Monday, October 13, 2008

Efémero


Ainda te trago na pele
mas o outono já me arrefece o corpo

espero a chegada do inverno
para me despir completamente de ti...

44 comments:

pin gente said...

se eu tivesse escrito estas palavras dir-me-ias:
o outono ainda vai quente, amorna-te no seu olhar. aproveita o fogo prestes a romper das folhas rubras. assim, poderás desnudar-te por completo que o inverno não te queimará a pele.

gostei de te ter cá
um beijo
luísa

Pedro Branco said...

Só, o meu corpo deixa-se aquecer sem saber da cor da próxima onda. As estações passam e eu anuncio os rios. Em cânticos e gritos que nascem dentro do olhar. Não sei se me dispo ou se me escondo. Só sei que a minha pele terá sempre o cheiro das suas mantas.

Beijo, Maria.

(comentarioquenosune?)

em azul said...

O frio estimula os meus sentidos
páro, penso... sinto-o
a minha pele gelada, acalma-se
despida, veste-se apenas de si
preciso de sentir o frio
só assim me dispo de saudades
só assim os nervos fogem, para se aquecerem
só assim me liberto
O frio estimula os meus sentidos
páro, penso... sinto-o
não há angústia ou inquietação que suporte qualquer tipo de roupagem
dispo-me
a nudez retempera-me
e volto a dar o meu primeiro suspiro.



Belas as tuas palavras
Um beijo, Maria da ilha
em azul

Carminda Pinho said...

É tão bonito o que escreveste, que fiquei assim...sem palavras...

Beijos, Maria.

samuel said...

Só que, sem falhas, a Primavera seguir-se-á ao Inverno...

margusta said...

Lindo Maria!!!

Sentido...Tocante...Comovente!!!

Um beijo grande para ti Amiga...lá no Bugio!

António Inglês said...

Verás que encontrarás muitas maneiras de aquecer o corpo!
Vai começar a época da lareira de que gosto particularmente!
O Outono é..... meio romântico, meio triste...
O Inverno trás o Natal... a chuva... o mau tempo...
No meu caso, as estações vão mudando agora à velocidade da luz e quase nem dou por elas. Olho-as hoje com outros olhos, bem diferentes daqueles que as viam e esperavam cheios de esperança.

Um abraço Maria!

António

salvoconduto said...

Para além do arrefecer do corpo o Outono traz consigo esses pólenes que neste momento me deixam com o nariz a pingar.
Damn! Tenho a mania de tomar o anti-histamínico quando já estou completamente atacado.

Abreijo

Apenas eu said...

Nunca acompanho as estações do ano...
ás vezes é Inverno e está um sol imenso dentro de mim, outras é verão e chove que eu sei lá!

Mas estás muito inspirada :)
Adorei ter-te aqui...lá.... :)

beijos

mariam said...

Maria, poema lindo...
Que bom! fico feliz por Ele.
"bigada" p'las notícias!

boa semana
um grande sorriso :)

mariam

A CONCORRÊNCIA said...

Começar de novo. Recomeçar. Despirmo-nos completamente e voltarmos a vestirmo-nos de novo. Com roupagem diferente, com vivências diferentes. Há lá alguma coisa melhor que fazermos um reset à vida ? Especialmente se o que sentiamos deixou de ser sentido ...

Beijos Maria

ZERO À ESQUERDA said...

Estou numa breve visita apenas para te agradecer a tua visita no meu Cloreto. Em breve voltarei com mais tempo para me deliciar com as tuas palavras.
Bjs.
JL

C Valente said...

Belas palavras
Saudações amigas e boa semana

Eduardo Aleixo said...

O último verso é um espanto. Mas que letrinhas tão redondinhas!
Parabens.
BJ.
EA

poesianopopular said...

Maria
Será que alguma vez, isso vai acontecer?
De certeza que vais ter uma recaída!
Entretanto, sabe bem ler os teus desabafos.
Bjos amiga

CNS said...

Esperamos sempre que os ciclos do tempo nos complectem também...

um beijo

Filoxera said...

"para me despir completamente de ti... "- daquela nostalgia pegajosa?

Beijinhos.

Zé dos Anzóis said...

Para alem das palavras lindissimas que escreves ainda tens o descaramento de colocar uma foto que me deixou ainda com mais inveja.
Não se ensina ninguem a descrever sentimentos como tu fazes, mas sempre podias dizer onde é este paraíso para ver se lá consigo arranjar um pouco de inspiração.
E quem sabe apanhar uns peixinhos, prometo que no final do dia voltam todos para a água.
Beijo
Za

Leticia Gabian said...

