Friday, July 18, 2008

Cálice II

Coloquei ontem esta canção, na voz de Chico Buarque e de Milton Nascimento.
Deixo hoje a mesma canção, noutra versão, conforme era cantada no tempo da ditadura, no Brasil, e um clip muito especial.
Para que não se esqueça!!!



Chico Buarque e Gilberto Gil (censurada)



Chico e Milton (clip ditadura)

E repito: Para que não se esqueça, nem lá, nem aqui!!!!

23 comments:

Fernando Vasconcelos said...

Viram quem também aparece no vídeo ?

salvoconduto said...

Para que não se apague a memória!

Obrigado Maria.

BlueVelvet said...

Não conhecia.
Impressionante.
Fiquei de lágrimas nos olhos.
E ver ali a Bethânia e o Caetano!
Obrigada Maria e beijinhos

maresia_mar said...

Olá Maria querida,
para que ninguém esqueça nunca!

vim mesmo de fugida, só a deixar um beijo com muito carinho.
Bom fds

eu said...

Há momentos, palavras, pessoas inesqueciveis...

beijo

Lúcia said...

Maria: é este o vídeo que costumamos ver cá em casa desta música. Tenho uma pequenita intrigada e quer ver muitas vezes para ver se descobre: "Ó mamã,porque é que não o deixam cantar?"

Beijinhos

samuel said...

Era com o Gil... ai a minha memória! :)))
Mmmm mmmm cale-se! É "lindo" ou não é?
Cá também se fez algo parecido... um espectáculo em que muitas letras de cantigas "voaram com o vento" a caminho do local do concerto.

Abreijos

Teresa Durães said...

há músicas que nunca se esquecem pelo seu significado

Carla said...

adorei Maria...porque lembrar é fundamental!
bom fim de semana
beijos

Catarina said...

Ola Maria estou sem net... dei um saltinho aqui na escola :)

Tudo mais ou menos.. o cansaço leva-me a baixo!

Um grande beijo espero que estejas bem!

pin gente said...

"tanta força bruta" não se pode esquecer, para não acordar...

beijo grande. maria

Eduardo Aleixo said...

Impressionante, Maria, obrigado.
Mais eficaz é a visão destes vídeos
do que muitos discursos inflamados sobre a ditadura.
Claro que quem conheceu a ditadura não esquece.
Mas as novas gerações?
Eu não conhecia estas imagens.
Valeu a pena.

Eduardo Aleixo

O Profeta said...

O começo!
Uma viagem no Mundo presente
Será que o vento açoita as árvores
Ou são elas que cedem ao embalo docemente

Gostava que sentisses o embalo das palavras

Bom fim de semana


Mágico beijo

sol poente said...

Maria
O "Cálice", seja em que versão for, é para mim uma referência. Com ele construo e busco e clamo por um mundo mais justo e solidário.
Abraço

Agulheta said...

Maria. Um deles eu conhecia,o outro não, obrigada pela partilha,e para que prevaleça esta triste lembrança a todos nós! cá e lá.
Beijinho bfs Lisa

Leticia Gabian said...

E dá pra esquecer, amiga?


Beijo grande

Ana Patudos said...

Foi bom demais rever tanta gente boa, querida Maria.
O nosso coração quase salta pela boca, porque nós sentimos estas músicas e estas gentes.
Obrigado amiga
Ana Paula

heretico said...

há cálices mais "amargos" que outros. tens razão...

fazes bem lembrar...

beijos

Carminda Pinho said...

Maria, o relembrar desta força bruta, ainda vai doendo, e como...
Beijos

mariam said...

não conhecia! Obrigada.
dá que pensar...

um sorriso :)

Sunshine said...

Infelizmente há quem tenha memória curta.:(
Beijinhos com raios de Sol para o teu fds da alegria

Cris Caetano said...

Nossa, que achado maravilhoso! Eu ainda me lembro da primeira vez que ouvi essa música de Chico (quando ela foi liberada), e dos comentários que foram feitos na época por ela ter sido censurada durante anos. Esse fato - saber que tinha sido censurada - me marcou muito e nunca mais me esqueci.

Beijinhos

Claudia said...

Não resisto a fazer-te inveja!!!
Vi o Milton Nascimento a semana passada na casa da música! Não é preciso dizer que foi extraordinário!!!

Beijos com música