Saturday, March 21, 2009

Bom dia Poesia, todos os dias!

Jardim Perdido

Jardim em flor, jardim de impossessão,
Transbordante de imagens mas informe,
Em ti se dissolveu o mundo enorme,
Carregado de amor e solidão.

A verdura das árvores ardia,
O vermelho das rosas transbordava
Alucinado cada ser subia
Num tumulto em que tudo germinava.

A luz trazia em si a agitação
De paraísos, deuses e de infernos,
E os instantes em ti eram eternos
De possibilidades e suspensão.

Mas cada gesto em ti se quebrou, denso
Dum gesto mais profundo em si contido,
Pois trazias em ti sempre suspenso
Outro jardim possível e perdido.

Sophia de Mello Breyner Andressen

26 comments:

samuel said...

Espantoso!

Abreijo

Ana said...

Haverá maneira melhor de encerrar um dia?

Boa noite, Sophia, bom dia, Maria!

Beijinho

Delfim Peixoto said...

Bom dia!!!
jnhs

isabel mendes ferreira said...

BOM DIA ILHA.



de todos os dias. a ser.


um beijo.

Fernando Samuel said...

E VIVA A POESIA!


Um beijo grande.

Anonymous said...

A capacidade de síntese de expressar, em poucas palavras, pensamentos tão profundos.
A beleza clássica sem ser pedante.
Grande Sophia!

Campaniça

Justine said...

O meu jardim está assim, pena eu não saber dizê-lo...
Vivá poesia!

Maria P. said...

Bom dia minha Maria!

Todos os dias, sim.

Beijinho*

pin gente said...

no meu jardim perdem-se algumas flores. entristecem-se e buscam a sombra. entregam-se ao sabor da brisa que levemente as acaricia. no meu jardim passeio o tempo inteiro, perdida, esquecida do tempo que vagueia no espaço. perco (o) tempo devagar. e colho flores sei lhes cortar o pé. colho amores sem lhe tirar o brilho do olhar. no meu jardim nascem e renascem cores, aromas e sabores. no meu jardim brota a poesia nos canteiro onde me deixaram alegria. neste jardim não há muros nem cancelas. nele desaguam todas as vielas. e semeei um jardim assim porque não o quero só para mim.



um beijo enorme
luísa

Arabica said...

Neles, suspensos, todos os jardins de inverno, interrompidos pela primavera.

Bom dia. Beijos

Leticia Gabian said...

Um dia muito bem representado, sim senhora!

Viva a poesia, sempre!

Beijo enorme, AIC

A.S. said...

Querida Maria,

Poesia é Liberdade! Rebeldia!
Sofia, é um poema livre e rebelde!
Amar a Poesia é amar a Liberdade!

VIVA A POESIA!!!


Um abraço...

Ana Oliveira said...

Maria

Chegou o tempo dos jardins floridos...e que bem o dizem os poetas!

Bom fim de semana

Um beijo

Ana

caurosa said...

Olá, passei para uma visita e adorei seu blog, espero poder voltar mais vezes.

Forte abraço

Caurosa

Filoxera said...

Todo ele é belo, mas as duas últimas linhas deste poema são soberbas.
As possibilidades que estão pela frente. É nisso que temos de nos focar.
Beijos.

Ana Camarra said...

Eterno e maravilhoso!

Beijo grande

João JR said...

Palavras para quê???
A eterna Sophia...
Bjinho a ti Maria, uma companheira de boa poesia!

Maria said...

Muito obrigada a todos que passaram aqui.

Beijos

lisse said...

jardim que em flor, me faz sentir mais só, perdida...
sorvo o aroma, passeio em cor... mas... as mãos que queriam voltar a ser chama e calor...
perderam asas, perderam sonho. são sombra ferida...

bom fim de semana
abraço carinhoso

Anonymous said...

Tempo das cerejeiras

Era o tempo das cerejeiras em flor
O rosa pálido espalhava no ar
uma quietude de suave serenidade.
Pelos tempos do Tempo
as cerejeiras continuariam a cumprir
o que lhes havia sido destinado.
Florir de rosa pálido
e guardar as pequenas pérolas verdes
Quando as suas pétalas atapetassem os caminhos.


Maria, me perdoe, mas não consegui cumprir a promessa de não voltar a escrever aqui no blog.

Aten

Rosa dos Ventos said...

A eterna Sophia, sempre!

Abraço

Maria said...

Anónimo das 1:57AM

Pode continuar a escrever aqui sempre que lhe apetecer... é bem vindo!

Obrigada

bettips said...

Não falei de poesia mas li todas as flores e todos os mares. Todas as pedras e todas as árvores.
Vi as casas dos amigos, recebi as palavras e as imagens no regaço. Os poemas que lembraram, no coração.
Obrigada Maria.
Bjinho

Baila sem peso said...

Neste dia não deixei palavras
também por um motivo
para mim poesia
não tem data, nem hora
é um poder estar sempre e agora
com tudo, com todos e comigo...

como encontrar doce jardim perdido
espalhá-lo,pelo mundo tão esquecido

jardim só de amor, sem agitação
e tê-lo sempre de pé, junto à mão!

Obrigada pelo momento com Sophia de Mello...gostei da escolha!

Bjinhos

LB said...

Grande Sophia!

Bjinho

O Sibarita said...

Ai se os dias fossem assim....

E o meu jardim! kkkkkkkkkkkkkkk

Excelente poesia Maria.

bjs
O sibarita