Wednesday, July 09, 2008

Vermelha é a terra


Vermelha é a terra de dor sangrando
clamando por justiça para quem a ama
Verdes são seus frutos madurados no tempo
de matar a fome de quem a beija
Cristalina a água que com ela se deita
cumprindo o ciclo da mãe natureza

32 comments:

Carminda Pinho said...

Voltaste, Maria.
Já tinha saudades dos teus poemas, e da tua companhia.:)
Beijos

al cardoso said...

Nao ha nada como cumprir o ciclo da mae natureza!

Um abraco dalgodrense.

Papoila said...

Maria

Tu �s terra sangrando
�s alma de gente
�s fruto maduro
Que j� foi semente
�s voz
Sentimento
Palavra rasgada
�s sonho
�s vida
E �s madrugada

Beijos sentidos
BF

pin gente said...

fluída e inspirada, parabéns
gosto da terra vermelha... húmida, e do seu cheiro doce.
"i had a farm in africa"
i didn'... but i remember it's smell

beijo

Carla said...

pode o vermelho ser de paixão, mas também de dor
que belas palavras!
beijos

Catarina Alves said...
This comment has been removed by the author.
Catarina Alves said...

...De onde é esta fotografia...?

Sonho ver o céu espelhar estas cores, num fim de tarde, em África... Assim como sentir o quente e o cheiro da Terra...

...

Beijito

poesianopopular said...

Maria
Tu n�o rimas,mas...acertas sempre no alvo, a tua poesia chega-nos ao tutano, e somos invadidos pela tua utopia.
Que bom comungar-mos dos mesmos ideais!
Obrigado, amiga
Bjos

DelfimPeixoto said...

A Natureza ainda é pura, apesar de violentada por nós
bj

samuel said...

Pena que tanta desta maravilha esteja nas mãos de quem não a respeita, a violenta e ainda por cima lucra com o crime... mas as ilhas de poesia, de beleza e de justiça hão-de crescer e fundir-se até formarem continentes.

rosa dourada/ondina azul said...

Nada,
como a natureza para nos mostrar o ciclo da vida :)))


Beijinho,

Mié said...

que saudades da terra vermelha...

belo poema e bela homenagem

e tu

regressada de fresco ainda com palmeiras e terra vermelha no coração.

um beijo

enorme



(por cá...vai-se indo...)

Belzebu said...

S� uma verdadeira M�e, cumpre o seu ciclo, mesmo depois dos maus-tratos que lhe infligimos!

Aquele abra�o infernal!

LB said...

Belas palavras, muito bem emolduradas por uma excelente foto!

Beijinho

Fernando Rozano said...

vermelho, cor de tantos significados, de tanta intensidade, mas sobretudo, de vida. belo poema. abraços.

Lúcia said...

Palavras desinquietas: de dor e esperança! Como (d)escreves bem, Maria...
Beijinhos

AnaMar said...

Azuis são as emoções que esta leitura desperta...

Fernando Santos (Chana) said...

Olá, Maria!
Espectacular fotografía...Belo texto...Espectacular...
Beijo

Fernando Samuel said...

É altura de ao meu habitual «ainda bem que voltaste» juntar o «ainda bem que foste»: é linda esta prenda que nos dás...

O Profeta said...

Os poderes da terra são...imensos...


Doce beijo

salvoconduto said...

Pena que tanta desta coisa esteja ameaçada.
Desfruta-a enquanto se pode.

(Há quem diga que desfruta se escreve com i, pois disfrutem)

Pitanga Doce said...

Maria a desfrutar do vermelho da terra que a Bahia tem.

beijos e aproveita

brisa de palavras said...

Vermelho é a cor da paixão, da cólera da dor...
Cada coisa tem uma cor...ou a a cor que lhe queremos dar...
um abraço
brisa de palavras

Ana said...

O ciclo começa a estar lamentavelmente alterado pela falta de cuidado da mão do homem...
Depois admiramo-nos quando a natureza se zanga.

Belas palavras, as tuas.

Beijinho

mariam said...

lindo! hino à terra, livre.......

bom resto de semana
um sorriso :)

jasmimdomeuquintal said...

Linda poesia da mãe natureza...

Agulheta said...

Maria. Sempre ouvi,que os melhores perfumes se encontarm em frascos pequenos,como este poema a terra mãe.
Beijinho Lisa

Maria said...

A todos os amigos que por aqui passaram :

Não tenho tido tempo para os visitar a todos, e hoje não vou responder individualmente. Tenho de optar entre continuar a visitar-vos, e há muitos posts para eu ler, e responder-vos aqui.
Optei por continuar a ler os posts que estão em atraso.
Em dois ou três dias estou certa de que ficarei “em dia” com todos...

Entretanto, e porque perguntam onde foi tirada esta foto, devo dizer que foi na estrada que liga o Hotel Fazenda Villa Rial à estrada nacional que vai dar a Cachoeira, cidade a cerca de 100 km de Salvador, onde em 25 de Junho de 1823 teve início a batalha pela independência da Bahia, que se concretizou em Salvador a 2 de Julho. E já ficou aqui um pouco da história que vos irei contar, com fotos...

Beijos a todos

Luis Eme said...

lindas palavras para ilustrar um bonito entardecer...

beijinho Maria

Filoxera said...

Palavras maravilhosas, acompanhadas de imagens que não o são menos.
Parabéns!

BlueVelvet said...

Que lindas palavras.
Aqui te deixo um dos mais belos poemas que conheço, sobre a Terra e a Bahia. ( Caetano Veloso).
Quando eu me encontrava preso na cela de uma cadeia
Foi que vi pela primeira vez as tais fotografias
Em que apareces inteira, porém lá não estava nua
E sim coberta de nuvens
Terra, Terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Ninguém supõe a morena dentro da estrela azulada
Na vertigem do cinema mando um abraço pra ti
Pequenina como se eu fosse o saudoso poeta
E fosses a Paraíba
Terra, Terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Eu estou apaixonado por uma menina terra
Signo de elemneto terra do mar se diz terra à vista
Terra para o pé firmeza terra para a mão carícia
Outros astros lhe são guia
Terra, Terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Eu sou um leão de fogo, sem ti me consumiria
A mim mesmo eternamente, e de nada valeria
Acontecer de eu ser gente, e gente é outra alegria
Diferente das estrelas
Terra, terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
De onde nem tempo e nem espaço, que a força mãe dê coragem
Pra gente te dar carinho, durante toda a viagem
Que realizas do nada,através do qual carregas
O nome da tua carne
Terra, terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Na sacadas dos sobrados, das cenas do salvador
Há lembranças de donzelas do tempo do Imperador
Tudo, tudo na Bahia faz a gente querer bem
A Bahia tem um jeito
Terra, terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria?

Veludinhos azuis

Maria said...

luis eme

filoxera

blue velvet


Obrigada por terem passado aqui.
Beijos