Monday, April 30, 2007

Queria...


Queria arrancar-te de mim

porquê só agora

ainda não é tarde

Queria arrancar-te de mim
mas não posso
sem ti eu não sobreviveria...

Sunday, April 29, 2007

Por aqui


Por aqui fui à tua procura
Por aqui vou ao teu encontro...
... e é aqui que a vida recomeça,
como o amor, em cada dia...
... não quebres os laços, meu amor...

Saturday, April 28, 2007

Quando reacontecer Abril


Se acontecer

Que se prendam todas as flores

Antes da madrugada


(Sophia de Mello Breyner)

Friday, April 27, 2007

Blogs que me fazem pensar (outra vez...)

Pois é. Desta vez foi a Sininho, do blog Os Ecos da Falésia, quem me pregou a "partida".
Diz que se vingou. E mais uma vez passou-me uma "batata quente" par as mãos.
À quarta nomeação já não posso usar os mesmos critérios, e vou nomear blogs que eventualmente já foram nomeados.

Que ninguém se sinta obrigado a seguir com esta brincadeira.
Vou informar os meus escolhidos desta vez, que se deverão sentir à vontade para fazerem o que entenderem.

Os escolhidos são, por ordem alfabética:
Camuflagens
De amor e de Terra
Expressões
Labirinto de olhares
Para sempre
Piano e Puro Instinto
Relógio de pêndulo
Viagens pelo Oeste

Obrigada pela distinção, Sininho que, vinda de ti, tem um sabor especial...

Em tempo:
Obrigada, PIANO.
Vinda de ti, a nomeação tem um significado muito, mas muito especial...

Cobardia?


Eu, sempre
me soube
defender
em todas
as circunstâncias...
menos na circunstância
de te amar

(luis mendes)
(madrugada)

Thursday, April 26, 2007

Se eu pudesse


Se eu pudesse voava até
junto de ti e segredava-te
ao ouvido palavras de amor
Passeava as minhas mãos
pelo teu corpo e pousava
uns segundos nas curvas
bonitas que me enchem
de desejo de te amar
sempre, como se fosse
possível voltarmos atrás no
tempo e refazer o que
não está feito
Se eu pudesse estava
contigo a cada minuto
instante do dia e da
noite até ficarmos
exaustos e então
adormecíamos com um
manto de estrelas a
cobrir-nos e a lua a
sorrir-nos, cúmplice
deste nosso amor que,
de tão verdadeiro,
nunca foi proibido.

Wednesday, April 25, 2007

O 25 de Abril, por Sophia

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Primeiro comunicado do MFA


"Aqui Posto de Comando das Forças Armadas
As Forças Armadas portuguesas apelam para todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas, nas quais se devem manter com a máxima calma.
Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos para o bom senso do Comando das Forças Militares no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas.
Tal confronto, além de desnecessário, só poderá conduzir a sérios prejuízos individuais, que enlutariam e criariam divisões entre portugueses, o que há que evitar a todo o custo.
Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua acorrência aos hospitais, a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja sinceramente desnecessária."

(Lido por Luís Filipe Costa)
(Rádio Clube Português)

A segunda senha

Grândola

Grândola vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

... o poema lido aos microfones...

(Rádio Renascença)

Tuesday, April 24, 2007

Ha 33 anos foi assim (a primeira senha)

E depois do adeus

Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
Perguntei por mim
Quis saber de nós
Mas o mar
Não me traz
Tua voz.

Em silêncio, amor
Em tristeza enfim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder

Tu vieste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci

E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós
Teu lugar a mais
Tua ausência em mim
Tua paz
Que perdi
Minha dor que aprendi
De novo vieste em flor
Te desfolhei...

E depois do amor
E depois de nós
O adeus
O ficarmos sós

(Emissores Associados de Lisboa)

Recado a um militante

Acerta a tua voz
pelo rigor da ternura

Acerta o coração
pela violência do grito

Acerta o teu olhar
pelas lágrimas da vida

E não
pelo discurso
pelo relógio
pelo apito
que marca a hora certa
da entrada e da saída


(J.Fanha)

Monday, April 23, 2007

Memoria de um tempo


Diz-me amor como é que
consegues suportar este silêncio
esta ausência esta tortura que é
não falarmos durante tanto tempo
Será que o tempo é lenitivo até
para o amor, ou és tu que, de
tanto desamar, já estás
habituado e já nem dás por isso?
Mas eu sinto-te, apesar de ausente,
e posso cheirar-te e acariciar-te e
beijar-te e amar-te, se eu quiser
Fecho os olhos e tu estás aqui e
brincas comigo
Recuo no tempo e vejo-te,
menino ainda, a brincar na
rua à bola e ao pião.
Isto não é sonho:
é a memória de um tempo
que já passou, e de outro,
que eu sei que há-de vir.

