Friday, November 07, 2008

Inquietação


Não deixes sepultar o amor. Não podes sepultar o amor. Porque o amor, se é amor, renasce todos os dias. Quando acordas. Quando respiras. Quando choras. Quando ris.
De nada serve esconder o amor debaixo de uma qualquer pedra. O amor tem asas e não se deixa prender. O amor é livre, só assim é amor.
A minha inquietação é outra. A minha inquietação é ter tanta coisa ainda para fazer e já não ter tempo suficiente. A minha inquietação é querer que tu me entendas e eu não conseguir explicar melhor.
A minha inquietação não tem limite, nem eu me limito.

(imagem oferecida por uma amiga)

48 comments:

Anonymous said...

Não havendo limites para a inquietação todos os dias surge um novo motivo de inquietação.

Abreijo

BlueVelvet said...

Se é amor, renasce todos os dias, e as palavras "não se gastam".
Beijinhos

andorinha said...

A infinita liberdade do amar. Sem qualquer limite ou explicação.
Um beijo, Maria.

salvoconduto said...

Só agora é que dei conta que passei à clandestinidade, ao anonimato...

Abreijo

mfc said...

Também lá li...
O Amor tem dessas coisas: inquieta-nos... tranquilizando-nos.

A. Jorge said...

Pelo que vejo, tens as mesmas inquietações que eu. Não ter tempo para fazer o tanto que se deseja é terrível, de tal modo que com o seu decorrer, vão-se definindo prioridades.
O medo de não nos fazer entender incomoda, mas é real e o facto de tal nos preocupar bloqueia-nos a capacidade de explicar, mas não é impossivel.
Quanto a limitações, é claro, isso não existe.

Um beijo

Jorge

Ludo Rex said...

Nada tem limite...
Kiss

Pedro Branco said...

Se na liberdade do voo rasante
Nos areais do peito aberto
Tudo é longe e tudo é perto
Tudo é aqui, demasiadamente distante...

Se no amor que te queima a vida
O tempo e o ventre assim incerto
Rasgas o sangue em ti liberto
De quereres nascer de novo à despedida

Se na inquietação, fogueira de ti
Onde voltas das caminhadas do deserto
Desse silêncio cru de um grito a descoberto
Onde descansas talvez as palavras por aí

Que bom gostar de ti, Maria!

batista said...

essas são palavras de se respirar, guardar... depois, voltar a ler, reler, deixar-se tocar por elas... depois tocá-las sem medo.

deixo um abraço fraterno.

pin gente said...

não sei do tempo... importa? não quero entender nada... importa? limito-me a ver a vida passar a meu lado, com um passo diferente do meu. limito-me a ouvir o que tentam dizer-me, as as vozes parecem mudas. não acordo, porque não durmo! não suspiro, porque não respiro! não choro, porque também não rio.
escondi-me debaixo de uma pedra que me partiu as asas. e, quando o inverno chegar, não conseguirei voar.

beijo, maria

samuel said...

E assim se vê que o tal texto do apóstolo Paulo sobre o amor... está muito sobreavaliado.

Abreijos

Carminda Pinho said...

Olha Maria, a minha inquietação é assim a modos, que parecida com a tua. Só que não a sei transmitir assim, dessa maneira tão bela.
Lindo, Maria.

Beijos

Apenas eu said...

A tua inquietação não tem limite... pois não...
Mas tu és assim, por isso te gosto tanto.

Beijos Maria
dqtgm

mariam said...

Maria,
emocionada estou!

volto ao meio dia...

um abraço sentido
e um beijinho.
mariam

fj said...

a minha querida Maria, essa tb é uma inquietação que m'é familiar...
adorei o teu post...aliás como todos os outros...mas alguns "ficam-nos"+ ;)
Um beijo em ti!

fj said...

q nervos :( o que é o q o "a" tinha que se juntar à minha querida Maria...
ignora lá esse "a" q está a mais
abraço e bom fds

Teresa Durães said...

É sempre bom ter vontade de ir mais além. Preenche-nos a vida mesmo que exista a sensação de não haver tempo para alcançar tudo o que se quer. Aproveitando os dias consegue-se fazer muito.

Lúcia said...

Ai que inquietude! A ânsia de fazermos nossas palavras transparentes sem conseguir.
O amor: esse terramoto que, ora nos conforta, ora nos perturba.
Beijinhos, Maria

Leticia Gabian said...

Ai... Nem me fales em inquietude, amiga!



Beijo grande, amiga-irmã

© efeneto said...

Quando as palavras
secam na garganta
no momento exacto de as dizer
parecem rochas encrostadas na terra
impossíveis de as moldar.
Fico na impotente ansiedade
como náufrago, sem gritar.
Sei como são cruéis
e tiranas as palavras
que se recusam a pronunciar-se
naquele exacto momento
em que mais são precisas.
Quando me acontece contigo
substituo-as pelo olhar
e as mãos dizem o resto.

