Tuesday, April 06, 2010

Liberta


Já te tinha dito que não se pode sepultar o amor, porque o amor tem asas.
Os amores voam. Libertam-se. O amor é a liberdade maior que temos: a de amar, Sim!
E as minhas inquietações são as mesmas, e serão as mesmas, porque as horas correm e eu não posso fazer parar os relógios. Muito menos o Tempo.
Hoje acrescentei mais uma inquietação às outras todas. Sinto que as acrescento todos os dias. Inquietações e angústias. Serão dificuldades em aceitar o que se vai passando e que eu não posso mudar. Mas tento...
Angústias dos dias passados a correr e não vividos. Das noites mal dormidas em que não vens e te sonho, apenas. Serão saudades... afinal sou feita de saudades, de angústias, de inquietações. E de amor, também.
Um dia destes vou mergulhar no mar, pois só ele me sabe lavar por dentro.
E só assim me sentirei liberta!

16 comments:

maré said...

todos os dias se acrescentam à alma. o mar serve para equilibrar o tanto que nos vai dando a explicação da vida...


um beijo maria.

Joao P. said...

Nem sei como te comentar...

Sei apenas que o mar e a sua presença tudo liberta!

beijo

João

Aníbal Pires said...

Sabes... Maria
As palavras não se soltam, sim as minhas palavras, não respiram,não se libertam.
E que palavras poderiam soltar-se perante as tuas,
tão intensas,
tão profundas,
tão livres como as aves que voam
sobre o mar que te liberta

Bjs

paula barros said...

Por vezes fico pensando que os seres humanos são feito em lotes...e tem uns que foram feito desse material - saudades, angústias, inquietações, amor. Eu me sinto desse lote.

Mas também penso que essa turminha é quem move o mundo, ou será um alento? rsrs

O mar inspiração e restauração.

abraço

Cris Caetano said...

Um dia desses podia ter pego um transporte qualquer e ter me livrado da chuva, mas caminhei quarteirões esperando ser lavada por dentro. Como entendo esse poema...

Beijinhos, Maria.

Pitanga Doce said...

Não adianta, Maria. Nem a água do mar tira. Sei o que falo.

boa noite (o Rio debaixo d'água mais uma vez)

Rosa dos Ventos said...

Também é junto do mar que eu me sinto melhor!

Abraço

Memória de Elefante said...

Maria!

De repente vejo-te na praia
buscando um horizonte diferente
abrir mão do sonho
sem cobrar ternuras nem cuidados
o que libertaria também algema
inquieta agora, com desejos
de correr, de voar...

Sempre me pergunto:
Onde termina minha vida e começa o mar?

Um beijo

Maria P. said...

Sempre o (a)mar...

beijinho, minha Maria*

Filoxera said...

O amor tem asas...
:-)
Um beijo.

Akhen said...

Maria

Todas as minhas inquietações, os meus medos, as minhas angustias e até os sonhos desfeitos eu deixei que o mar as lavasse. Para que não voltassem, guardei a água num vaso, que selei. A minha preocupação agora é que o vaso se quebre e eu fique com tudo o que tinha anteriormente, mas aumentado.
Contrariamente ao resto, só o amor, que é um vaso de cristal, se se quebra não tem conserto.

Paz e Luz no teu caminho

Maria said...

Muito obrigada por terem passado aqui.
Boa semana e beijos a todos.

Manuela Freitas said...

Querida Maria,
Já passei por aqui e li este teu post, e fiquei «amarrada» às tuas palavras, sem saber o que dizer!...
Inquietações...angústias....tempo..liberdade... atirar ao mar...Isto foi lido por mim, como um desabafo de algo que não está a correr bem e como sei pouco de ti e este não é o meio para escrever sobre certas coisas, fiquei sem ter que dizer!...
Mas já anteriormente fizeste um post do mesmo género fechado a comentários.
Tu és uma poeta e mesmo a tua prosa trás consigo poesia e lembro-me «o poeta é um fingidor...»
De qualquer forma querida Maria olha ao longo do mar até ao seu limite, mas não olhes para dentro dele!...
Beijinhos
Manuela

Fernando Samuel said...

O mar possui todos os segredos necessários...

Um beijo grande.

Apenas eu said...

escusado será dizer que adoro estas tuas palavras.

acho que é disso que estou a precisar. um bom mergulho.

beijos Maria

pedras contra canhões said...

e logo nesse mar, maria. Serra do Convento, Serra da Arrábida. Mar maior atlântico guardado por uma encosta aplina a norte. o melhor e mais belo dos mares calmos do nosso país.

e obrigado porque me permitiste, por instantes, daqui do meu gabinete, ver a pedra da anicha!