Thursday, October 06, 2011

Dia 152

Obrigado, excelências.
Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade
de vivermos felizes e em paz.
Obrigado
pelo exemplo que se esforçam em nos dar
de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem
dignidade.
Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar
as coisas por que lutámos e às quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias
um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,
o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente
quem temos de rejeitar.


Joaquim Pessoa

(Do livro ANO COMUM, a ser lançado no Barreiro
amanhã, dia 7 de Outubro, 21.30)

(post pré-programado)

19 comments:

Rogério Pereira said...

Acho que já lhe tinha dito
que não é "impunemente" que se tem um apelido

:))

Memória de Elefante said...

Um excelente texto, a força das palavras força!


Um beijo

João P. said...

Maria:

Sim e não... Gosto da sua poesia, desta concretamente...

percebo-a mas...

(embora, por vezes, seja preciso alguém que nos faça abrir os olhos tal a estupidez de políticas que aplica)

Beijo

salvoconduto said...

Que o lançamento esteja à dimensão do autor.

Abreijo.

vovó said...

Obrigada, amigaminha, por teres postado este belíssimo poema do JP.

beijocasssss
vovómaria

trepadeira said...

Que aperitivo excelente.
Um abraço,
mário

BlueShell said...

Excelente escolha: um poema de LUTA!
Obrigada...por tudo.

samuel said...

Muito bom!

Abreijo.

ana said...

Muito bom!
Vou levá-lo comigo...

Justine said...

Em gande forma, o Joaquim Pessoa! Pena não poder estar presente...

mfc said...

Um libelo fantástico... e actualíssimo!

Fernando Samuel said...

Obrigado Joaquim Pessoa por este magnífico poema.
Obrigado Maria por no-lo dares a conhecer.


Um beijo grande.

elvira carvalho said...

Aqui no Barreiro? Onde?
Um abraço e bom fim de semana

A.S. said...

Excelente!!!!!!!!!!!!!!!


Beijos,
AL

GR said...

Um BJ do tamanho do Mundo.

GR

C Valente said...

Saudações amigas e bom fim de semana

Parapeito said...

Vai ser um sucesso este novo livro.
Sempre bom chegar aqui e ler tão bons poetas
Obrigada Maria
Brisas doces***

Paula Barros said...

E eu queria ter escrito.

Já pensei em escrever algo assim para o prefeito da minha cidade.

beijo, bom final de semana.

BRANCAMAR said...

Muito bom este poema Maria.
Espero que o lançamento tenha sido um êxito.
Joaquim Pessoa é sempre uma referência e eu espero vir a adquirir este livro brevemente.

Obrigada pela divulgação e pela partilha.

Beijos