Friday, October 24, 2008

Despedida

Meus amigos.
Todos vós que eu amei
E que também me amaram

Quando eu tiver partido
Para a minha verdadeira pátria
Não chorem a minha ausência.
Revivam os bons momentos
Que vivemos em conjunto
E verão que a lembrança
É também uma presença.

E eu, com o espírito livre
Do peso da matéria
Poderei percorrer o universo
E ajudar aqueles a quem amei.

Então, se estiverem tristes
Se estiverem desconsolados
Pensem em mim, chamem por mim
E logo de seguida eu estarei aí
Para vos ajudar e vos consolar
E vereis como é bom
Ter um amigo no lado de lá.

E quando a vossa vez chegar
De fazer a grande jornada
Tão pouco chorem por
Aqueles que por aqui deixam
Pois isso não será um adeus
Mas simplesmente um "até breve".
Afinal… eu lá estarei
Para vos receber.

(Yan-Rub)

31 comments:

Maria said...

AMIGOS:

Desde ontem à noite tem havido problemas com o google, tendo sido impossível comentar vários blogues.
Esta situação manteve-se ao longo do dia, avisei alguns amigos por mail, outros não o pude fazer.
Assim, quero dizer à Maria P., da Casa de Maio, ao Orlando Gonçalves, do Dos Prazeres à Graça (parabéns!) e à Lídia de O Silêncio Culpado, que continua a ser impossível comentar-vos, porque continua a aparecer uma caixinha ridícula que vai pedindo informações etc. e depois se recusa a publicar comentários...
Mas continuo a ler-vos, e espero que o snr. google se deixe de tretas e de censuras...

Beijos

pin gente said...

maria

com este poema fizeste recordar um fado que gosto muito

"quando eu morrer rosas brancas
para mim ninguém as corte..."
se estivesses aqui cantava-te.
sabias que gosto de cantar?

deixo-te um beijo
luísa

Eduardo Aleixo said...

Lindo e sábio poema.Sim, estamos de passagem...
Beijinhos, Maria.
EA

BlueVelvet said...

Beijinhos

MisteriosaLua said...

Como eu gostava de acreditar nisso!...

Ana said...

Fico a pensar.
Desejando acreditar.

Beijinho

PS- No que diz o poema, não é no teu aviso...

Lúcia said...

Bonito poema. Para quem acredita no 'após'. Feliz ou infelizmente (depende das situações), não é o meu caso.
Beijinhos, Maria

salvoconduto said...

A minha jornada já começou à muito e é aqui que te (vos) quero encontrar.

Abreijo.

A. Jorge said...

É um tema que me perturba! Porquê? Não sei. Talvez por ser a única coisa que sabemos ter garantido, apenas com a incerteza do tempo!
Perturba-me mas adorei. Talvez por isso mesmo!

Um beijo

Jorge

samuel said...

Muito bonito... mas é "deveras assaz cedíssimo" para postar poemas destes! :)

Abreijos

Ludo Rex said...

Este poema faz-me reflectir sobre a vida... Kiss

bettips said...

Há uma candura em acreditar.
Não sei.
Só sei aqui e agora, fazer o melhor possível, emendar, refazer.
Desistir e tornar, reconstruir.
Ir embora e voltar.
Re-sonhar.
Bjinho

Carminda Pinho said...

Ai Maria! que até se me parou o coração. Comecei a ler-te, e pensei que eras tu que te estavas a despedir de nós.
Afinal é um bonito poema de um senhor que eu não conhecia, mas antes assim...
Vou refazer-me e, já volto.:)

Beijos

zmsantos said...

Já? Maria. Ainda há tanto para fazer...



Beijinho.

isabel mendes ferreira said...

aquele abraço.


a cruzar oceanos.






____________________.

Teresa Durães said...

nem sempre a distância física é sinónimo de abandono

C Valente said...

Não gosto de despedidas, melhor um até sempre. despedidas é tristeza
Bom fim de semana com saudações amigas

Leticia Gabian said...

Puxa, Maroca... Embora acredite no antes e no após, tenho de reconhecer que não lido bem nem com a doença terminal, nem com a morte em si. Agora mesmo, uma colega-amiga está se ultimando num quarto de hospital... E eu não consigo ir até lá. Já me chamei de tantas coisas: imatura, fraca, inútil, covarde, egoísta, desumana... Mas, mesmo reconhecendo isto tudo, não consigo ir até lá.

Utopia das Palavras said...

"Se eu morrer, não chores por mim, faz aquilo que eu fazia e viverei em ti (che guevara)"

Beijo
ausenda

Apenas eu said...

Por isso chorei quando ele partiu, e me deixou as boas recordações de menina, os sorrisos, os baraços, os beijos... e os comboios....sei que ele me vê e me ouve, falo-lhe muitas vezes, não fiquei amargurada, porque aqui Ele esteve sempre comigo "a menina dos meus olhos"... dizia...
O meu lado afectuoso é todo o lado Dele.

Beijos Maria
dqtgm

Apenas eu said...

ups!!!
não é baraços é abraços :)

Estou a deitar água pelos buracos por onde vejo....

Fernando Samuel said...

É bonito, sem dúvida, mas... não achas que é muito cedo para pensarmos nisso?...


Um beijo grande.

Maria said...

samuel

zmsantos

fernando samuel


É cedíssimo para pensarmos nisto, é verdade.
Mas é um poema muito bonito, e hoje apeteceu-me...
Logo logo passa.

Beijos

rosa dourada/ondina azul said...

Espero que não seja uma despedida!

Gostei do poema, mas para já, prefiro continuar :)))



Beijinho,

mfc said...

Pois... mas até lá vamo-nos vendo por aqui!

tempoparaamar said...

Uma jornanda que faremos um dia.Beijinho Maria
Salomé

Agulheta said...

Maria.A vida em si é uma jornada,umas vezes longa outras muito curta,gostei mas não conhecia o poeta! Obrigada.
Beijinho bfs

Sabes o que te aconteceu no google,se esta a passar em abrir alguns blogs,é verdade.

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida Maria, Belo poema, desconhecia o autor, mas de qualquer maneira um poema triste!... Faço votos que tu estejas muito melhor, com paz de espírito... Beijinhos de carinho e amizade,
Fernandinha

AnaMar said...

Espero que te passe depressa. prefiro as tuas palavras , mesmo as que escondem um sorriso, por vezes, um olhar de melancolia...

É um lindo poema.

Ainda assim , prefiro as tuas palavras.

Um beijo, que te leve alegria e bem estar...

Que passe depressa...essa pressa...

Maria said...

É apenas um poema.
Muito bonito, na minha opinião.
Além de não acreditar "no lado de lá", não tenho pressa nenhuma em sair do lado de cá...

:)))))

Obrigada por terem passado.

Beijos

mariam said...

Muito bonito, mesmo, Maria,
e que eu também não conhecia... obrigada p'las partilhas... continuo a ouvir a música supra... doce.

sorrisos :)