Voltei. O Grito do Poeta calou-se. Pode ser que ressuscite. Até lá convido a apanharem umas Migalhas de Poesia. Fica a promessa que voltarei para vos ler e apreciar com a atenção que merecem. Afinal os amigos souberam esperar. Até já…

zmsantos said...

...É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei, porquê, não sei
Porquê, não sei ainda...

Beijo.

mundo azul said...

...nosso tempo, será sim, suficiente para tudo que viemos fazer aqui...

Um texto bonito e bem reflexivo!


Beijos de luz e o meu carinho...

Fernando Samuel said...

Essa é a mais importante de todas as inquietações...


Um beijo grande.

Filoxera said...

Estás cheia de razão.
Um beijo grande.

Blueshell said...

Grata pela tua visita. Sim, penso que voltei para ficar.
mal de nós se o Amor se deixasse prender. Como dizes...é LIVRE: se tentamos aprisionar o amor ele foge-nos por entre os dedos com uma rapidez e uma destraza surpreendente. Adorei.

BShell

mariam said...

vim só deixar dar mais um abracinho...
e, Maria, penso assim: nunca forçar (nada) tudo tem o seu tempo no tempo que terá que ser... se visto assim, grande parte da inquietação se aquieta...
:)

um beijo
mariam

Paradoxos said...

"A minha inquietação é ter tanta coisa ainda para fazer e já não ter tempo suficiente"


o que dizer?




perfeito!!!

melgadoporto said...

Sem dúvida uma inquietação.
Uma inquietação feita inquietude, de tudo.
Dorida inquietude que jaz na inquietação, da incompreensão.
Num crescendo sem limites e que nos limita.
Mas o amor ninguém sepulta!
Podemos nos tentar enganar… mas só isso!
:-)

Maria P. said...

Só livre pode fazer sentido, tudo...

Beijinho, e bom fim-de-semana, Maria*

antónio paiva said...

...

metade de mim é que sinto, a outra metade é o que me inquieta.

beijo.

em azul said...

Não deixarei...
Um beijo
em azul

Utopia das Palavras said...

O amor
e querer amar
tudo....
nos traz
inquietude
e a ansia
de tudo querer
até ao limite...!

Beijos e bom fim de semana
ausenda

Orlando Gonçalves said...

O amor não tem de facto limites. Eu bem tento abrir o meu coração e até estou disponivél, mas é qualquer coisa que sinto cá dentro que não me deixa embarcar, nao me deixa levar. Eu sei o que é, é medo de sofrer, são todos aqueles traumas da minha infância que não me deixam voar e agarrar quem de mim se tenta aproximar.
Tento, tento e não consigo encontrar. Sei que um dia olharei para trás e me vou arrepender. Talvés um dia...

Gerlane said...

E enquanto houver vida, haverá inquietação, pois ambas são inseparáveis.

* Um bom fim de semana!

* Beijos

Meg said...

Maria,

...A minha inquietação é ter tanta coisa ainda para fazer e já não ter tempo suficiente...

Esta é a maior inquietação, no fim de contas.

Um abraço

Oris said...

Eu também não me limito...
Mas vivo inquieta.
:)

Beijitos, Maria.

De Amor e de Terra said...

Deixemos para trás o que é (se tornou) passado; é preciso seguir em frente, ao encontro de outras sensações. Inquietações, sempre, sem limites, porque a inquietação é perene a quem muito ama!

Beijos Maria

Serenidade said...

Tantas as inquietações que estão nos nossos corações como o enorme amor que temos para dar...

Serenos sorrisos

Eduardo Aleixo said...

Sim, o amor verdadeiro não morre ...facilmente....é livre, sim...mas deixa-se prender.
Beijo, Maria.
EA

Agulheta said...

Maria. Por vezes fico inquietante,por ver muito para fazer,mas passa.
Beijinho bfs

C Valente said...

Tudo tem o seu tempo e o seu momento, sei o que é queremos fazer e parece que o tempo voa, mas isso só nos acusa stress e doença, descontrai-a,amanhã é outro dia (fala a experiencia)
Saudações amigas

poesianopopular said...

Maria
Eu vivo a tua inquietação, e tenho a certeza, de que, não estamos sózinhos.
bjo amiga

tulipa said...

A minha inquietação é não ter tempo...para ter tempo de amar...
um abraço
tulipa

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram por aqui.

Bom fim-de-semana
Beijos

kris said...

a minha inquietação é querer amar...e não o poder fazer e demonstrar como gostaria...sempre limitada...sempre com o tempo contado....

beijo

Flamenguista Roxo said...

Boa pesia...adorei.
Uma boa semana, beijos.

Vera said...

Maria, e o amor tanto nos inquieta, desnecessariamente. Seria tão bom que só nos entendessem, que nos fizessemos entender...

Beijinhos

O Sibarita said...

Oxente? Colé dona menina! kkkk

Quem lhe disse que não tem mais tempo? Tem sim e muito para amar verdadeiramente....

Inquietação? Tenha não, as coisas se ajustam é questão de tempo fia!

bjs
O sibarita