Thursday, September 09, 2010

A palhada

De vez em quando vêm do norte e centro e dirigem-se para uma terra mais a sul do país outras vêm do norte e do sul e dirigem-se para outra terra mais ao centro foi o que aconteceu um dia destes já passaram muitos dias é verdade mas é sempre tempo de lembrar os Amigos e o convívio que vai acontecendo quando é possível.
Dizia eu que se dirigiram para o centro lá para os lados de terras 'abençoadas por deus e bonitas por natureza' mas a beleza quem a faz são as pessoas e por isso aquela terra é bonita porque vivem lá os Amigos.
Chegámos desta vez não fomos os últimos porque quem veio no fim foram os das empadas e se as empadas não viessem era um sarilho então vou dizer que havia pãozinho verdadeiro na mesa o queijo que veio do centro interior já sabem de que queijo falo patés muito especiais mas com queijo é por onde me fico e pelas empadas.
O que é o almoço olhem vamos almoçar um prato típico aqui da região disse a dona da casa e eu a pensar que iria comer morcela de arroz e afinal era palhada o que é palhada perguntava-se pelo ar é um prato típico daqui bem sentámo-nos à mesa e as empadas foram um ver te se avias e o queijo e o pão e os patés por fim veio a palhada que acompanhava bacalhau assado e desfiado ou carne de porco do alguidar ou em vinha de alhos (quis tirar as dúvidas com a dona da casa que não me atendeu e depois com Sal mas fiquei com mais...).
Então o que é a palhada quero lá saber se é para comer por mim ficava pelas empadas mas a palhada faz-se com batata cozida esmigalhada com garfo e alface cortada em juliana amolecida nas batatas quentes ou será que é cozida sei lá mas é bom!
E a conversa corria e as gargantas secavam toma lá mais um copo qual é o vinho que queres não interessa é todo bom então prova este e no final vieram os doces dois deles tinham chegado do norte e havia arroz doce e sei lá o que mais porque depois das empadas e de provar a palhada já só quero café.
E a tarde decorreu em amena cavaqueira com umas idas a um lago grande que havia por lá pois o dia estava quente e sabia bem molhar os pés o rei da casa não apareceu mais uma vez aliás sua alteza desaparece quando há visitas que ele não conhece é o que dizem.
O fim do dia aproximava-se e cada um tinha de regressar a casa então não vão sem comer uma ameixa olhem só o cesto de ameixas que a minha vizinha trouxe sei lá se eram ameixas era fruta da terra e cheirosa eu só quero uma empada e depois vamos.
E viemos. E trouxemos empadas para congelar. Que é só deixar descongelar e dar um toque no micro-ondas e ficam como que acabadas de fazer. A propósito ainda tenho ali duas que vou descongelar e comer porque a noite de hoje vai ser longa...

21 comments:

vovó said...

:)))!! que coisa mai´linda! :)
"recordar, é viver..."

beijocasssss
vovómaria

ps: deixa o tempo ficar mais fresquinho, que já comes mais empadas :)... desta vez, mais para o sul :)...

samuel said...

Irra... que fome!!! :-)))
E que saudades... mas essas começam logo ao fim de cinco minutos depois das despedidas...

Abreijo.

Cris Caetano said...

Ai, essas empadas, que não é a primeira vez que falas nelas... nem tivemos tempo em sermos apresentadas (eu e as empadas). Na próxima, não te pouparei: quero empadas! :)

Beijinhos, Maria.

zmsantos said...

Lindo, Maria, o teu texto. Um ambiente fantástico que só o reconhece quem lá esteve.

Beijos.

Paula Barros said...

E não deixou nenhuma empada para mim? rsrs

Fiquei com água na boca. Boas e gostosas lembranças, encontro de amigos, comidinha e vinho.

Um abraço.


Chego em Lisboa dia 16.09 e retorno 06.10. Vou ficar hospedada em Évora. Deixo meu e-mail para algum contato. Seria um prazer poder conciliar algum momento para lhe conhecer.
mpaula26@hotmail.clom

Sérgio Ribeiro said...

Onde é que foi isso?, onde é que foi isso? É-me familiar... Também lá quero ir (ou voltar). Mas há um pormenor que me incomoda, é isso do "rei da casa"... Por muito bons que sejam os reis, nas casas deve reinar a República com um Presidente (bem) eleito!

Até quando voltar a ser. Breve...

Beijos

(além do mais, uma crónica muito bem escrita!)

Armando Sena said...

