Thursday, September 23, 2010

A Noite na Ilha


Dormi contigo a noite inteira junto do mar, na ilha.
Selvagem e doce eras entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.
Talvez bem tarde nossos
sonos se uniram na altura e no fundo,
em cima como ramos que um mesmo vento move,
embaixo como raízes vermelhas que se tocam.
Talvez teu sono se separou do meu e pelo mar escuro
me procurava como antes, quando nem existias,
quando sem te enxergar naveguei a teu lado
e teus olhos buscavam o que agora - pão,
vinho, amor e cólera - te dou, cheias as mãos,
porque tu és a taça que só esperava
os dons da minha vida.
Dormi junto contigo a noite inteira,
enquanto a escura terra gira com vivos e com mortos,
de repente desperto e no meio da sombra meu braço
rodeava tua cintura.
Nem a noite nem o sonho puderam separar-nos.
Dormi contigo, amor, despertei, e tua boca
saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia.

(Pablo Neruda)
(12 de Julho de 1904 - 23 de Setembro de 1973)

13 comments:

Memória de Elefante said...

Neruda sempre tão apaixonado e apaixonante!

Ótima escolha!
Um beijo

smvasconcelos said...

É lindo! Não me surpreende, em Neruda, a paixão explosiva que ele confere às palavras...É de ler e reler.
beijo,

Fernando Samuel said...

Para ler e reler, de facto...

Um beijo grande.

Manuela Freitas said...

Neruda, querida Maria, faz parte do grupo de poetas que anda comigo eu gosto especialmente de andar com poetas.

«Dormi contigo, amor, despertei, e tua boca
saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia.»
Tão belo, que até dói!
Beijinhos com ternura,
Manuela

samuel said...

As ilhas fazem cada coisa a uma pessoa!...

Abreijo.

João P. said...

Maria:

Que beleza. Escolha acertadíssima para um 23 de Setembro, início de Outono

beijo
João P.

Graça said...

Um Poeta que eu tanto gosto...


Um beijo, Maria.

Agulheta said...

Querida Maria.Como são belas as palavras de Neruda quando fala de amor,tanta sensibilidade que todas as mulheres gostam,obrigada pela partilha,não conhecia este poema.
Beijinho bfs

mdsol said...

:)))

Filoxera said...

Este poema tem a tua cara.
É sempre bom ler Neruda.
Beijos.

OUTONO said...

...em silêncio...li este sonho...e acordei no sussurro desta partilha.

Beijo.

Maria said...

E já passaram 37 anos que Neruda nos deixou.
No entanto, continua sempre presente!

Obrigada por terem passado por aqui.
Beijos a todos

Cris Caetano said...

Que vontade de postar isso no meu Nuvens... :)

Beijinhos