E eu que ando nua, espero o inverno pra me vestir de amor...


Beijo enorme, amiga-irmã

Orlando Gonçalves said...

Como não consigo ter palvras para dizer como dizes, por vezes fico sem respiração e sem inspiração para dizer tudo aquilo que sinto ao ler os teus poemas... verdadeiramente apaixonante.

A.S. said...

Maria...deixa que o tempo faça com que tudo aconteca! Não teças os dias com a impaciência das horas que não passam!...


Um beijo!

O Sibarita said...

Xiiiiiiiiii.... vai é? Hummmm! kkkk
]

Oi você tá no meu barco sim! kkkkkkkkkkkkk

bjs
O Sibarita

Teresa Durães said...

um adeus até à primavera

Maria said...

Que "este" inverno seja ilimunado de chamas, para que possamos aquecer os nossos corpos despidos... do nada...!

Gostei do teu gostar!

Bjs

Maria P. said...

:) só um sorriso...

Beijinho, Maria.

Menina_marota said...

em todas as estações há um renovar e, quando a folha cai, renasce viçosa...

Foi um prazer ter-te conhecido ontem, no lançamento do Pedro. Pena que não tivessemos tempo de conversar.

Um abraço carinhoso

do zambujal said...

Formalmente, gostei muito do poema. O que é bem difícil nestas glosas sobre as estações.
E, sobre as estações, se o outono nos arrefece os corpos e há sempre invernos em que nos despimos de alguém (ou alguém de nós se despe), pelo que esperamos é pela chegada das primaveras em que os corpos aquecem para se depirem completamente nos verões que a seguir vêm.
Pelo menos era assim... mas com com estas alterações climáticas já não digo nada.
Beijo

elvira carvalho said...

Nenhum Português se despe totalmente do mar. Vive dentro de nós está-nos no sangue.
Um abraço e uma boa semana

Pitanga Doce said...

Mas no Inverno tudo fica mais difícil, Maria. É quando mais precisamos de colo. As noites são tão longas!

lisse said...

Não há inverno que dispa o que nos ficou na pele.
O inverno cristaliza tudo...
abraço forte

Ludo Rex said...

Tudo é transitório e passageiro...não tarda nada também a Primavera está aí... ecom ela uma nova Primavera dos Povos...
Beijo e Boa Semana

MANCHA said...

MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA
MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA MANCHA

dctorxix said...

Gostei da cor nova do outono e estou amando levar o seu cheiro

beijos

dr x

Agulheta said...

Maria. Agora até troquei os olhos de "mancha" a tua pele ainda não se despiu do verão,mas logo vem aquele friozinho,para ires ao encontro do calor humano,adorei as palavras.
Beijinho

Fernando Santos (Chana) said...

Olá Maria, bela fotografia...Belas palavras...Espectacular...
Beijos

Fernando Samuel said...

... Depois virá a Primavera ... depois, o Verão...
E é assim: inelutavelmente.
E felizmente.


Unm beijo grande.

Carlos Ramos said...

Qual árvore à espera de nova folhagem e quem sabe alguns frutos doces.

Bj.

Vera said...

Mas na Primavera espero que haja reencontro :)

Beijo grande, grande Maria

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram por aqui.

Beijos

Maria said...

Zé dos anzóis

A foto é da barragem do Maranhão, em Aviz.
Podes pescar e trazer os peixinhos, ainda fazemos uma caldeirada...

:))

Beijos

Lúcia said...

Nem sei que te diga. Lindíssimo. indesperado final.
Beijinhos, Maria

Ana said...

Nunca um Verão foi tão fugaz.
Agora, cada ano que passa consegue sempre encolhê-lo mais um pouco.

Beijinho

O Sibarita said...

Ô é? Humm.... Vai né? kkkkkkkk

Maria o amor é assim mesmo, mas, vai um vem outro...

bjs
O Sibarita

Claudia Venegas said...

E quando o inverno vem...arrasta estações, e trás o mar da fuga, e deixa no peito o sal?...
É ainda a abstinencia sadia, perpetuar no inverno a dor!
Porque insana é quando a pele trás o outro ainda na primavera! risos

Adorei isso aqui!
Muito Prazer, passo humilde te ler, e que bom, que ótimo mesmo! Parabens...