Chamou-me a atenção o título deste post, "A palhada". E isto, por um assunto que provavelmente diverge um pouco do tempo do post, embora também se trate de comida.
Palhada é o nome de um alimento em algumas partes de Trás-os-Montes que designa vagens de feijão secas.
Acompanha pratos de enchidos e é usada para caldos deliciosos e bem pesados, à boa maneira da cozinha transmontana.
Fica aqui um link para esse e outros termos:
http://lamadeiras.blogspot.com/2010/07/lista-de-termos-abada-regaco-cheio.html
Um abraço,
Armando Sena

Maria P. said...

Fiquei com fome!:)

Beijinho, minha Maria*

Leticia Gabian said...

Lindo, Maroca!
Estranhamente, o que mais me deu "água na boca" não foi a empada e sim o ambiente, o cenário, o convívio, isto sim!

Beijo enorme, AICeT!

smvasconcelos said...

Bolas, Maria, fiquei com fome e vontade de provar a palhada e as empadas, e ... tudo!
Suculento, o teu post:)))
Um beijo,

Memória de Elefante said...

Marai:
Lendo teu post fiquei com água na boca, só de pensar nas empadas com queijo ,adoro...humm e a palhada deve ser uma delícia e um cálice de vinho na companhia de amigos, quer coisa melhor?

Um beijo

Baila sem peso said...

Xii...palhada eu não conhecia
mas tenho a sensação de conhecer...
será pelo teu descrever?
é como essa das empadas...
ia jurar que já vi este acontecer!!
Que bonito tudo o que descreves...
com alma e coração bem leves
de quem comeu e gostou
e com saudades ficou...

que tenhas sempre em ti os amigos
(sem palhada, sem empada...
com empada, com palhada)
em toada amada, sempre de mão dada

beijos

tulipa said...

OLÁ AMIGA

Lindas palavras numa "História de Vida".
Há muito que não passava por cá e adorei.
Obrigada pela partilha.
Como já regressei ao trabalho no dia 1 de Setembro, agora o tempo reduziu imenso e é difícil andar na net.

Se quiser visitar os meus blogues, fique já a par dos temas que poderá encontrar:
Num deles faço uma homenagem merecida a um amigo da blogosfera, pelos anos de contacto que estabelecemos e já faz parte dos meus amigos reais, deixou de ser apenas virtual.
No outro blog apresento o discurso de Winston Churchill proferido há 64 anos - mas podia perfeitamente ter sido proferido no dia de hoje, tal a actualidade subjacente ao seu conteúdo. Foi em Zurique, a 19 de Setembro de 1946.

A semana está quase a terminar, votos de excelente fim de semana.
Beijos.

NOTA - também adoro empadas...

A.S. said...

Querida Maria,

Apenas estive lá no último dia! Mas valeu bem a pena!!!

BjO´ss
AL

Rosa dos Ventos said...

Lindo e saboroso o teu post, cheio de coisas boas - da Amizade, às empadas, passando pela palhada que acompanha bem tudo, peixe, carne e até coisa nenhuma! :-))

Abraço

Sopro leve said...

Hum...
Mas agora além das saudades, fiquei com fome...
Que crueldade...

Justine said...

O teu truque resultou, menina: texto muito bem escrito em jeito de conversa corrida,cheio de humor e insinuações, e aqui estou eu com vontade de repetir!!
Vamos a isso, um dia destes:)))
Beijo

Fernando Samuel said...

Não há nada melhor do que os amigos à volta da mesa - se possível, com empadas...
(amanhã, em Mora e (ou) no Couço, talvez haja empadas...)

Um beijo grande.

Maria said...

Obrigada a todos por terem passado aqui.
A quem partilhou comigo a mesa e a palhada, vamos lá acertar agendas... não importa onde é a próxima.

Bom fim de semana a todos.
Beijos.

GR said...

Bonito texto, cheio de saudades, sabores e aromas.
A “casa” tem um mistério! É serena, tem perfumes acolhedores e muita cor. Quem lá entra nunca mais deixa de pensar nela.
A “casa” tem um mistério! o tempo deixa de existir, há liberdade para conversar, cantar e sorrir. A “casa” é abrigo de Amigos
A "palhada" foi um dos melhores pratos que até hoje comi, (como por milagre, se eles existissem, alguém que nunca tinha comido cebola, ficou a gostar) Viva a Palhada!

BJ GRANDE

GR

maré said...

que agradável surpresa!


é bom regressar a casa e a uma lingua que nos abraça.

um grande beijo Maria