Saturday, November 18, 2006

Lagrimas

Hoje o dia amanheceu igual
Fresquinho – mas com sol
Tu ainda estás em mim
E nas ondas que
Rebentam lá em baixo
Mas esta distância
Que nos separa...

********
Vou pedir ao vento
que te traga

********
Duas lágrimas são flores
do meu jardim
feito de cardos

- Dói-me o estômago
pela tua ausência

21 comments:

Ana Patudos said...

... vou pedir ao vento que te traga...


lindo, lindo.

bom fim de semana
bjo
Ana Paula

poetaeusou said...

Lagrimas/Flores
Flores quando se usufrui do amor.
Lagrimas na ausencia.
Beijos, milhões deles...
no Volver do teu Amor !.
Ou do teu Almodovar! Acertei ? talvez ???
poetaeusou(admiradordoblog)

Tozé Franco said...

Bonito poema. E o que dizer das fotos dos posts anteriores? Os locais são fotogénicos, mas a arte e a sensibilidade de quem dispara a máquina são indispensáveis.
Um abraço.

amigona said...

Tão bonito!Os teus poemas transmitem ternura, saudade e Paz, muita Paz! Beijo...

poemusicas said...

Oi Maria,

estou aqui passando por teu blog, a procura de amigos.

Amanhã eu postarei um poema que fala do teu nome

Um beijo

Naeno

AS said...

Belo momento de poesia!
Mas não esqueças que quanto maior for o tempo de espera maior é a intensidade do encintro!...


Um beijo...

farinho said...

A ausencia do ser amado, deixa uma saudade profunda, parece que um bocado de nós fica perdida com a sua ausencia.

MUito bonito este poema.

Beijocas grandes.

pitanga said...

Maria, às vezes, a espera é melhor do que a chegada. Nunca viveste isso?

beijos de domingo

samaria said...

lágrimas, sim: lá fora, que se penduram no ar e que prometem (desobedientes)permanecer neste dia cinzento sem vento.
cá dentro as cores são outras: a minha patanisca diz que vai fazer desenhos para ti, mas como ela sai a nós tem uma ambição maior que o Sol, então não vê as margens do papel... socorro, tenho o chão pintado de cores de doce alegria infantil!

DE PROPOSITO said...

Tantas metáforas nos teus versos. E fiquei baralhado. E porquê doer-te o estômago?... não deu para eu entender.
Fica bem.
Manuel

Maria said...

de propósito,
Nunca te doeu o estômago por uma ausência? uma única?
Ou se quiseres, uma perca?
Ou um nó na garganta?
Vá lá, desbaralha-te.
Fica bem

Maria said...

naeno
Obrigada pelo teu post.
Tocou-me. Um beijo.

Maria said...

pitanga
sim, às vezes enquanto a gente espera a gente sonha, depois à chegada... a gente VIVE!
Bom domingo

Maria said...

Querido frog
Se houver encontro... o que não acontece quando essa pessoa já partiu... para sempre.
Um beijo com ternura

Maria said...

Olá,
Bonita poesia que se encontra por aqui.
Parabéns.
Até breve.

FSilva said...

Linda poesia! Um pouco triste. A saudade é sempre dor

bettips said...

Um beijo de mar. E poesia, levantada do chão que habitamos.

Vera said...

Lindíssimo! O vento trará ainda mais saudade! Mas talvez traga também um beijo!
Beijinhos poetisa!

PS - Adorei as fotos!

Besnico di Roma said...

doi sim. um gesto de compreensão...

Maria said...

Obrigada besnico, vai passar.
Pronto, já passou!

Maria said...

ana patudos
poetaeusou
tozé franco
amigona
farinho
samaria
maria
fsilva
bettips
vera
A todos vós o meu muito obrigada
Tenham uma boa noite