.

O meu novo endereço de mail é: secrets@sapo.pt

Adorei ter estado aqui de novo

Um beijo

Jorge

Vanda Paz said...

Vai mas passa por aqui

SAUDADES!!!!

Beijos