Sunday, November 09, 2008

POEMA "emprestado" do Cravo de Abril

O BICHO

Vi ontem um bicho
na imundície do pátio
catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
não examinava nem cheirava:
engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
não era um gato,
não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

Manuel Bandeira

28 comments:

em azul said...

Estava eu a ler Eugénio de Andrade, Maria.
"Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos como animais envelhecidos;
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor
vamos caindo ao chão apodrecidos."


Deixo-te um beijo
em azul

salvoconduto said...

Por incrível que parecça é verdade, as lixeiras deste mundo mata a fome a muitas pessoas...

Abreijo, mais solidário.

Joao P. said...

Um homem Maria?

Pensei que era mulher... (tu e eu sabemos do que estou a falar)

Bjs

João P.

Maria said...

joao p.

Nunca teremos esse prazer...
(ou parecido...)

Beijo

Pedro Arunca said...

Enquanto se multiplicar por um e não se dividir por todos, muitos ficarão fora dessas contas.
Bj

Vera said...

São os piores...

Beijo Maria

Vieira Calado said...

Pelos vistos, passou-se no Brasil.
Ai, se o Manuel Bandeira vivesse em Portugal...

Desejo-lhe um óptimo fim de semana.

Bem haja

Carminda Pinho said...

E há por aí tantos...Maria, tantos.

Beijos

rouxinol de Bernardim said...

´E triste esta inversão de valores, esta injustiça social permanente.

Pior é quando os «bichos» são alçapremados ao pódio do poder!!!

Pedro Branco said...

Olha... só me deu para disparatar. Imagina que comecei a pensar nuns versos que começavam assim: "Vi uma bicha...". O que vale é que já tenho idade para (não) ter juízo e deixar-me dessas perversidades em público. E a minha reputação, hem?!!!

Beijo grande. Vê lá que hoje madruguei e só me dá para o disparate. Deve ser dos nervos (logo estarei em Alvalade!)

Leticia Gabian said...

Maroca,
Bandeira e a sua escrita contundente e direta!

O bicho é o homem!!!!!


Beijo enorme, amiga-irmã

samuel said...

O homem lançado às feras...

Zé dos Anzóis said...

Os grandes corações nunca são felizes. Para sê-lo, falta-lhes a felicidade de todos os outros.
Bem hajas
Beijo
Za

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida Maria, votos de um bom Domingo... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Justine said...

Terrível, Maria. Quanta violência!

heretico said...

Manuel Bandeira é um dos enormes poetas da lingua portuguesa.

belíssimos seus poemas em sotaque brasileiro ...

é bom (re)ler aqui.

beijos

Eduardo Aleixo said...

O meu amigo, Manuel Bandeira. Um poço de ternura.Beijo.
EA

Utopia das Palavras said...

São infelismente muitos
que a toda a hora são obrigados
a comportar-se como tal...
Até quando?

beijo
ausenda

Filoxera said...

Claro! Os homens são bichos; os outros são animais...
Beijos.

TRÍPTICO(POEMAS)FERNANDA said...

Olá querida Maria, até que enfim te encontro, Amiga!... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Ludo Rex said...

Infelizmente assim é para muitos homens...
Kiss

Menina do Rio said...

E quantos "homens bichos" catando comida no lixo....
Lamentável!

Um beijo de boa semana pra ti

Gerlane said...

Amiga,

Este poema, de um ilustre poeta conterrâneo meu, sempre me toca profundamente. Inclusive, sempre procuro trabalhá-lo com os meus alunos. E comento que, Manuel Bandeira o escreveu em uma época em que a miséria não era tão grande, aqui, em nossa cidade, e nas grandes cidades do Brasil.
Fico imaginando, então, o quanto ele ficaria estarrecido, se vivo fosse, ao ver que "os bichos" se multiplicaram em milhões.


* Uma ótima semana, beijos pra ti!

A. Jorge said...

Infelizmente há muito mais bichos desses do que imaginamos!
Mas não falemos de coisas tristes!

Desejo-te uma boa semana!

Um beijo

Jorge

BlueVelvet said...

Deixo-te só um beijinho.
Hoje não é o melhor dia para comentar este poema.

zmsantos said...

Quem disse que o Mundo era um covil?
E que os Homens são feras, devorando madrugadas?

Beijinho.

mariam said...

:)

O Sibarita said...

Ô moça, você quer me botar no esparro, é? kkkkkk

Eu vou dizer o que de uma poesia do Manuel Bandeira? kkk

É mil!

bjs
O Sibarita