Thursday, September 24, 2009

HONDURAS - SOLIDARIEDADE

O Presidente Manuel Zelaya regressou ontem às Honduras.
Fê-lo clandestinamente, como é óbvio, e perante a incredulidade do fascista Micheletti.
Este, começou por negar, com a arrogância provocatória que lhe é característica, a presença do Presidente legítimo nas Honduras, assegurando que Manuel Zelaya - que designou como «terrorista mediático» - se encontrava «numa suite de um hotel da Nicarágua».
Depois, foi obrigado a reconhecer a presença do Presidente Manuel Zelaya nas Honduras, na Embaixada do Brasil - às imediações da qual começaram a acorrer milhares de pessoas manifestando o seu apoio ao Presidente legítimo.

Dirigindo-se aos seus apoiantes, o Presidente Zelaya afirmou:
«Quero dizer-vos que estou comprometido com o povo hondurenho e que não descansarei nem um dia, nem um minuto, até afastar a ditadura do poder. A partir de agora ninguém me tirará daqui, pelo que a minha posição é: pátria, restituição do poder, ou morte».
E aludindo à resistência heróica do povo hondurenho, o Presidente disse: «Somos um povo unido e somos, por isso, um povo vencedor»

Entretanto, o fascista Micheletti decretou o estado de sítio e forças militares à sua ordem intimaram os manifestantes a afastar-se quer das imediações da Embaixada do Brasil quer da sede da ONU, onde também estão concentradas milhares de pessoas.
Os manifestantes recusaram-se a cumprir as ordens e declararam que vão manter-se ali.

Quer isto dizer que a luta do povo das Honduras pelo restabelecimento da democracia entrou agora numa nova e mais avançada fase - só possível, recorde-se, porque o povo resistiu e não parou de se manifestar um único dos 86 dias passados desde o golpe fascista.

Quer isto dizer, também, que a solidariedade com a luta do povo hondurenho é agora ainda mais necessária e premente.

(Retirado daqui)

Beatriz del Valle, vice de Patricia Rodas, chanceler do governo do Presidente Zelaya, afirmou que a repressão nas Honduras atingiu "níveis incríveis". Numa entrevista concedida à rede TeleSur, a diplomata contou que tem tentado levar alimentos e água às pessoas que estão na embaixada brasileira, e confirmou que várias das pessoas detidas estão a ser levadas para o estádio de beisebol Chochy Sosa, em Tegucigalpa. "Nunca pensei que veria níveis incríveis de repressão como estes que estão em curso no país", disse.

Ver outras notícias em TeleSur.

19 comments:

samuel said...

Retirado... e muito bem!
Toda a solidariedade é precisa!

Abreijo.

salvo said...

Já lá comentei mas destaco aqui outra vez que o "vizinho" do Norte continua calado. Ai se fora na Colômbia!...

Abreijos.

Arabica said...

Nunca conseguiremos um mundo perfeito, Maria, mas não nos cansemos de tentar!

Abraço grande das cegonhas de Silves :))

amigona avó e a neta princesa said...

Roubei daqui para lá! Beijos Maria (e lá vamos para esta recta final! Sei que vais lá estar mas não, não espero encontrar-te a não ser, parafraseando Samuel que sejamos para aí 150 e tal!!!!)

A CONCORRÊNCIA said...

Lutar e denunciar sempre todas as tentativas de aniquilar a democracia e a liberdade .

Beijo

Miguel said...

Solidariedade, solidariedade, solidariedade!

Um beijo grande.

Justine said...

Denúncia e informação do que se está a passar, e solidariedade total!

Fernando Santos (Chana) said...

Olá Maria, solidariedade para esse povo...
Beijos

Manuela Fonseca said...

Um mundo perfeito existe. Onde? Só os que sabem podem falar dele e encontrá-lo no mapa dos seus corações...
Os outros... Bah!

Beijo e paz*

Carlos Albuquerque said...

Vi na televisão os militares a montarem cerco à Embaixa do Brasil onde se abrigou Zelaya. E não só, nas zonas limítrofes o aparato é o mesmo. Lembrei-me do Chile em 1973 quando a barbárie nazi de Pinochet assassinou Allende e se apoderou do poder com a conivência do "vizinho do Norte".
E hoje, o que faz o "Vizinho"? - silêncio!
O mundo dos homens livres está, obviamente, solidário com Zelaya e o povo hondurenho.

pico minha ilha said...

E aqulo que há de bom existe nos corações e não no mundo.
Solidariedade para este povo e também para os restantes no mundo que sofrem .

Beijinhos Maria

Luis Eme said...

o que podemos dizer?

da américa latina espera-se tudo, infelizmente.

beijinho Maria

Maria P. said...

Também acompanhei a notícia...

Beijinho, minha Maria*

Joao P. said...

Maria:

De facto há claramente dois pesos e duas medidas!

há que denunciar a divulgar a situação

beijo

João

Cris Caetano said...

Eu torço muito, mas as últimas notícias diziam que agora estavam hostilizando brasileiros... e tudo isso por se querer uma situação de direito e democrata. Triste...

Beijinhos

Maria said...

A todos que passaram aqui devo dizer que a solidariedade com Honduras é cada vez mais premente. Aos que comentaram e aos outros 183 que passaram sem comentar. É nossa obrigação, de todos, agir.

Beijos

Ana Patudos said...

Olá Maria
Viste o comício / festa aqui em Alpiarça com o camarada Jerónimo? Foi de chegar ao coração de todo um povo que viveu intensamente o 25 de Abril, a liberdade e a alegria naquela praça que ele baptizou como sendo a praça da esperança.
Aguardamos com muita ansiedade e emoção os resultados das duas eleições que se avizinham.
bjos de liberdade e confiança no futuro
Ana Paula

Maria said...

Ana Patudos

Vi, Ana, vi a reportagem. E ontem no Campo Pequeno o Jerónimo referiu esse mesmo enorme comício, de que eu também vi fotografias no anónimo séc. xxi linkado na lateral...

Beijos

elvira carvalho said...

Vi na TV. Parece incrível como passada a barreiro do ano 2000, e com toda a experiência das ditaduras e do que elas fizeram no séc. XX haja ainda seguidores e apoiantes para estes ditadores. Sim porque a força deles está em quem os apoia.
Um abraço