Sunday, April 22, 2007

Blogs que me fazem pensar

Recebi outras nomeações dos "blogs que me fazem pensar", desta vez atribuídas pela Luna, do blog Lua de Cristal e pela Farinho, do blog Noites de Poesia.

Como anteriormente tinha eleito blogs femininos, o que me facilitou em 50% a escolha, decidi usar o mesmo método, ao contrário, indicando agora os blogues masculinos que mais me fazem pensar.
Que ninguém se sinta obrigado a colocar boneco em lado nenhum nem em dar seguimento a este passatempo.
Fica apenas o registo, por ordem alfabética dos seus autores:

Poliedro - A. S.
Porque existes e Memórias virtuais - João Marinheiro
Infinito Pessoal - Luís Galego
O murmúrio das ondas - Luís Rodrigues
Das palavras que nos unem - Pedro Branco

Resta-me agradecer à Luna e à Farinho esta nomeação. Porque vinda de vós, com a sensibilidade que reconheço, é sem dúvida uma honra.
Muito obrigada, Amigas!

Quando


Quando o amor acontece assim
desta maneira total e tão forte
que eu nem sei se é verdade ou
um sonho lindo de que não
quero despertar
Quando te sinto cá dentro na pele
no corpo e sei exactamente
se estás a pensar no mesmo
que eu, ou se já dormes o sono
dos guerreiros
Quando eu não sei explicar
porque é que este amor aconteceu
assim, violento e bonito ao
mesmo tempo
Quando me encontras e me
beijas e eu tenho vontade
de te fechar dentro de mim
para te poder ter quando
eu quiser
Quando tudo isto acontece,
tu voltas a ser menino
e és o mesmo rosto que mergulha
nas águas transparentes da nossa lagoa
e reapareces para a Vida!

Saturday, April 21, 2007

Para que nao seja tarde...


Primeiro levaram os comunistas,
mas não me importei com isso
eu não era comunista.
Em seguida levaram alguns operários,
mas não me importei com isso
eu também não era operário.
Depois prenderam os sindicalistas,
mas não me importei com isso
porque eu não sou sindicalista.
Depois agarraram uns sacerdotes,
mas como não sou religioso
também não me importei.
Agora estão-me a levar a mim
Mas já é tarde...

(Bertolt Brecht)

Friday, April 20, 2007

Sentidos


Cheira este mar
Toca-me, estou aqui
Deixa-me sorver-te em água salgada
para ficares em mim
Ouve como eu respiro
no som deste silêncio
Olha o infinito
É lá que eu moro
Vem.........

Thursday, April 19, 2007

Mergulho


Este nosso amor é tão bonito
que até apetece sorrir nos dias cinzentos
de outono em que tu não estás
fisicamente ao pé de mim
Mas sinto-te todo inteiro quando
me falas e me dizes palavras
bonitas e doces como só a
tua voz sabe dizer
e como quando me amas com esse
jeito que só tu sabes fazer dessa
maneira quente e envolvente
que me deixa solta a voar no
infinito
Por fim tu adormeces e eu acaricio
esse teu braço que me abraça e me
deixa irrequieta porque quero ter-te
e amar-te e beijar-te e então deixas
dentro de mim todo o amor possível
e toda a paixão do
instante em que mergulhámos
um no outro e sorrimos à vida.

Wednesday, April 18, 2007

Blogs que me fazem pensar


A minha querida amiga Vera, do blog Palavras Soltas, indicou o meu blog como sendo um dos cinco blogs que a fazem pensar.
É uma honra merecer esta distinção, vindo de uma amiga que lançou um livro há pouco tempo, o "Pétalas Soltas", e cuja escrita admiro.
Esta "nomeação" implica a obrigação de dar a conhecer os cinco blogs que me fazem pensar a mim.
É uma escolha extremamente difícil porque, de entre tantos que me fascinam, nomear apenas cinco, é muito complicado e claro que corro o risco de ser injusta...
Devo desde já uma explicação: optei por escolher entre blogues de Mulheres, pois assim teria o meu trabalho simplificado em 50%...
Indico abaixo os que escolhi e as razões porque me fazem pensar. São esses os que devem copiar o logotipo do Award para a barra lateral dos seus blogs. Depois cabe-lhes escolher cinco outros blogs e fazer um post a nomeá-los, explicando o porquê da sua escolha.

