Tuesday, August 25, 2009

Pequeno poema

Klimt, Mãe e Filho

Quando eu nasci,

ficou tudo como estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

P'ra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe...

(Sebastião da Gama)

36 comments:

samuel said...

Há que tempos não o lia... e era pena!

Abreijos.

Ana said...

Belo, belíssimo poema, que me fez bem recordar.
Obrigada, Maria.

Um beijo a regressar de um paraíso.

Arabica said...

Maria,

e afinal se perguntassemos à Mãe, quem sabe, teria dito que tudo tinha sido diferente? :)

Um abraço com o chá já fresco e esperando que estejas mais animada.

Sal said...

A mãe de uma amiga minha enviou-me este poema quando a minha filha nasceu.
Ela gostava muito de poesia. Escrevia imenso.
Gostei tanto, na altura, que nem sabes...

No passado mês de Junho essa senhora faleceu. Fiquei muito triste.

Beijinho (com beiço e lagrimita ao canto do olho)

Fernando Santos (Chana) said...

Olá Maria, belo poema...Espectacular....
Beijos

salvoconduto said...

Felizes são os que nascem assim, outros são mais difíceis de contentar, têm que ter nascido em berço de ouro.

Abreijos

Carminda Pinho said...

Este poema é tão bonito...que não me canso de o ler.

Beijos, Maria.

Cris Caetano said...

Que lindo. Beijinhos

vovó said...

é lindo !
a imagem, uma beleza!
obrigada pela partilha.
beijocassssss

Fernando Samuel said...

Lindíssimo!

Um beijo grande.

Rosa dos Ventos said...

Belíssimo, cheio de ternura este poema!
O ideal para lembrarmos quando fazemos anos...

Abraço

Teresa Durães said...

e quando eu morrer, o mundo não deixará de girar em torno do sol

FERNANDA & POEMAS said...

LINDO QUERIDA MARIA, ADOREI!!!
ABRAÇO-TE COM MUITO CARINHO,
FERNANDINHA

Justine said...

Tão simples e tão encantador. Como o Klimmt!

do Zambujal said...

Gostei muito de (re)ler. Soube bem. E logo me saltou-me parte (e de cor) do poema do Sidónio Muralha:

Depois daquela noite,
os teus seios incharam,
as tuas ancas alargaram,
e os teus parentes admiraram-se,
e falaram, e falaram...
e porque falaram
duma coisa tão bela,
tao simples, tão natural?
tu não parias uma estrela,
nem uma noite de vendaval...
(...)

Obrigado e beijos

Papoila said...

Boa escolha... a ternura que cada uma de nós, como mãe, tanto sente.

um beijo Maria

BF

Pedro Branco said...

Não consigo comentar...

utopia das palavras said...

Só o olhar da ternura...é suficiente!

Sebastião da Gama também ele um poeta da ternura!

beijinho

Agulheta said...

Maria.O poema tanto tem de belo,como beleza interior,a imagem linda no contexto,de Sebastião da Gama ler é sempre belo.
Beijinho fica bem

Filoxera said...

Quando a escrita é assim, tão poderosa, não temos palavras que se lhe comparem...
Beijos.

intimidades said...

lindissimo

Jokas
Paula

Apenas eu said...

os olhos da Mãe...
os teus olhos Maria...

beijo-te com os meus olhos banhados em ternura...
que o dia foi enorme...

este poema está repleto de Ti.

obrigada sempre por partilhares aqui.

Violeta said...

Gosto muito de Sebastião de Gama e deste poema em particular. Embora o meu preferido seja "pelo sonho é que vamos".bjs

Mar Arável said...

Boa Festa

BJS

maré said...

é dos mais belos
que já li

.

um beijo

mjf said...

Olá!
Lindo...
Já nem me lembrava dele...
Obrigada

Beijocas

pico minha ilha said...

Faz tanto tempo que não lia este poema.Faz tão bem olhar e sentir esta ternura que os seus olhos nos mostram.Beijo Maria

bettips said...

Klimt desenhava e pintava as mulheres com flores. Como os olhos dessa mãe.
Bjinho

amigona avó e a neta princesa said...

Como foi bom voltar atrºas!!! Beijos querida...

Vanda Paz said...

Hoje também não te consigo comentar

Beijo

heretico said...

muito bonito, Maria!

encantador o lirismo de Sebasteão da Gama. de que gosto muito.

beijos

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

mfc said...

uma ternura total.

Maria Clarinda said...

O meu poema preferido de Sebastião da Gama!!!
Obrigada por ele.
Jinhos mil

viajantes said...

simplesmente turvaram-se-me os olhos e pesou-me o coração acho que durante uns tempos muitos, este poema vai-me acompanhar...
vou partilhar comos filhos.
obrigada

elvira carvalho said...

Obrigada por mo recordar...
Um abraço