Monday, January 11, 2010

Inverno


Tenho ainda o Verão dentro do peito
Os pés na areia molhada da rebentação
Como posso trazer o Outono para o meu leito
Se o que vejo ao meu redor é solidão
Semeio olhares entre as flores do teu jardim
De onde recolho sorrisos e abraços
Serei airo, pardela, outra ave e assim
Vou marcando o compasso dos meus passos
Mas os dias vão passando em correria
E quando chegar aqui o vento norte
Talvez não seja Inverno, mas invernia
O que me espera entre esta vida e a morte

36 comments:

Oliva verde said...

É preciso manter o Verão dentro do peito não deixando que a invernia nos arraste para a solidão!
Beijinhos

Memória de Elefante said...

Largar a solidão,apagar a desesperança,plantar em seu solo a árvore da renovação, mais alta do que a noite escura.
Juntar desalento e desejo reinventar-se com carinho na estação.

Um beijo

salvoconduto said...

Com o frio que faz até o Verão dentro peito treme...

Abreijos.

BlueVelvet said...

Que lindas cores têm as folhas desta árvore que me lembra os States:)
O poema é lindo, mas não, este frio, esta envernia, não é o que te separa da morte.
É só um frio "de morte"
Beijinhos

Leticia Gabian said...

Ai, Maroca, nem me fale em frio...Nem que seja nesse teu jeito bonito de falar!
Quero mais brincar de frio não!!!!!

Gélidas beijocas, AICeT

zmsantos said...

Tu terás sempre o Verão dentro do peito. É lá que oiço o canto das cigarras. Que cheiro o mel das estevas ao fim da tarde. Que brinco nas ondas mansas da preia-mar. Que me aqueço, quando me falta o vinho e a poesia.

Beijinho Maria e obrigada.

Luis F said...

Neste dia gelado, encontro sempre o calor de um espaço acolhedor e cheio de sentimento...

Deixo-te o repto para dia 23 de Janeiro em Alcochete na Biblioteca Municipal (Será desta???)

Com amizade... fica este poema

"Não sou nada
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo".
Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)


Bj
Luis Ferreira

viajantes said...

é com o verão no peito que resistes
a qualquer inverno feito em sorte
abrigas os jardins do vento norte
aqui,guerreira de vida não desistes

beijinho

Pedro Branco said...

Tantas cores no peito
Em direcção à liberdade
Estações de um amor mais-que-perfeito
Que se renova a cada novo grito de saudade

Tantas cores no olhar
Feito ternura e eterno abraço abraço
Um pouco de fogo, de mel e de sargaço
Que se renova no verso que em mim sabes pousar

Espelho Teu said...

seja o fim da vida inverno.
e toda a gente sabe que depois do inverno, vem a primavera.

gostei muito deste blog :)

Manuela Freitas said...

Maria,
Poesia muito interessante...
O Verão pode estar na cabeça, no peito...eu sou do norte, do vento norte que gela até ao tutano...que saudades eu tenho de um ventinho do sul, que acaricia a pele, que trás um aroma especial...nós cá para cima sofremos muito!...rsrsrsrs Por isso estou sempre a pensar no Alentejo que amo e no Algarve que eu adoro, onde por enquanto ainda se encontra um buraquinho calmo, para se estar...
Está a ver Maria, só de pensar nisso até fiquei mais quente...
Beijinhos,
Manuela

Fernando Samuel said...

Quando se tem o Verão dentro do peito não há invernia que vença...

Um beijo grande.

Artur Gonçalves Dias said...

O que será o Inverno senão um compasso lento no meio de allegro dançante chamado existência?

Belo texto

Saudações

Agulheta said...

Maria. Mesmo com frio o amor deve continuar sempre presente,e nas belas palavras escritas melhor.
Beijinho e boa semana
Lisa

clic said...

Lindo de tão intenso!... :)

ausenda said...

Marcando o compasso dos dias, sempre longínqua a invernia!

Sempre profundas e bonitas as tuas palavras!

Beijo

A.S. said...

Querida Maria...

Um lindo poema, mas tão fatalista!
Quero ver-te sorrir!
A tua vida será uma renascida Primavera!
Tu mereces!!!


Beijos...
AL

Filoxera said...

Depois das palavras do Pedro Branco e da Oliva Verde, fico sem expressão que valha a pena...
:-(
Mas o poema é lindo, admiro a tua capacidade poética.
Um beijo amigo, cansado...

anamar said...

A invernia não vai durar sempre, Maria...
Abracinho

samuel said...

Olha que não, amiga!...

Abreijo.

Ana said...

Quem escreve assim terá sempre o Verão dentro do peito.
Gosto tanto quando deixas palavras tuas, Maria.
Um beijo grande.

Joao P. said...

Oh Maria:

Que texto lindo, lindo, lindo!

Este vou imprimir e guardar num sítio muito meu

Que beleza de texto

Muito obrigado pelas tuas palavras

João

batista said...

entre um verso e outro sentimentos viajam... e chegam a lugares que jamais conheceremos pessoalmente.

deixo um abraço fraterno.

Licínia Quitério said...

Muito bonito, Maria, este teu poema, mau grado a invernia que passará, verás.

Um beijo.

Fernando Pinto said...

"... Semeio olhares entre as flores do teu jardim...

Lindo!

Beijinhos

Rosa dos Ventos said...

Conserva sempre o Verão no peito!
Pior seria o Inverno por dentro e por fora...

Abraço

Baila sem peso said...

Tal como gostaste da ovelhinha
eu adorei o tom desta arvorezinha...
das palavras que podem ser tristes
eu guardo beleza que tu lhe assistes
onde pode um poema ser triste
e ser belo?...aqui! tu o conseguiste!

Um beijo

(e o frio, quando vier a Primavera, desiste! O exterior claro, que interiormente tu sabes que ele não existe :))

PreDatado said...

Que bonito, Maria.

Nilson Barcelli said...

E como é bom andar sempre com o Verão dentro do peito...
Querida amiga, gostei do teu poema, muito bom mesmo.
Boa semana, beijos.

AnaMar (pseudónimo) said...

Inverno cá fora, dentro de ti uma ternura que aquece o verão do nosso contentamento.
Tenho saudades tuas :-)
2010 beijosssssssssssssss minha Maria

Tite said...

Estou triste Maria,

Neste teu texto lindo só não falas na Primavera que é a estação que eu desejo e anseio agora mais do que nunca.
O sol onde anda?
Que é feito dele que já nem me lembro como é.
Se demorar esta invernia
O que me espera... é a morte

as velas ardem ate ao fim said...

Sé me apetece dizer te:

"Há gente que fica na história da história da gente". Porque "as coisas vulgares que há na vida não deixam saudades. Só as lembranças que doem, ou fazem sorrir". Mariza

tu na minha vida vais ficar.sempre



um bjo

Mar Arável said...

Bjs

sempre

Delfim Peixoto said...

Desta vez sou eu que te digo: " o quanto eu te percebo"...
Bjnhs

Maria said...

Muito obrigada por terem passado aqui.

Beijos a todos

Ana Oliveira said...

Tão perfeitamente dito/escrito...que deixo apenas

Um beijo