Além de mim
(pela qualidade da escrita da Dulce, pelo que ela me faz "reviver" e pensar)

Lua de cristal
(pela sensibilidade, disponibilidade, solidariedade e amizade que transparecem da escrita da Luna)

Pequenos nadas
(pela capacidade que a Gi tem de me surpreender, e a todos que a visitam, com a qualidade e quantidade dos posts)

Casa de Maio
(pela originalidade do blog, sobretudo pelas janelas da Maria P.)

Ecos da Falésia
(porque a Sininho é mesmo uma fada de pequena estatura, mas com uma grande alma de Capitão Gancho... sempre em cima do acontecimento, e porque me faz rir, muito...)


As regras acima indicadas são as regras do jogo. Mas eu não vou pedir a ninguém que tenha a árdua tarefa que eu mesma acabei por aceitar.
Deixo à vossa consideração "alinharem", ou não, neste jogo.
Desde já o meu muito obrigada por me aturarem aqui...

Tuesday, April 17, 2007

Saudade...


Tenho saudade do teu corpo
do teu cheiro das tuas mãos
que ainda sinto a acariciar
o meu corpo de mulher
inteira, terra firme que
espera a semente do amor
Tenho saudade do teu braço
do teu beijo da tua voz
sussurrando-me ao ouvido
palavras trinta vezes repetidas
mas sempre renovadas
em cada abraço
Tenho saudades de ti e apetece-me
passear a minha mão pelo
corpo que reconheço a tantos
anos de distância
Queria adormecer-te no meu
peito como quando eras menino
Queria-te aqui, ao pé de mim, com
esse sorriso, essa malícia, esse teu
jeito de andar
Vem, apeteces-me.

Monday, April 16, 2007

Chegam os barcos...


Chegam os barcos e há
mil estrelas de lua
bailando no mar
lá em baixo, sussurrando
às rochas frases
que não sei, mas que
serão cumplicidade
daquela relação diária
cumprida a cada instante
Chega-me o teu cheiro
e por momentos
fecho os olhos e creio
estares aqui, comigo,
onde o amor é bom
onde a ternura é muita
e onde até a saudade
que já tenho de ti
me faz sorrir...

Saturday, April 14, 2007

Canto dos nossos braços


Vivemos de vender
a força dos nossos braços
por um preço de miséria
eu chego a casa cansada
tu também chegas cansado
já sem força para sorrir
meu amigo, camarada
nossos braços explorados
encontram-se tão cansados
mas nossos braços se envolvem
e dão-se
afagam-se
e morrem,
na raiva de resistir!

Friday, April 13, 2007

Na Festa...


São dias a imaginar-te
em cada hora e
muitas horas a amar-te
em cada minuto
São as gaivotas que não
me trazem o teu cheiro
que eu ainda tenho
guardado no peito
E um fim de dia quente
em que ergo a taça
à vida
ao amor
a este mundo
que é outro mas onde
também estás
é a tua voz que me
vai dizer que o amor é
assim mesmo
feito de longe e distância
e do que tem que ser
e sou eu que te digo
que te amo
que te quero
que me apeteces...

Thursday, April 12, 2007

Eu amo-te tanto...


Eu amo-te tanto
que nem sei se é
racional ou possível
amar assim
quase perdidamente
quase a dar a vida
quase a extinguir-me
se for preciso
Eu amo-te tanto
que o medo de te
perder me assalta
dia e noite em
sonhos que não quero
que não percebo
e que são quase reais
às vezes
Eu amo-te tanto
que acordo quando me
chamas e dizes
não teve importância
O que importa é este
amor que nos agarra
e aperta e machuca
e que não vai acabar nunca

Wednesday, April 11, 2007

O voo


Les trois arts - (óleo sobre tela de Júlia Calçada)

Ao som das primeiras notas

vindas do piano

a bailarina levantou-se,

colocou asas nos pés e,

saindo da tela, voou para

o infinito.

Era lá que tinha encontro marcado

com o Amor...

