Sunday, April 26, 2009

Comemorar Abril com Armindo Rodrigues

JURO NUNCA ME RENDER

Pela minha terra clara
e o povo que nela habita
e fala a língua que eu falo,
juro nunca me render.

Pelo menino que fui
e o sossego que desejo
para o velho que serei,
juro nunca me render.

Pelas árvores fecundas
que nos dão frutos gostosos
e as aves que nelas cantam,
juro nunca me render.

Pelo céu que não tem margens
e as suas nuvens boiando
sem remorso nem receio,
juro nunca me render.

Pelas montanhas e rios
e mares que os rios buscam,
com o seu murmúrio fundo,
juro nunca me render.

Pelo sol e pela chuva
e pelo vento disperso
e pela plácida lua,
juro nunca me render.

Pelas flores delicadas
e as borboletas irmãs
que nos livros espalmei,
juro nunca me render.

Pelo riso que me alegra,
com a sua nitidez
de guizos e de alvorada,
juro nunca me render.

Pela verdade que afirmo,
dos que a verdade demandam
até à contradição,
juro nunca me render.

Pela exaltação que estua
nos protestos que não escondo
e a justiça que os provoca,
juro nunca me render.

Pelas lágrimas dos pobres
e o pão escasso que comem
e o vinho rude que bebem,
juro nunca me render.

Pelas prisões em que estive
e os gritos que lá esmaguei
contra as mãos enclavinhadas,
juro nunca me render.

Pelos meus pais e meus avós
e os avós dos avós deles,
com o seu suor antigo,
juro nunca me render.

Pelas balas que vararam
tantos peitos de homens justos,
por amarem muito a vida,
juro nunca me render.

Pelas esperanças que tenho,
pelas certezas que traço,
pelos caminhos que piso,
juro nunca me render.

Pelos amigos queridos
e os companheiros de ideias,
que são amigos também,
juro nunca me render.

Pela mulher a quem amo,
pelo amor que me tem,
pela filha que é dos dois,
juro nunca me render.

E até pelos inimigos,
que odeiam a liberdade,
e por isso não são livres,
juro nunca me render.


Armindo Rodrigues

27 comments:

Pico minha ilha said...

Pela noite dentro continuamos a comemorar.Não conhecia Armindo Rodrigues, acho que vou passar a ler.Beijo Maria bom Domingo

Emigrante said...

Olá Maria
E eu juro não me arrepender de te visitar.

Beijos

Teresa

samuel said...

Belo Armindo! E não se rendeu!!!

Abreijos

Lúcia said...

Tanto para dizer sobre este dia!
Que Viva semppre Abril!

Beijinhos, Maria

salvoconduto said...

Não, nunca nos arrependeremos!

Abreijos.

Oris said...

....

"E até pelos inimigos,
que odeiam a liberdade,
e por isso não são livres,
juro nunca me render."


E por tudo o que foi dito atrás...

Beijitos.

Papoila said...

Por ti que fazes bril o ano inteiro nas palavras e na foram de encarar a vida :)

Um Beijo
BF

Joao P. said...

Excelente post e em boa altura... Manter o 25 de Abril presente é a tarefa

Brijo

João

anamarta said...

Excelente forma de comemorar Abril! Se como o Armindo nunca nos rendermos manteremos Abril sempre vivo!
Um abraço com cheirinho a Abril

Pedro Branco said...

Se fosses poema, este poderia ser um deles. Seguramente. E eu não me rendi e lá estive de novo, em palco, a dar voz à liberdade. Foi tão bonito!!! E tu não te rendeste e lá estiveste, dentro do meu peito, no abraço de sempre.

Sal said...

Lindíssimo poema. Obrigado. Mas eu vim mesmo aqui ao Cheiro da Ilha para te dar um grande ramo de cravos vermelhos e um abraço do fundo do coração.

Viva o 25 de Abril. E que tenhas tido um dia tão especial como o meu.

Beijinhos amigos!!!

(brinda daí um "pirata" ao 25 de Abril!)

beijinhos outra vez!

Carminda Pinho said...

Como o poeta também eu juro, nunca me render pela liberdade no meu País.

Não fui Maria, já calculava, mas "estive" com todos os que desfilaram, em espírito.

Beijinhos, amiga.

Delfim Peixoto said...

Eu não juro! Eu prometo um dia poder jurar que terei essa força dentro de mim... mas sei que ainda não tenho essa certeza de poder jurar o que um dia quero dizer!
Bj

De Amor e de Terra said...

Olá minha querida Maria, bom dia.
Que beleza! AMEI; não conhecia, nem o Poema, nem o Autor.
Muito bom, muito sentido.
Obrigada pela partilha.

Beijos

Maria Mamede

elvira carvalho said...

Não conhecia Armindo Rodrigues, e muito menos o poema, que achei lindo e muito forte. Eu também juro. Sempre.
Um abraço

Goldfinger said...

Maria

Farei parte desta jura colectiva que todos fazem. Jamais me renderei. Mas às vezes perdemos a fé...
Armindo Rodrigues não conhecia.

Um abraço e um beijinho


GOLDFINGER

BlueVelvet said...

Sei que nunca te renderás.Era bom que todos fossemos assim, mais que não fosse não nos rendermos à falta de esperança.
O poema é lindo.
Muitos beijinhos

r said...

Tudo pelo povo. Nada com o povo.

Agulheta said...

Maria. Tal como o poeta diz,e que gostei pois conheco alguns poemas dele! Jamais me rendo,por falsas palavras e falsos democratas de meia tijela? Viva Abril sempre.
Beijinho

FERNANDA & POEMAS said...

QUERIDA MARIA... ABRAÇOS BEM APERTADINHOS DE MUITO CARINHO,
FERNANDINHA

paula barros said...

Maria
Quando vier a Recife avisa. Estou aguardando.

abraços

A CONCORRÊNCIA said...

Por tudo isto, nunca nos renderemos ...

Beijo

clic said...

NUNCA!!!

isabel mendes ferreira said...

pela não rendição,



nunca.


pela companhia_______________um abraço.


sempre.


grato.

utopia das palavras said...

Como Armindo Rodrigues é grande!!!
E grande é a nossa vontande...jamais a rendição!

Não estive no passo, mas estive na alma!

Beijo, Maria

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

Fernando Samuel said...

Jurou e cumpriu o juramento!

Um beijo grande.