Resposta ao desafio lançado por Thornlessrose,
http://wwwthornlessrose.blogspot.com/

O amor esta comigo


Tenho ainda o teu cheiro
tão perto de mim que
se eu quiser e fechar os olhos
posso amar-te outra vez
e outra e outra
num vai e vem sem fim
porque às vezes o amor
prega-nos partidas
e quando pensamos
que o amor é só amanhã
ele volta, e ri-se de nós
e o teu cheiro volta ao quarto
que há pouco deixaste
O amor está comigo
deitado nos mesmos lençóis
ainda cheios de ti
O amor está comigo
e tu também.

Tuesday, April 10, 2007

Um presente


Queria dar-te um presente
que tu visses, tocasses, todos os dias
que passeasse contigo ao pôr do sol, no cais
donde saiem os barcos que
não te trazem para junto de mim
Um presente que marcasse, que
ficasse gravado na memória do tempo
Mas todos os presentes são efémeros
o que fica é só a amizade e o amor
Queria dar-te um presente que ficasse dentro de ti
mas esse tu já o tens. Intenso.
Renovo-me agora e aqui, para me dar a ti
com toda a alegria que nos traz o amor...

Monday, April 09, 2007

Porque me faltam as palavras, de novo Brecht


Há homens que lutam um dia, e são bons
Há os que lutam um ano, e são melhores
Há homens que lutam muitos anos, e são muito bons
Mas há os que lutam toda a vida...
Esses... são os imprescindíveis...

(Bertolt Brecht)

Sunday, April 08, 2007

Deixa-me


Deixa-me entrar em ti e conhecer-te
por dentro, o que pensas, como pensas
Conheço cada curva do teu corpo,
cada palmo das tuas costas, do teu ventre,
e o teu cheiro é para mim um sentido.
Deixa-me, amor, entrar em ti como
tu entras dentro de mim e me vês
transparente
indefesa
fragilizada
Esperando por ti

Friday, April 06, 2007

O teu corpo


Fecho os olhos e
minhas mãos percorrem
o teu corpo
redescobrindo cada
curva que eu já conheço
mas que é bom sentir
Deixo-me passear por ti
até ficarmos exaustos
de tanta ternura
de tanta paixão
e do amor que
não fizemos…

Thursday, April 05, 2007

Incerteza



Esta incerteza de não saber como vai ser
o que vai ser de nós e do amor
que é tão forte e grande como o mar
Sinto-me quase espuma de onda
espalhada na areia onde eu gostaria
que tu viesses, agora mesmo, molhar os pés…

Wednesday, April 04, 2007

Temos


Foram longas as horas,
os dias, na ilusão de voltar
a amar tão longos que até
envelheci enquanto te esperava
Eu sabia que era difícil
este amor mas não o sabia assim
Temos um caminho longo
a percorrer, mas bonito,
porque ladeado de
primaveras e sóis e mares
Temos uma vida inteira
para nos vivermos assim,
intensamente.

Tuesday, April 03, 2007

Nao queria...


Não queria amar-te
tanto porque o amor
assim, desta maneira,
dói cá dentro e eu
não quero que doa,
não quero sofrer mais.
Já me basta a tua ausência
presente todos os dias
Não queria amar-te
tanto, mas não posso
evitar porque me sinto
renascer, sinto que
vou voltar a viver o
que nunca vivi.
Não queria amar-te
tanto, mas amo.
Ouvi dizer que, às vezes,
o amor é inevitável…

Monday, April 02, 2007

Quero!


Quero ir contigo onde
quer que vás
Ver o mar, correr no campo
ou apanhar uma flor
Quero ir contigo voar
numa nuvem clara
para lá do sol
Quero que o mundo saiba
que tenho um amor
transparente, bonito,
como bonito é o sorriso
de uma criança
Quero amar-te hoje
e agora e aqui
deixa-me perder-me e sentir-te
É esta força que eu não
sei donde vem
e este frémito que me
percorre o corpo quando
te vejo ou te penso
Quero entrar em ti
e beijar-te e amar-te
assim, como agora.

Sunday, April 01, 2007

Hoje apetece-me Brecht

O Analfabeto Político

O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe,
da farinha, da renda de casa, dos sapatos, dos remédios,
dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e
enche o peito de ar dizendo que odeia a política.
Não sabe, o idiota,
que da sua ignorância política
nasce a prostituta, o menor abandonado,
e o pior de todos os bandidos
que é o político vigarista, aldrabão,
o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.

(Bertold Brecht)